Edição 231 | 13 Agosto 2007

O antropocentrismo se esboroa cada vez mais

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Por: IHU Online

III Ciclo de Estudos Desafios da Física para o Século XXI: o admirável e o desafiador mundo das nanotecnologias

“Quantos de nós conseguem operar mentalmente com prefixo nano simbolizado por n, originado do grego nánnos, ‘de excessiva pequenez’ ou nânos ‘anão’”, questiona-se o Prof. Dr. Attico Chassot (Unisinos), na entrevista a seguir, concedida por e-mail à IHU On-Line. O tema é instigante e suscita muitas perguntas, afinal de contas, quem de nós não se sente impactado pelas mudanças que a nanotecnologia já está provocando e ainda irá provocar em nossas vidas? E ele responde sobre como as nanotecnologias farão o ser humano repensar seu papel e centralidade no Universo: “Muito provavelmente o antropocentrismo se esboroa cada vez mais”. Essas e outras questões serão abordadas por Chassot na palestra Do infinitamente pequeno ao infinitamente grande, que abre as atividades do III Ciclo de Estudos Desafios da Física para o Século XXI: o admirável e o desafiador mundo das nanotecnologias. O Simpósio Internacional Uma Sociedade Pós-Humana? Possibilidades e limites das nanotecnologias será realizado de 26 a 29 de maio de 2008, na Unisinos, promoção do Instituto Humanitas Unisinos – IHU.

Chassot é licenciado em Química, mestre em Educação pela UFRGS, doutor em Educação pela UFRGS. E pós-doutor pela Universidade Complutense de Madri e escreveu diversos livros, entre os quais citamos: Para que(m) é útil o ensino de Química? (Canoas: ULBRA, 1995); Alfabetização científica: questões e desafios para a educação (Ijuí: Editora Unijuí: 2001); e A Ciência é masculina? É, sim senhora! (3rv. ed. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2007). Este último foi tema do IHU Idéias do dia 20-08-2003, antes mesmo de sua publicação. A IHU On-Line entrevistou Chassot sobre os livros apresentados no Sala de Leitura na 87ª edição, de 9-12-2003. Na edição número 6 dos Cadernos IHU Em Formação, intitulada Física, evolução, auto-organização, sistema e caos, escreveu o comentário Mirada ao passado para fazer uma Terra Habitável. Sua contribuição mais recente à IHU On-Line deu-se na edição 154, de 05-09-2005, com a entrevista “A universidade parece que vive um momento de alienação para com a crise política do País”.

IHU On-line - Como o infinitamente pequeno e o infinitamente grande se relacionam com as nanotecnologias?
Attico Chassot –
Trazer essa temática à sessão de abertura ao III Ciclo de Estudos Desafios da Física para o Século XXI: o admirável e o desafiador mundo das nanotecnologias é quase um momento de preparar as ferramentas para as sessões que se seguem. Na verdade, o infinitamente grande foi colocado nessa primeira sessão para fazer o contraponto com o infinitamente pequeno, assunto central do Ciclo. A centralidade das discussões vai colocar óculos, ou melhor, microscópios para olhar mundos fantasticamente pequenos que não só não fazem parte de nosso cotidiano como são quase impossíveis de imaginar. Quantos de nós conseguem operar mentalmente com prefixo nano simbolizado por n, originado do grego nánnos, “de excessiva pequenez”, ou nânos “anão”, adotado na 11ª Conferência Geral de Pesos e Medidas, de 1960 (resolução nº 12), equivalente a um multiplicador 10-9, seja, milésimo milionésimo da unidade indicada, por exemplo nanograma = um milésimo milionésimo do grama, ou para um nanômetro ou nanolitro.

IHU On-line - Poderia citar alguns exemplos de coisas infinitamente grandes e infinitamente pequenas para que tracemos um paralelo?
Attico Chassot -
Há muitos exemplos para nos familiarizarmos com essas dimensões. Qual é o volume, em nanolitros, de uma gota de água? Algo da ordem 50 milhões de nanolitros. Nesta sessão inaugural, vamos entrar em um mundo ficcional. Imaginem (e imaginar é fazer imagem) todos os habitantes da Terra (e aqui não é força de expressão, são mais de 6 bilhões de pessoas) contando as moléculas de apenas um centímetro cúbico (um dado com aresta de 1 cm) de gás nas condições normais de temperatura e pressão admitindo que cada pessoa conte duas moléculas por segundo. Essa tarefa exigiria mais de 70 anos. Assim podemos tentar imaginar em que mundo operam as nanotecnologias. Para adentrar em mundos infinitamente grandes ao invés de microscópios, vamos usar telescópios. Podemos ilustrar com as distâncias interplanetárias. Por exemplo, vamos experimentar entender o significado de “ano-luz”, que não é medida de tempo, mas de distância.

IHU On-Line - Que avanços na ciência essas descobertas podem trazer?
Attico Chassot -
Muito provavelmente, quando o Instituto Humanitas Unisinos - IHU projetou, há mais de um ano, esse evento, era porque queria que a comunidade que gravita na UNISINOS pudesse conhecer respostas a essa questão que você me propõe. Qualquer prognóstico que me atrevesse fazer aqui e agora estaria avançando o sinal de maneira incompetente, pois não tenho o preparo daqueles profissionais muito especializados que estarão nas próximas sessões.
  
IHU On-Line - Em nosso cotidiano, quais seriam as mudanças ocasionadas por tais descobertas?
Attico Chassot -
Talvez bastasse olharmos a miniaturização do mundo tecnológico que testemunhamos. Veja as microcirurgias, a miniaturização dos suportes de armazenamento de dados: LP ao CD e deste ao pendrive, temos a diminuição do suporte físico contrapondo-se ao aumento da quantidade informações armazenadas. Vejam a diminuição dos aparelhos de telefones móveis e a expansão de seus recursos. Olhemos a diminuição dos computadores, das calculadoras... Mas deveria responder essa pergunta como respondi a anterior. Os próximos conferencistas trarão muito melhores respostas.

IHU On-Line - Como essas estruturas podem fazer o homem repensar seu papel e centralidade no universo?
Attico Chassot -
Muito provavelmente, o antropocentrismo se esboroa cada vez mais. Parece que aumenta o nosso convencimento de maior respeito ou pelo menos maiores interrogações com os outros seres vivos tanto animais como vegetais. O respeito à vida dos outros viventes talvez tenha sido um dos meus maiores aprendizados quando olho esses avanços tecnológicos.

IHU On-Line - Gostaria de acrescentar algum aspecto não questionado?
Attico Chassot -
Apenas gostaria de destacar o quanto o Instituto Humanitas Unisinos - IHU tem uma função distinguida na UNISINOS. Atrevo-me a dizer que a realização deste III Ciclo de Estudos Desafios da Física para o Século XXI: o admirável e o desafiador mundo das nanotecnologias é mais uma das muitas evidências de que o Humanitas faz muita diferença nessa Universidade, pois é ele que a faz diferente.

Últimas edições

  • Edição 501

    O Holocausto no cinema. Algumas aproximações

    Ver edição
  • Edição 500

    Biomas brasileiros e a teia da vida

    Ver edição
  • Edição 499

    Hospitalidade - Desafio e Paradoxo. Por uma cidadania ativa e universal

    Ver edição