Edição 268 | 11 Agosto 2008

A subversão lingüística de Macunaíma

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

André Dick e Márcia Junges

Romper com os padrões da linguagem escrita portuguesa, através de uma subversão que prima pelo estranhamento da linguagem, é um dos atributos da obra cujo protagonista é o “herói sem nenhum caráter”, analisa a crítica literária Eneida Maria de Souza

Uma obra que promove uma subversão lingüística apelando “ao estranhamento da linguagem, ao procedimento de concretização do artefato lingüístico”. É assim que a crítica literária Eneida Maria de Souza se refere a Macunaíma. “Um estilo modernista, antropofágico, pois se alimenta e mastiga de todas as fontes lingüísticas e estilísticas. Absorve o que há de mais lúdico na linguagem, o que há de mais escatológico na interpretação dos mitos e das anedotas. Macunaíma se apropria de todas as formas populares e eruditas do imaginário literário e cultural da América Latina e do estrangeiro”, aponta. “Sua fala é a montagem de várias falas, sua voz repete a dos personagens dos contos, sua malandragem remonta a Pedro Malazartes, aos romances picarescos, às trapaças do jabuti dos contos folclóricos”. E assegura: “A crítica à realidade brasileira reside justamente na apresentação de um herói sem nenhum caráter, preguiçoso, malandro e esperto, o que seria a imagem também malandra do país. Mas essa interpretação é por demais complexa, pois não há, na rapsódia, nenhuma lição de moralismo em relação ao caráter do brasileiro”.

Eneida é graduada em Letras, pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), mestre em Letras, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), e doutora em Literatura Comparada Semiologia, pela Universidade de Paris VII – Denis Diderot, na França, com a tese Des mots, des langages et des jeux - Une lecture de Macunaíma. É uma das organizadoras de Mário de Andrade - Carta aos mineiros (Belo Horizonte: UFMG, 1997), e escreveu, entre outros, O século de Borges (Belo Horizonte: Autêntica, 1999), A pedra mágica do discurso (2. ed. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999), Crítica cult (2. ed. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2007) e Tempo de pós-crítica (Belo Horizonte: Veredas&Cenários, 2007).

IHU On-Line – O que a senhora destacaria sobre os estudos que o autor realizou sobre mitologia indígena e folclore nacional, além da observação dos costumes e língua cotidiana, para escrever Macunaíma?

Eneida Maria de Souza - O enredo de Macunaíma é retirado dos mitos amazônicos colhidos pelo alemão Koch-Grünberg.  As histórias paralelas e os enxertos dos livros da Carochinha, dos manuais de folclore, dos diálogos deliciosos entre animais fabulosos, dos enredos eróticos das adivinhas e dos mitos sul-americanos. Essa bricolagem mítica resulta na recuperação discursiva realizada por Mário de Andrade, ao transformar as histórias em diálogos que apontam a fragilidade da linguagem, o seu valor simbólico e a diferença entre o material mítico utilizado e sua construção literária. A apropriação mítica é produto da bricolagem, procedimento por meio do qual a criatividade aflora e se distingue da mera cópia ou paráfrase. Quanto à observação dos costumes e da língua cotidiana, Mário de Andrade explorou o conceito de “fala nova”, que corresponde ao seu projeto literário e cultural de romper com a linguagem escrita de influência portuguesa e se apropriar da riqueza oral de nossa cultura, formada pelo índio, o negro e a malandragem branca. O papagaio funciona como metáfora desta “fala nova”, por se caracterizar pelo recurso à oralidade e à criatividade, repetindo e distorcendo a linguagem do outro, zombando das normas estabelecidas e se impondo como arauto da paródia e do desleixo. A subversão lingüística de Macunaíma consiste no apelo ao estranhamento da linguagem, ao procedimento de concretização do artefato lingüístico. Lê os provérbios populares, as frases feitas, as histórias infantis ao pé da letra, desconstrói seu valor simbólico e acredita na força da palavra falada, por ser muito astuta.

IHU On-Line - Poderia apontar as maiores novidades da obra em termos de estrutura, enredo, linguagem e estilo? E avaliar de que forma, nesse sentido, a obra reflete a “fúria demolidora” do Modernismo em termos de expressão e crítica da realidade brasileira?

Eneida Maria de Souza - A estrutura da obra segue os enredos tradicionais dos contos populares, das histórias orais. Há o nascimento do herói, suas peripécias, e o desfecho. Mas o que irá distinguir a rapsódia desses relatos tradicionais é a exploração criativa da linguagem, a utilização do estilo oral de forma a captar as contradições e falta de controle do sujeito diante do discurso. Um estilo modernista, antropofágico, pois se alimenta e mastiga de todas as fontes lingüísticas e estilísticas. Absorve o que há de mais lúdico na linguagem, o que há de mais escatológico na interpretação dos mitos e das anedotas. Macunaíma se apropria de todas as formas populares e eruditas do imaginário literário e cultural da América Latina e do estrangeiro. Ao se valer de fragmentos de discursos e de palavras alheias, a identidade se fragiliza e o herói se veste com as roupas descartáveis das personagens consagradas da cultura popular. Sua fala é a montagem de várias falas, sua voz repete a dos personagens dos contos, sua malandragem remonta a Pedro Malazartes, aos romances picarescos, às trapaças do jabuti dos contos folclóricos. A crítica à realidade brasileira reside justamente na apresentação de um herói sem nenhum caráter, preguiçoso, malandro e esperto, o que seria a imagem também malandra do país. Mas essa interpretação é por demais complexa, pois não há, na rapsódia, nenhuma lição de moralismo em relação ao caráter do brasileiro.
 
IHU On-Line – Que interpretação a senhora faz do capítulo “Carta pras Icamiabas”, que é considerado, algumas vezes, como lembra em seus estudos, de um “corpo estranho” no texto? Qual é a fundamentação lingüística dessa passagem na obra de Mário de Andrade, e até que ponto ela delimitaria uma passagem do coloquial para o dito “sofisticado”, de forma irônica, pois o autor brincava com o parnasianismo?

Eneida Maria de Souza - Com o intuito de criar uma literatura nacional sem abandonar a tradição literária ocidental, Mário de Andrade se insurge contra a retórica utilizada por seus contemporâneos quanta à diferença entre o “português escrito” e o “brasileiro falado”. A Carta é a paródia dos discursos influenciados pela herança da língua portuguesa, ao apontar a erudição como arma retórica e falso brilho. Retrata Macunaíma encantado com a civilização, com a ilusão do progresso e da máquina retórica. A oralidade não tem lugar na carta, espaço reservado à exposição desordenada de frases sem sentido escritas pelo herói sem nenhum caráter. Frases inteiras de Rui Barbosa  e dos doutos portugueses são enxertadas na Carta, uma forma de criticar a retórica vazia da língua escrita, assim como do português falado imitando o português escrito. O autor pensou em retirar o capítulo do livro, por achá-lo em defasagem com os demais, mas o traço parodístico foi mais forte e resistiu à ameaça de extinção. 

IHU On-Line – Quais foram as influências literárias de Mário de Andrade ao escrever Macunaíma?

Eneida Maria de Souza - Foram muitas. Cito, entre os estrangeiros, Rabelais,  com os livros  Gargantua e Pantagruel. As peripécias, o aspecto lúdico da linguagem e a escatologia, uma forma da expressão da linguagem popular, são as maiores marcas do escritor francês. Sem falar em José de Alencar,  nos romances populares etc. O modernismo, com Oswald de Andrade, Raul Bopp,  Tarsila entre outros autores, compõem o painel de Macunaíma. Como bebeu de várias fontes, é até difícil delimitá-las.

IHU On-Line – De que maneira podemos ver a ligação de Macunaíma com a “muiraquitã”, o seu “talismã existencial”, que a senhora considera vital para o discurso do livro? Até que ponto ela é uma peça central da narrativa?

Eneida Maria de Souza - É uma peça central na narrativa porque dá andamento e razão de ser da trama. Tudo gira em torno desta pedra perdida, uma sátira aos romances de cavalaria e de gesta. No entanto, considero mais a relação entre a pedra mágica do discurso como o instrumento com o qual Macunaíma se safa e desconstrói a linguagem do senso comum, das frases feitas, dos provérbios.

IHU On-Line - O personagem Macunaíma costuma ser visto como um retrato do que costuma ser o estereótipo do brasileiro: malandro, preguiçoso (ele repete no livro a expressão “Ai, que preguiça”), ingênuo, desorganizado, de caráter duvidoso. Como vê, depois de 80 anos, essa analogia ainda sendo feita? Que paralelos você traçaria entre o “herói sem caráter” e o brasileiro do jeitinho? É possível aproximá-los? Por quê?

Eneida Maria de Souza - Macunaíma, o herói de nossa gente, possui uma marca lingüística, o conhecido dístico “Ai! que preguiça!...”, que o distingue como personagem e o posiciona como o emblema literário da preguiça brasileira. A outra expressão, emitida reiteradamente por ele, “Pouca saúde e muita saúva, os males do Brasil são”, completa o seu perfil discursivo, ao se investir de intenção retórica e irônica e fornecer uma resposta às teses higienistas defendidas na época pelos adeptos da política de saneamento do país. Realiza-se, no nível discursivo e de maneira metafórica, a condensação entre preguiça e doença, denunciada pela fala inconseqüente de Macunaíma, pois a reiteração obsessiva de frases feitas atinge efeito derrisório e denuncia o blá-blá-blá criado em torno da questão. Os discursos sanitaristas endossados por Monteiro Lobato  em vários de seus artigos, assim como a célebre frase de Miguel Pereira, “O Brasil é um vasto hospital”, são vivamente criticados por Mário de Andrade, que reinventa o Macunaíma de forma distinta do Jeca Tatu,  assumindo a preguiça como valor e desprezando qualquer pretensão moralista ou regenerativa de sua personagem. Na composição desse raciocínio, o debate travado entre Macunaíma, herói solar e mestre da preguiça, com a cultura do trabalho, culmina com o sentimento de fracasso experimentado pela personagem, que, incapaz de realizações exigidas pela civilização cristã, encarna, de maneira indireta, esta culpa, assim como uma saída utópica, transformando-se em constelação. No entanto, a ambigüidade criada por este impasse final constitui uma abertura a mais na interpretação desse rico personagem da literatura brasileira de todos os tempos.

O corpo macunaímico

Um exemplo das ressonâncias que Macunaíma poderia apresentar na literatura brasileira contemporânea é o livro de João Gilberto Noll , Canoas e marolas, publicado em 1999 como parte de uma série criada pela editora Objetiva sobre os sete pecados capitais. Cada autor escreveu sobre um dos pecados capitais, e Noll foi escolhido para escrever sobre a preguiça. Nesse texto, o escritor retoma o Macunaíma do final, o Macunaíma doente, já sem viço, entregue à própria sorte. O livro de Noll é o contrário de Macunaíma; retoma o tema da preguiça, presente no texto de Mário de Andrade, mas de forma invertida, ressaltando o tédio, o desencanto, a ausência total de utopia e de saída no mundo contemporâneo. A atualidade desses corpos entediados, corpos atacados pela doença e pelo mal-estar, opõe-se, assim, ao corpo macunaímico, um corpo de uma plasticidade enorme, capaz de se safar de tudo. Trata-se de duas concepções da literatura, que encenam, de forma distinta, o tema da preguiça.

A associação com o presente se faz de modo a apontar as variadas saídas para nossa eterna sensação de fracasso e de um país que não dá certo. Mas a alegria do jeitinho, as saídas lúdicas de Macunaíma deveriam servir de exemplo para que o Brasil retomasse um pouco o senso de humor e a alegria da existência. Não só o sentimento de fracasso. 

IHU On-Line – Alceu Amoroso de Lima  dizia que Macunaíma não era um romance, nem um poema, nem uma epopéia, mas um coquetel. Como a senhora classificaria essa obra?

Eneida Maria de Souza - É uma rapsódia. Um amálgama de romance, conto popular, trechos de contos da carochinha, logo, uma mistura de vários gêneros e estilos. É popular, não se enquadra em nenhuma das qualificações que podem delimitá-lo.

Últimas edições

  • Edição 530

    Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

    Ver edição
  • Edição 529

    Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

    Ver edição
  • Edição 528

    China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

    Ver edição