Edição 231 | 13 Agosto 2007

Perfil Popular - Lucas Cardoso

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

IHU Online

 Além da família, o trabalho como motorista é a grande paixão de Lucas Cardoso, proprietário da empresa de transporte universitário e turismo Lucas Tur, com sede em Porto Alegre e dez anos de atuação. Dos 42 anos de idade, 22 já foram dedicados à profissão de motorista. Determinação e garra são palavras que sempre nortearam a sua trajetória. A fé em Deus e a devoção por Nossa Senhora Aparecida são os grandes responsáveis pelas suas conquistas. Em entrevista exclusiva à revista IHU On-Line, Lucas revelou traços marcantes de sua personalidade. A solidariedade que o fez adotar uma criança é o mais bonito deles.

Origens
Lucas Cardoso é natural de Porto Alegre. Sua família não teve condições financeiras que lhe permitissem viver com luxos. “Meu pai era jardineiro, a minha mãe, cuidava da casa, fazia faxina e lavava roupas para fora.” O principal nunca faltou. Lucas conviveu com a humildade e aprendeu a crescer com dignidade e perspectiva de uma vida melhor. Ele pôde estudar até o 1º ano do Segundo Grau, mas gostaria de ter tido a oportunidade de continuar os estudos. “Sempre gostei muito de estudar. Nunca repeti um ano na escola.”

Pais
Aos 16 anos, Lucas e os quatro irmãos se depararam com uma situação um tanto delicada: a separação dos pais. “Eu já era maduro, mas foi complicado, porque eu tinha uma irmã pequena, com dois anos de idade. Hoje, meu pai tem outra família e mora em Araranguá (SC), e minha mãe, em Sombrio (SC), mas continua solteira. Minha relação com eles é muito boa. Quando tenho tempo, os procuro, e eles agem da mesma forma.”

Família
 Casado há 14 anos com a Fabiane Serra da Silva, que trabalha no escritório da Lucas Tur, Lucas é pai de cinco filhos: Lucas, de 13 anos; Luan, de 8; Luciano, de 6; e Luís, de 4. “Há dois meses, adotei outro menino, o Elizer, que tem dois meses de vida e está sendo criado como filho. Não há diferença entre eles.” Elizer é filho de um dos irmãos de Lucas. Vendo a dificuldade pela qual o irmão, desempregado, e a cunhada estavam passando, Lucas viu na solidariedade uma forma de ajudar. “Eles queriam entregar o bebê para a adoção e eu resolvi assumi-lo.” O conceito de família tem grande valor para Lucas. Mesmo quando está longe, acha uma forma de tê-los por perto. “Minha família é tudo o que eu tenho. No momento em que eu constituí uma família, a minha vida mudou. Enquanto estou no trabalho, meu pensamento é adquirir para eles.”

Profissão
Aos 13 anos, Lucas já sabia o que era trabalhar. Um curso de mecânica realizado no Senai, em período inverso ao da escola, abriu-lhe as portas para o primeiro emprego. “Foi na empresa Vestuário Renner”, lembra Lucas. A oportunidade de trabalhar como motorista veio com o tempo. Ele passou por três empresas de ônibus e dirigiu táxi-lotação até conseguir abrir o seu próprio negócio, a Lucas Tur, voltada ao transporte universitário e com dez anos de atuação. “Minha rotina na Unisinos começa às 6h e termina à meia-noite. Meu trabalho é tudo para mim. Adoro o que eu faço.” Motorista há 22 anos, Lucas não consegue se afastar da profissão, mesmo que por um curto espaço de tempo. O período de férias da universidade é sinônimo de angústia para Lucas. “Me sinto mal em casa. Fico sempre arrumando alguma coisa para fazer para que o tempo passe mais depressa e eu possa retornar ao trabalho.”

Sonhos
Ao contrário de quem encontra na possibilidade de sonhar um sentido a mais para viver, Lucas não tem grandes sonhos. “O que eu procuro é dar o melhor para a minha família.” Suas grandes realizações estão em ajudar ao próximo. “Sempre que eu puder ajudar um irmão, como fiz ao adotar uma criança, irei ajudar.”


Para enfrentar os perigos da estrada, devido a sua rotina profissional, Lucas tem uma grande companhia: a fé. Católico, Lucas acredita que todos têm uma crença, e a sua é em Deus. Além do Pai, a fé de Lucas está na Nossa Senhora Aparecida. “Sempre que saio de casa, faço um pedido a ela: para que me leve e da mesma maneira me traga, pois sempre terá alguém me esperando em casa.” Tamanha é a devoção, que Lucas pediu para um padre abençoar uma imagem da Santa que tem em sua casa, e também a carrega em seu veículo de trabalho.

Educação
Qualidade de ensino e melhores condições de vida. É isto que Lucas almeja para o futuro dos seus filhos. No entanto, a falta de comprometimento dos governantes com a educação deixa esta conquista um tanto distante. Um exemplo claro ocorre na sala de aula de um dos seus filhos. “Há 50 alunos na sala. Este número sobrecarrega os professores e os alunos não aprendem direito.” Lucas tem consciência de que o estudo é um dos mais preciosos bens que um pai pode dar para um filho. “Não me queixo do que eu faço, pois faço o que gosto. Mas quero que os meus filhos sejam melhores do que eu.”

Política brasileira
Na visão de Lucas, o cenário político do país é negativo sob todos os aspectos. E ele não omite a sua insatisfação. “Não gosto de falar em política. Os políticos compõem uma corja de corruptos.”

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição