Edição 346 | 04 Outubro 2010

A Criação em um ''momento fantástico de transição civilizatória''

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Moisés Sbardelotto

Para o doutor em ecologia, Genebaldo Freire Dias, vivemos em um mundo pós-ambiental com uma nova insensibilidade. Esse é o desafio, o fascínio e o privilégio de viver em um ''mundo pós-ambiental''

Diferentemente de uma “crise” climática, vivemos um período de “reajustamentos ecossistêmicos”, que tentam retomar a neutralidade após perturbações impostas pelo próprio ser humano ao seu ambiente. Mas isso não significa minimizar um problema que, a cada dia, revela-se com mais força diante dos nossos olhos, principalmente com sua faceta mais conhecida: o sofrimento, que também é uma “opção evolutiva”.
Essa é a análise do cientista biológico Genebaldo Freire Dias, em entrevista por e-mail à IHU On-Line. Ele, porém, reconhece que é possível reencontrar a estabilidade da Criação superando algumas defasagens e resolvendo algumas equações que não fecham. A primeira delas é em nível político, entre aquilo que é preciso fazer e as decisões tomadas pelos governantes nas políticas públicas. A segunda, em nível social, encontra-se no interior de um “conjunto cruel de insustentabilidades”, marcado por população e consumo crescentes, imediatismo, materialismo, ganância, desperdício, exclusão, corrupção. Uma terceira – e talvez mais grave – é a urgência dos problemas e a realidade de que não temos mais tempo. “Perdemos o momento da virada. Agora temos que arcar com as consequências”, afirma. Uma quarta defasagem é em termos de escala. O país rico precisa abrir mão de emitir CO2; o país pobre, de queimar e desmatar; e cada um de nós precisa mudar hábitos alimentares. Para Dias, é preciso abrir mão de algumas coisas. “É fácil economizar água, energia elétrica, colocar a latinha para reciclar, essas coisas. Isso não mexe com o seu conforto, com as suas vontades. Mas uma decisão mais profunda mexe”, defende. Como, por exemplo, deixar de comer carne. Esse é, afirma, um primeiro passo para reconhecer “o desafio, o fascínio e o privilégio de estar presente em um momento fantástico de transição civilizatória”.

Genebaldo Freire Dias é graduado em Ciências Biológicas pela Universidade de Brasília - UnB, onde também obteve o mestrado e doutorado em Ecologia. Atualmente, é professor e pesquisador da Universidade Católica de Brasília, onde é diretor do Programa de Pós-Graduação em Planejamento e Gestão Ambiental (Mestrado e Doutorado). Atua na área de Educação Ambiental e de Gestão Ambiental. Tem vários livros publicados sobre a temática socioambiental, dentre os quais destacamos: Educação e Gestão Ambiental (Gaia, 2010), Dinâmica e Instrumentação para Educação Ambiental (Gaia, 2010), Pegada Ecológica e Sustentabilidade Humana (Gaia, 2008) e Ecopercepção: Um Resumo Didático dos Desafios Socioambientais (Gaia, 2008).

Confira a entrevista.

IHU On-Line – Vivemos realmente uma crise ambiental em nível mundial?

Genebaldo Freire Dias – A palavra “crise” não se aplica aí. O que temos são reajustamentos ecossistêmicos. Reações esperadas para a neutralização de perturbações. Muitas destas, impostas por nós. Os sinais estão na mídia todos os dias. Ninguém precisa ser PhDeus para perceber.

IHU On-Line – Qual a situação do Brasil com relação às mudanças climáticas? Os órgãos públicos nacionais estão fazendo o que lhes cabe para evitar que elas se aprofundem?

Genebaldo Freire Dias – O Brasil está muito bem representado pela Comissão Interministerial. Temos cientistas renomados ali, e as iniciativas brasileiras são inovadoras. Mas ocorre uma defasagem entre o que é necessário fazer e a percepção dos tomadores de decisão nas políticas públicas. Ainda reina uma grande ignorância sobre o assunto. Os temas de segurança climática, segurança alimentar e vulnerabilidade social, por exemplo, todos ligados às mudanças climáticas globais, são ainda desconhecidos pela classe política. Dessa forma, a América do Sul é apresentada como uma das mais vulneráveis! A partir daí, todos os ecossistemas estão sob pressão.

IHU On-Line – Em suas obras, o senhor defende o papel da educação ambiental. Como é possível fomentar uma educação que leve em conta a sensibilização e a promoção de uma cultura socioambiental?

Genebaldo Freire Dias – Não vai ser por meio da coleta seletiva, da economia de água e da energia elétrica que sensibilizaremos as pessoas. Vivemos em um mundo pós-ambiental. Há uma nova insensibilidade. Evolou-se o sonho romântico do retorno à natureza intocada. Agora, estamos em outra etapa. Se não demonstrarmos por meio de práticas as consequências das nossas ações, e se não incluirmos agendas positivas nisso, não vejo saída diferente do sofrimento (que é também uma opção evolucionária!).

IHU On-Line – Algumas leituras de mundo religiosas levaram a um certo antropomorfismo. O que é necessário para desconstruir essa ideia, em termos ecológicos?

Genebaldo Freire Dias – Quando nos disseram que vivemos confinados na superfície de uma pequena esfera flutuando no espaço escuro e gelado do universo? Os mistérios da vida, o fascínio de estar vivo, de partilhar precisam ser despertos. Uma educação que sensibilize, amplie a percepção para isso.

IHU On-Line – O senhor também fala de “socioambientalismo”. Como conciliar as urgências da natureza com as urgências das populações em risco?

Genebaldo Freire Dias – Nos padrões vigentes não há conciliação possível. A equação não fecha: população crescente, consumo crescente, imediatismo, materialismo, ganância, desperdício, exclusão social, corrupção e educação e informação alienadoras formam um conjunto cruel de insustentabilidades. O desafio é que não temos mais tempo. Perdemos o momento da virada. Agora temos que arcar com as consequências. Isso significa dizer mitigação e adaptação. Foi o que fizemos. O que existe de tentativas – como gestão ambiental e seus ramos – foram e são sistematicamente burlados. Há sempre um grupo de parlamentares financiados por corporações para aprovar leis ambientais mais brandas, por exemplo. O desafio, então, é emblematicamente evolucionário.

Últimas edições

  • Edição 513

    Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

    Ver edição
  • Edição 512

    Revolução Pernambucana. Semeadura de um Brasil independente, republicano e tolerante

    Ver edição
  • Edição 511

    Francisco Suárez e a transição da escolástica para a modernidade

    Ver edição