Edição 261 | 09 Junho 2008

Editorial

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

IHU Online

Carlos Roberto Velho Cirne-Lima. Um novo modo de ler Hegel

Na última sexta-feira, dia 6 de junho, o filósofo gaúcho Carlos Roberto Velho Cirne-Lima, recebeu o título de professor emérito da Unisinos. É com imensa satisfação que a revista IHU On-Line se associa a este reconhecimento público da obra filosófica deste professor do PPG de Filosofia da Unisinos que muito contribuiu, sempre com muita solicitude e profissionalismo, nos eventos e nas publicações do Instituto Humanitas Unisinos – IHU, dedicando-lhe o tema de capa desta edição.

“Avaliar a presença do professor Cirne-Lima no contexto da Filosofia nacional significa contar a história dos momentos mais importantes que atravessou um certo debate filosófico a partir dos anos 1960, nascido no Rio Grande do Sul, e que teria, ao longo dos anos, levado a um diálogo de grande profundidade entre filósofos brasileiros”, afirma Ernildo Stein, professor da PUCRS. Para o filósofo gaúcho, “há todo um clima de ambiente universitário que foi sustentado por Cirne-Lima através de suas interpretações de Hegel e de seus avanços no desenvolvimento de uma análise de caráter pessoal que o levaria a desenvolver um pensamento próprio”. Segundo Ernildo Stein, “a interpretação nova de Cirne-Lima iniciou um pensamento próprio que o levou a refazer todo o caminho platônico, sobretudo desde Plotino”.

Para Paulo Roberto Margutti Pinto, professor da FAJE, Belo Horizonte, Cirne-Lima “assume uma postura muito diferente daquela dos demais estudiosos de Hegel no Brasil, que se limitam a comentar mais ou menos escolasticamente a obra do grande pensador alemão. Cirne-Lima nos convida a repensar e não a repetir Hegel. Sua proposta não é exegética, mas dialética no sentido mais autêntico da expressão”. Segundo ele, Cirne-Lima, como discípulo autêntico de Hegel, “se propõe a superá-lo, utilizando elementos de lógica formal que são caros aos pensadores analíticos”.
Contribuem nesta edição também os professores Eduardo Luft, da PUC-RS, Julio Cabrera, professor da UnB, Thadeu Weber, da PUCRS, Jayme Paviani, da UCS, Adriano Naves de Brito, Inácio Helfer e Álvaro Luiz Montenegro Valls, da Unisinos, Manfredo de Oliveira, da UFCE,  Ariel Koch Gomes, estudante de Direito da Unisinos, e Luiz Osvaldo Leite, da UFRGS.

Confira ainda nesta edição uma entrevista especial com o economista Giovanni Arrighi. Ele analisa, sob a ótica de Adam Smith, a transferência da economia global da América do Norte para a Ásia Ocidental, e as implicações dessa mudança para os países do Sul global.

Repercutindo o recente artigo de Clodovis Boff, defendendo que a Teologia da Libertação, com o documento final da 5ª Assembléia Geral da Conferência do Episcopado da América Latina e do Caribe, realizada em Aparecida do Norte, no ano passado, teria encontrado o seu fundamento, Luiz Carlos Susin e Erico Hammes, professores de teologia da PUCRS, debatem o artigo. Por sua vez, José Comblin reflete sobre os 40 anos da realização da 2ª Assembléia Geral da Conferência do Episcopado da América Latina e do Caribe, em Medellín.

O sonho de Cassandra, de Woody Allen é o filme da semana. O escritor, jornalista, tradutor e compositor Rodrigo Garcia Lopes, de Londrina, PR, é o autor dos poemas publicados nesta edição.

Na elaboração da pauta do tema de capa desta edição, contribuíram, de maneira decisiva, os professores Adriano Naves de Brito, Eduardo Luft, Inácio Helfer e Marcelo Fernandes de Aquino, professores do PPG em Filosofia da Unisinos. A eles, mais uma vez, os nossos mais sinceros agradecimentos.

A todos e todas uma ótima leitura e excelente semana!

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição