Edição 268 | 11 Agosto 2008

Sala de Leitura

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

IHU On-Line

Saiba o que os colegas da comunidade estão lendo

“Estou lendo O caderno secreto de Descartes (de Amir Aczel. Rio de Janeiro: Zahar, 2005. 229 p.) A obra é uma biografia resumida de Descartes redigida de forma muito interessante, parecendo até um romance de tão envolvente e estimulante que ela vai se tornando. Na capa, o autor já apresenta uma chamada instigadora: ‘um mistério que envolve filosofia, história e ciências ocultas’. Ao mesmo tempo em que descreve a vida de Descartes, também trata questões do pensamento matemático de modo muito simples e claro, entusiasmando o leitor por esse campo do saber. Nesse caminho, revela o processo de como Descartes conseguiu, em sua genialidade, unificar duas áreas  da matemática (geometria e álgebra)  que abriu novas possibilidades para o desenvolvimento da matemática até o início do século XXI. Ao mesmo tempo, é fascinante verificar como um homem com tal grau de racionalidade era capaz de ser tão místico e supersticioso. Creio que esse livro desperte interesse tanto em leitores de diversas áreas do conhecimento, pela precisão como trata o tema, quanto naqueles que querem apenas ler algo como um romance policial.”

*ACZEL, Amir. O caderno secreto de Descartes (Rio de Janeiro: Zahar, 2005. 229 p.)

Tiago Wickstrom Alves é mestre em Economia Rural e Doutor em Economia. É professor dos cursos de mestrado em Ciências Contábeis e do mestrado em Economia da Unisinos, onde leciona Estatística Aplicada a Contabilidade e Microeconomia, respectivamente. Também é professor titular no curso de Economia.

“A obra que estou lendo é O Livreiro de Cabul (de Asne Seierstad. Rio de Janeiro: Record,  2002. 316p.). A autora é uma jornalista norueguesa que morou com uma família afegã por três meses, logo após a queda do regime talibã. A jornalisa conta, por meio de uma narrativa rica e envolvente, aspectos pitorescos de um povo muito distante de nós ocidentais. O que mais chama a atenção é o papel da mulher naquela sociedade, que pouco mudou com a queda  do regime autoritário do talibã, tratada mais como uma escrava. Gosto muito de ler romances que exploram os aspectos culturais, religiosas e geográficos de regiões, para nós, tão distantes.”

*SEIERSTAD, Asne. O Livreiro de Cabul (Rio de Janeiro: Record,  2002).

Nadege Gonçalves Lomando é mestre em Comunicação Social e especialista em Comunicação e Saúde, pela UFRGS, onde se graduou em Relações Públicas e Publicidade e Propaganda. Atualmente, é professora do curso de Comunicação Social – Hab. em Relações Públicas da Unisinos e orientadora da AGEXCOM - Agência Experimental de Comunicação da universidade.

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição