Tráfico de pessoas. A forma contemporânea de escravidão humana

A questão do tráfico de pessoas e exploração sexual de mulheres avança para muito além da realidade fictícia da novela Salve Jorge, da Rede Globo, embora os dramas de Morena, protagonista da trama, sejam importantes para colocar o tema na agenda nacional de discussão. A revista IHU On-Line desta semana discute algumas questões relativas ao tráfico humano, especialmente de mulheres.

Participam do debate, principalmente, mulheres que militam de maneira pró-ativa contra o tráfico humanos, como Gabriella Bottani, representante da rede Grito Pela Vida na Talitha Kum – Rede Internacional da Vida Religiosa contra o Tráfico de Pessoas; Manuela Rodríguez Piñerez, assistente social que atua há mais de 20 anos no combate ao tráfico de mulheres; a psicóloga e coordenadora geral da Sempreviva Organização Feminista – SOF, Nalu Faria e Eurídes Alves de Oliveira, irmã religiosa, coordenadora da rede Um Grito Pela Vida e integrante da coordenação do GT de Enfrentamento ao Tráfico Humano da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil - CNBB.

A pesquisadora e professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Unisinos, Denise Cogo, que juntamente com outros colegas pesquisadores, lançou o Guia das Migrações Transnacionais e Diversidade Cultural para Comunicadores – Migrantes no Brasil, editado pelo Instituto de Comunicação da Universidade Autônoma de Barcelona.