Edição 261 | 09 Junho 2008

Do professor ao filósofo: uma construção sólida

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Patricia Fachin

Para Jayme Paviani, a peculiaridade de Cirne-Lima reside na sua capacidade de reatualizar a Filosofi a, tornando-a “um sistema vivo de pensamento”

“Debate filosófico verdadeiro e não uma mera troca de idéias gerais.” É assim que Jayme Paviani, professor da Universidade de Caxias do Sul, define as discussões filosóficas propostas por Cirne-Lima ao longo de sua carreira. Em entrevista concedida por e-mail à IHU On-Line, o pesquisador afirma que Cirne-Lima apresentou um novo modo de ler Hegel, indo além das teorias do filósofo alemão. E acrescenta: “Isso é de fundamental importância como lição filosófica, especialmente quando a maioria dos estudiosos tende a permanecer fiel aos textos estudados”.

Paviani é graduado em Filosofia e em Ciências Jurídicas, pela Universidade de Caxias do Sul (UCS), mestre e doutor em Lingüística e Letras, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), e pós-doutor em Filosofia, pela Università degli Studi di Padova, Itália.

IHU On-Line - Como situar a Filosofia de Cirne-Lima no contexto do pensamento contemporâneo?
Jayme Paviani
– A Filosofia de Cirne-Lima efetiva a continuidade do pensamento filosófico na história. Repensa criticamente a tradição com o objetivo de reatualizar a Filosofia, de torná-la um sistema vivo de pensamento e não apenas sistematização teórica. Embora possa ser qualificada como um neoplatonismo em termos gerais, ela não se filia a nenhuma escola ou tendência acadêmica. Cirne-Lima é um dos poucos professores de Filosofia que, em relação aos grandes textos de sua área, pode ser considerado um filósofo e não um comentarista.

IHU On-Line – O senhor trabalhou durante alguns anos com o professor Cirne-Lima na PUC-RS. O que destacaria desse momento? Como ele contribuiu para reestruturação do curso de Filosofia da Universidade?
Jayme Paviani
– Para mim, foi um privilégio e uma honra ser colega do professor Cirne-Lima. Destaco sua conduta ética, o rigor e a honestidade de pensamento. Sua presença no corpo docente do PPG em Filosofia da PUC-RS contribuiu, ao lado de outros colegas, para a qualificação dos cursos de mestrado e de doutorado, especialmente para sua inserção nacional e internacional. Comungo totalmente com a visão aberta e flexível que o professor Cirne-Lima tem da organização curricular filosófica.

IHU On-Line – Qual é a importância do Grupo de Pesquisas Integradas Dialética – Diretório de Grupos de Pesquisa, criado por Cirne-Lima? De que maneira esses estudos contribuiriam para a discussão da Filosofia brasileira e gaúcha?
Jayme Paviani
– O Grupo de Pesquisas Integradas Dialética, como o título diz, reuniu e reúne pesquisadores que, embora autônomos em suas investigações pessoais, têm como objetivo comum repensar com instrumentos conceituais contemporâneos questões filosóficas fundamentais. O termo dialética não fecha a Filosofia, ao contrário: a dialética é vista tendo presente a totalidade do pensamento filosófico. A liderança do professor Cirne-Lima, ao criar e ao liderar o Grupo, é algo que somente com o passar do tempo terá sua contribuição devidamente dimensionada. Hoje, as contribuições do Grupo manifestam-se nas atividades dos docentes dos professores que dele participam, mas tendem a se aprofundar e prolongar especialmente nos inúmeros textos já produzidos. 

IHU On-Line – Com a elaboração do CD-Rom Dialética para todos, Cirne-Lima disse que estava desenvolvendo o projeto que tinha como objetivo ensinar Filosofia até mesmo às crianças. Como o senhor percebe essa preocupação do filósofo em disseminar discussões filosóficas para um público leigo?
Jayme Paviani
– Percebo como um trabalho notável, como um trabalho coerente. Cirne-Lima deseja ensinar Filosofia até às crianças, pois, na realidade, dirige-se a todas as idades. Todos, e cada um ao seu modo, somos principiantes. O CD-Rom Dialética para todos é uma mostra coerente do modo de ser do professor Cirne-Lima, com os pés firmes, na história e em seu tempo. Reatualiza, no seu agir e fazer a Filosofia e o filosofar. A tradição filosófica é posta até em termos tecnológicos à disposição do homem e da sociedade contemporâneos. Se, de um lado, a Filosofia pode estar morrendo aprisionada nas armadilhas acadêmicas das disciplinas filosóficas dos currículos fechados, de outro lado, a Filosofia pode estar despontando como necessidade natural em todos os lugares. O retorno da Filosofia às praças é urgente. Cirne-Lima percebeu isso com nitidez, daí sua iniciativa de encontrar caminhos e instrumentos para disseminar os debates filosóficos para o público em geral. Debate filosófico verdadeiro e não uma mera troca de idéias gerais. Ou seja, um debate fundamentado, com espinha dorsal e não apenas troca de opiniões.

IHU On-Line – Cirne-Lima tem se dedicado aos estudos dos sistemas neoplatônicos, em especial ao sistema de Hegel, desde a década de 1960. Como o senhor percebe o desenvolvimento de sua pesquisa e qual sua importância? Que mudanças são perceptíveis no seu discurso ao longo da caminhada? 
Jayme Paviani
– Cirne-Lima sempre se dedicou aos estudos neoplatônicos e ao sistema de Hegel, mas não como quem serve ou se torna especialista num autor ou sistema filosófico. Seu discurso foi adquirindo cada vez mais autonomia de pensamento. Percebe-se, ao longo da caminhada, o professor que se torna filósofo. Ele mostra uma nova maneira de ler Hegel. Não pára em Hegel, fala “depois” de Hegel. E isso é de fundamental importância como lição filosófica, especialmente quando a maioria dos estudiosos tende a permanecer fiel aos textos estudados. A Filosofia realizada não exige nenhuma fidelidade. O filosofar, esse sim, requer fidelidade e coerência.

IHU On-Line – A obra mais recente de Cirne-Lima chama-se Depois de Hegel, na qual ela se alicerça nos erros e acertos do pensador e desenvolve um pensamento bastante ousado e sólido. Como essa coragem e inovação intelectual de Cirne-Lima servem de inspiração para a comunidade filosófica?         
Jayme Paviani
– Esta pergunta é, entre todas, a mais importante para mostrar a figura do filósofo Cirne-Lima. Na coragem, na inovação intelectual, está a salvação da Filosofia. De um modo geral, o que se encontra nas repetições, nas eternas paráfrases dos artigos acadêmicos, é uma erudição filosófica, porém pouca Filosofia. Devido a certas circunstâncias, que não é o caso de examiná-las aqui, o receio de inovar torna-se o receio de filosofar. Não importa que Cirne-Lima seja criticado por alguns que não concordem com suas intervenções inovadoras, o importante está no pensar as questões. Nesse aspecto, Cirne-Lima é um modelo.

IHU On-Line – Tendo em vista a obra de Cirne-Lima como um todo, que aspectos deveriam ser particulamente destacados quando pensamos em possíveis desdobramentos e aprofundamentos futuros pelas próximas gerações?
Jayme Paviani
– A obra de Cirne-Lima é uma obra bem escrita, de leitura acessível e agradável e, ao mesmo tempo, profunda. Entrecruzam-se nela grandes coordenadas. É perpassada pelo pensamento dialético do todo, das oposições e das mediações. Nela, palavras-chave como sistema, auto-organização, história etc. tendem a merecer cada vez mais desdobramentos e aprofundamentos. O filósofo somente se realiza na medida em que seu pensamento é desdobrado por outro. Os grandes filósofos estão presentes nas épocas de passagem, por isso, mesmo depois de ultrapassados, continuam vivos na história da humanidade.

Últimas edições

  • Edição 530

    Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

    Ver edição
  • Edição 529

    Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

    Ver edição
  • Edição 528

    China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

    Ver edição