Edição 237 | 24 Setembro 2007

As paixões e os interesses - Albert Otto Hirschman (1915)

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

IHU Online

CICLO DE ESTUDOS FUNDAMENTOS ANTROPOLÓGICOS DA ECONOMIA

O desenvolvimento é uma cadeia de desequilíbrios. Essa é a teoria do economista Albert Otto Hirschman (1915). De acordo com Ana Maria Bianchi, professora da USP, na concepção do economista “a principal fonte de desenvolvimento seria dada por atividades com alto potencial de gerar encadeamentos, sobretudo no sentido enviar estímulos para setores que forneciam os insumos requeridos por uma atividade qualquer”. Embora criticasse algumas atitudes dos governos latino-americanos, Hirschman era otimista quanto à possibilidade de crescimento desses países. Para aumentar o desenvolvimento e o crescimento em áreas como a saúde, educação pública e desigualdades sociais, a professora aconselha que “é necessário reconhecer os nossos progressos para identificar com mais precisão o muito que ainda nos falta”.

Ana Maria Bianchi é formada em Ciências Sociais, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), e mestre e doutora em Sociologia, pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente, é professora da mesma Universidade. A professora é autora do livro A pré-história da economia: de Maquiavel a Adam Smith.

Ana Maria Bianchi já participou de outros eventos no IHU, e publicou o Cadernos IHU número 35, intitulado Adam Smith: filósofo e economista. A professora estará presente no Instituto Humanitas Unisinos – IHU, participando do Ciclo de Estudos Fundamentos Antropológicos da Economia. A professora abordará a obra As paixões e os interesses, de Albert Otto Hirschman (1915). Na entrevista a seguir ela antecipa algumas questões que abordará no evento.

Qual o potencial econômico da América Latina? O pensamento de Albert Hirschman

ENTREVISTA COM ANA MARIA BIANCHI

IHU On-Line - Em que consistiu o trabalho de Hirschman sobre o desenvolvimento econômico na América Latina?
Ana Maria Bianchi -
Albert Hirschman  é um dos pioneiros no campo da teoria do desenvolvimento. Começou a escrever sobre o assunto ainda durante a Segunda Guerra Mundial, enquanto estava profissionalmente envolvido no programa de assistência aos países europeus devastados pela guerra. A principal novidade de sua abordagem é que ela define desenvolvimento como uma cadeia de desequilíbrios. Em sua concepção, a principal fonte de desenvolvimento seria dada por atividades com alto potencial de gerar encadeamentos (linkages), sobretudo no sentido enviar estímulos para setores que forneciam os insumos requeridos por uma atividade qualquer.

IHU On–Line - Como ele percebe os países latino-americanos?
Ana Maria Bianchi -
Depois dessa experiência com o plano de reconstrução européia, Hirschman veio morar na Colômbia em 1952, como consultor indicado pelo Banco Mundial. Sua estada neste país e suas várias visitas subseqüentes a outros países latino-americanos foram cruciais para balizar sua percepção do processo de desenvolvimento. Como se sabe, a América Latina era, então, um continente predominantemente rural, com poucos países já industrializados, cuja população enfrentava condições sociais precárias. Mas Hirschman e sua família logo se adaptaram à Colômbia e fizeram muitos amigos, não só lá como em vários outros países da América Latina. É preciso acrescentar que a perspectiva geral de Hirschman era otimista quanto à possibilidade de crescimento econômico desses países.

IHU On-Line - Albert Hirschman disse que os países de industrialização tardia deveriam seguir um caminho original. Como a senhora define esse caminho? O Brasil, ao optar pela industrialização para alcançar o desenvolvimento, fez a escolha errada?
Ana Maria Bianchi -
Não acho que se possa afirmar que o Brasil errou ao optar pela industrialização - mais precisamente, pela industrialização baseada em substituição de importações. Este era o caminho aberto, àquela altura. Os cepalinos também insistiram nesse ponto, e com razão, vendo esse tipo de industrialização como uma saída para a deterioração dos termos de troca no comércio internacional. Evidentemente, cada período histórico tem suas possibilidades, e esta era uma possibilidade aberta. Havia energia para tal e havia também financiamento externo.

IHU On-Line - Na trilogia de Albert Hirschman sobre desenvolvimento econômico, quais são os  aspectos mais relevantes?
Ana Maria Bianchi -
A idéia de que o desenvolvimento industrial deveria proceder amplamente por meio de encadeamentos para trás era revolucionária, na época, pois implicava que um país que quisesse industrializar-se não deveria fazer as coisas da forma convencional. Ao contrário, o desenvolvimento industrial encontraria seu caminho nessa trajetória invertida, e a industrialização de setores líderes arrastaria atrás de si o resto da economia. Nesse sentido, Hirschman considera que haveria uma “virtude criativa” nas próprias tensões e nos próprios desequilíbrios criados pelo processo de desenvolvimento. Ao buscar soluções para esses gargalos, os países de industrialização tardia encontrariam seu próprio caminho.

IHU On-Line -Numa viagem ao Brasil, Hirschman disse que “toda vez que ocorrem mudanças no governo, os intelectuais consideram que está tudo errado e é necessário começar tudo de novo”. Essa observação explica o pouco crescimento e desenvolvimento do País?
Ana Maria Bianchi -
Hirschman critica aquilo que chama de “fracasomania ” como um traço cultural típico dos latino-americanos. O que quer dizer com isso? Que eles não levam em conta o alcance das mudanças que já estão em curso. Ele comenta que, sem dúvida alguma, a América Latina progrediu muito nas três décadas que se seguiram à Segunda Guerra Mundial, mas que não há a devida percepção disso. Da minha parte, também não concordo que tenha havido “pouco crescimento e desenvolvimento do País”.  É só observar os números. Não se percebe que estamos no melhor dos mundos. Mas precisamos reconhecer os nossos progressos para identificar com mais precisão o muito que ainda nos falta, sobretudo em termos de combate à pobreza e à desigualdade e à educação pública.

IHU On-Line - Que propostas ele sugere para que os países da América Latina consigam alcançar o desenvolvimento?
Ana Maria Bianchi -
Curiosamente, embora fosse um consultor econômico, Hirschman não era muito chegado a dar conselhos ou fazer prognósticos. Na verdade, ele achava que os países da América Latina deveriam encontrar seu próprio caminho, e de alguma maneira já estavam fazendo isso. Ele sustenta que sempre se interessou mais em ampliar a área do possível, ou do que pode acontecer, do que em prever, com base em raciocínio estatístico sobre o que iria ocorrer. Além disso, e talvez por causa disso, ele não acreditava em grandes planos de desenvolvimento. Acreditava mais em projetos isolados, que poderiam gerar os tais encadeamentos para outros setores da economia.  

IHU On-Line – Qual é a importância de reintegrar a economia à ciência política? Essa é uma prática esquecida?
Ana Maria Bianchi -
A ciência econômica, como se sabe, nasceu como economia política. A dimensão política estava, portanto, estreitamente associada a esse campo do conhecimento. Com a revolução marginalista, o adjetivo foi abandonado e a ciência econômica virou “economics”. Mas é evidente que a dimensão política é parte essencial de qualquer estudo econômico. Não só de qualquer estudo como, com mais razão ainda, de qualquer proposta de intervenção na realidade. Não é possível dizer, como se diz às vezes, que uma determinada política econômica está certa do ponto de vista técnico, e que se não deu bons resultados foi por causa dos políticos, que atrapalharam sua implementação. Já dizia Stuart Mill  que na passagem da teoria para a arte, o economista que é apenas economista é um péssimo economista!

Últimas edições

  • Edição 537

    A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

    Ver edição
  • Edição 536

    Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

    Ver edição
  • Edição 535

    No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

    Ver edição