Edição 300 | 13 Julho 2009

Dossiê especial Caritas in veritate

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Graziela Wolfart e Patricia Fachin | Tradução de Benno Dischinger

A IHU On-Line preparou para a edição desta semana um breve dossiê sobre a mais recente encíclica do Papa Bento XVI, intitulada Caritas in Veritate. Publicada no último dia 07 de julho de 2009, o documento é dedicado aos temas da economia, das finanças, do dinheiro e do trabalho. Comentam a encíclica o jesuíta Jean-Yves-Calvez, o sociólogo Luiz Alberto Gómez de Souza, e o economista Plínio de Arruda Sampaio. Confira.

A encíclica de um Papa que confia na sociedade civil

Na opinião do jesuíta Jean-Yves-Calvez o princípio geral da nova encíclica de Bento XVI é de que “a economia necessita de ética”

Desenvolvimento, meio ambiente, solidariedade internacional, situação demográfica do mundo, migrações, necessidade de ética na economia, necessidade de uma nova gestão dos recursos raros em benefício de todos, relação entre mercado e dom, fraternidade e revalorização do papel do Estado. Todos esses são temas discutidos na mais recente encíclica do Papa Bento XVI, intitulada Caritas in veritate. Após ler o documento, o padre jesuíta Jean Yves-Calvez aceitou responder algumas questões à IHU On-Line, por e-mail, onde escreveu que “tudo isto é (...) consequência da ‘crise’”, embora seja preciso observar, continua ele, “que a crise não é o tema central, como esperavam muitos (decepcionados?); é antes, por alusão, que isso entra em questão”. Para Calvez, todos os pontos levantados por Ratzinger nesta encíclica constituem “um encorajamento a tomar, sem hesitar, as medidas intervencionistas e corretivas que deveriam impedir o retorno de semelhantes crises”.

Jean-Yves Calvez é um jesuíta com uma trajetória de vida muito interessante e repleta de reflexão sobre os grandes problemas sociais da humanidade. Ele, profundo conhecedor do marxismo, é autor de uma obra clássica sobre O Capital de Karl Marx. É autor de inúmeros livros, entre eles, foram publicados no Brasil A Economia, o Homem, a Sociedade (Loyola, 1995) e Política. Uma Introdução (Ática, 1997). Calvez é um proeminente especialista no Ensino Social da Igreja.

Confira a entrevista.

IHU On-Line - Quais são as ideias centrais da nova encíclica de Bento XVI (Caritas in veritate)?

Jean-Yves Calvez - São tratados diversos temas. No início, pelo menos, o principal é o desenvolvimento. O que pode provocar surpresa, sabendo-se que a problemática globalização dos economistas liberais se desenvolveu, com frequência, em contradição às políticas voluntaristas de desenvolvimento: era-lhes oposto o caráter automático dos avanços das economias sob o impacto da abertura das fronteiras. O papa rende ao desenvolvimento suas cartas de nobreza; ele revaloriza, aliás, a grande encíclica do desenvolvimento, a Populorum progressio,  e seu autor, o Papa Paulo VI, muito pouco citado na época do pontífice precedente, João Paulo II. Boa nova, dizem os defensores do desenvolvimento. Seguramente há, a seguir, toda uma série de outros assuntos: o meio ambiente, a solidariedade internacional (“a colaboração na família humana”), a situação demográfica do mundo, as migrações, a necessidade de ética na economia, a necessidade de uma nova gestão dos recursos raros em benefício de todos, dos mais pobres em particular. A relação entre mercado e “dom” (cap. III) é um tema que chama a atenção, associado à questão da fraternidade que pode e deve se desdobrar na sociedade civil, na qual o papa tem confiança, apoiando a revalorização do papel do Estado (“cuja função parece destinada a crescer”). Tudo isto é, poder-se-ia dizer, consequência da “crise”: e o é, indiscutivelmente, embora seja preciso observar que a crise não é o tema central, como esperavam muitos (decepcionados?); é antes, por alusão, que isso entra em questão. De outra parte, “o amor (a caridade) é tudo”, diz o papa, “na e segundo a verdade”, ou seja, segundo a estrutura das coisas e a natureza do homem; além da estrutura, o amor não é senão a lancinante dor “emocional”.

IHU On-Line - Qual a importância desta encíclica no contexto atual de crise econômica e social?

Jean-Yves Calvez - O relevo de todos os pontos que acabo de evocar é um encorajamento a tomar, sem hesitar, as medidas intervencionistas e corretivas que deveriam impedir o retorno de semelhantes crises. Mas isso não é dito com toda essa nitidez.

IHU On-Line - Que respostas a encíclica oferece para a crise moral da financeirização?

Jean-Yves Calvez - Aqui o papa não se engaja no detalhamento de medidas precisas, que, de resto, não podem resultar de um mero reerguimento “moral” dos homens. O princípio geral é, no entanto, nitidamente colocado, contra todos aqueles que gostariam de isolar a economia da moral: “A economia necessita de ética”. 

IHU On-Line - Qual é a novidade que esta encíclica (Caritas in veritate) traz em relação à Populorum Progressio?

Jean-Yves Calvez - É claro que a nova encíclica trata dos problemas do desenvolvimento num novo contexto, justamente o da globalização – querendo isto expressar um contexto de espírito mais liberal do que do tempo da Populorum progressio, que torna provavelmente mais difícil precisamente a ação para o desenvolvimento. A nova encíclica fala também num contexto de escassez, muito sublinhado, pelo menos se tratando dos recursos energéticos – é verdade que o papa diz no mesmo instante: “Há lugar para todos sobre a terra...”. 

Leia mais...

>> Jean-Yves Calvez já concedeu outra entrevista à IHU On-Line.

Entrevista:

A análise marxista do capitalismo não caducou. Publicada nas Notícias do Dia do sítio do IHU, em 25-10-2006.

 

Últimas edições

  • Edição 542

    Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

    Ver edição
  • Edição 541

    Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

    Ver edição
  • Edição 540

    Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

    Ver edição