Edição 381 | 21 Novembro 2011

A antropologia de Marx: a contribuição mais importante de sua obra

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Por: Antônio Delfim Netto

Para Delfim Netto, o que o marxismo tinha de bom, de mais importante, é parte integrante da cultura universal, da mesma forma que Hegel, Kant e Einstein foram absorvidos O comentário abaixo foi escrito pelo economista Antonio Delfim Netto sobre os Grundrisse. Antônio Delfim Neto é economista, professor universitário e político brasileiro. Professor emérito da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo, onde fez sua carreira acadêmica, tornou-se professor titular de análise macroeconômica em 1983. Confira o comentário.

Muito obrigado por seu interesse em ouvir-me a respeito dos escritos de Marx.

Creio que seu interesse se deve à leitura de dois artigos meus publicados no Valor (Homem e Trabalho, 18-10-11) e na Folha de S. Paulo (Trabalho, 19-11-2011), em que escrevi que o problema do desemprego causado pelas crises financeiras tornou-se “o mal social global” e comentei que “uma das construções mais impressionantes de Marx é a sua leitura do papel do trabalho nos Manuscritos de 1844, antes de ele ter sido seduzido pela leitura de Ricardo”.

Esta minha observação se refere simplesmente à antropologia de Marx que está contida nos Manuscritos econômicos e filosóficos que eu considero como a contribuição mais importante de sua obra. E quando eu digo que ele “sofreu” depois uma influência de Ricardo, estou querendo dizer que ele piorou, porque inventou uma metafísica que é um trabalho abstrato e a partir daí, usando a teoria do valor, ele foi se perdendo.

Karl Marx foi seguramente um dos maiores pensadores do século XIX e hoje suas ideias estão totalmente absorvidas. O que o marxismo tinha de bom, de mais importante, é parte integrante da cultura universal, da mesma forma que Hegel, Kant, Einstein foram absorvidos.

Faço votos que vocês se divirtam bastante com essa nova interpretação dos Grundrisse e envio daqui um grande abraço.

Cordialmente, Antonio Delfim Netto.

Últimas edições

  • Edição 501

    O Holocausto no cinema. Algumas aproximações

    Ver edição
  • Edição 500

    Biomas brasileiros e a teia da vida

    Ver edição
  • Edição 499

    Hospitalidade - Desafio e Paradoxo. Por uma cidadania ativa e universal

    Ver edição