Efeitos colaterais da Copa do Mundo

A Revista IHU On-Line reproduz uma pequena reflexão da psicóloga e ativista social Mariana Cristina Moraes da Cunha, psicóloga e integrante do Comitê Popular da Copa. O segundo texto foi extraído da cartilha Copa para quem? do Comitê Popular Para a Copa de São Paulo, lançado no final de 2012. Os textos foram enviados pela entrevistada Manuela Rodríguez Piñeres.

Por: Mariana Cristina Moraes da Cunha

Escravidão Moderna 

O tráfico de mulheres é uma forma moderna de tráfico de escravos, pois sequestra mulheres, em especial jovens, de seus países e as obriga a trabalhar como profissionais do sexo muitas vezes em troca de um prato de comida, em regime fechado, aprisionadas. Anualmente quatro milhões de pessoas, em sua maioria mulheres jovens, são traficadas. De acordo com o Parlamento Europeu, a indústria sexual ilegal acumula, por ano, de 5 a 7 bilhões de dólares.

Com o ufanismo dos megaeventos, a esperança de melhorar de vida, aproveitando os grandes negócios, a indústria sexual ludibria as mulheres jovens e pobres com a possibilidade de trabalharem nos eventos da copa do mundo. Prometem que elas serão garçonetes, cozinheiras, as transportando de seu país de origem (países subdesenvolvidos, da América Latina, África e Ásia) sem nenhum dinheiro ou garantia de retorno e as levam para serem escravas sexuais disponíveis para os frequentadores dos megaeventos. 

Na Copa do mundo em 2006 na Alemanha, o fato da prostituição ser legalizada foi um diferencial para a realização dos jogos lá. Este fato permitiu que a indústria do sexo não tivesse grandes problemas para traficar para a Alemanha nada menos que 40 mil mulheres, importadas da Europa central e do leste, para abastecer um gigantesco complexo ligado à prostituição.

Foi construída uma megacasa de prostituição, ao lado do principal estádio do país, com capacidade para 650 homens usufruírem de seus serviços simultaneamente. Vemos que o capitalismo se utiliza da legalização da prostituição, uma lei feita para proteger as profissionais do sexo, para potencializar seus lucros, explorando o corpo da mulher.

Já na Copa do Mundo na África do Sul, a prostituição não era legalizada, mas este país já fazia parte da rota de tráfico de mulheres, o que o tornava atrativo para ser sede de tais jogos.

A FIFA, grande agenciadora dos interesses das transnacionais, pressionou a África do Sul para que legalizasse a prostituição, o que não ocorreu. No entanto, os governantes deste país fizeram vistas grossas e o tráfico de mulheres (sequestro de meninas) aumentou ainda mais neste período de jogos mundiais. Segundo o porta-voz da polícia de Maputo, capital de Moçambique, essas meninas estavam sendo vendidas por US$ 670.

Megaeventos e regulamentação da Indústria Sexual

No contexto de megaeventos a defesa pela regulamentação da prostituição surge como fórmula mágica ao enfrentamento dessa questão, o debate foi colocado no caso da Alemanha e na África do Sul quando estes países foram sedes da realização da Copa do Mundo. Não por acaso, tramita em nosso congresso o projeto de lei de autoria do Deputado Federal Jean Wyllys batizada de “Gabriela Leite” que pretende regulamentar a prostituição tornando-a uma profissão no Brasil.

Regulamentar a prostituição significa atestar que a mulher é uma mercadoria. O neoliberalismo tornou-se o principal motor do desenvolvimento da indústria do sexo, do tráfico de mulheres e de crianças para fins de exploração sexual, fortalecendo as relações comerciais do capitalismo e sustentando o mecanismo de opressão das mulheres.

Regulamentada ou não, a prostituição continuará sendo a reafirmação do controle que os homens exercem sobre os corpos das mulheres e a manutenção de um padrão sexual imposto às mulheres e seus corpos. Nesse sentido, a regulamentação da prostituição somente tornaria mais fácil a atuação das máfias na rede de tráfico de mulheres e legitimaria essa escravidão.

Comentários

Deixe seu comentário

Digite seu comentário (obrigatório):
Nome (obrigatório): Email (não será publicado): Website (opcional):
Digite o código de verificação:
Click to refresh image