O PT no poder. 10 anos depois, “do ponto de vista da esquerda, tudo está por fazer”

Na percepção de Werneck Vianna, o Partido dos Trabalhadores representa uma esquerda que, para seguir em frente, foi capitulando do seu programa, em alguns momentos até de alguns de seus princípios como, por exemplo, o da ética na política. Aos poucos foi se tornando uma presença tradicional na política

Por: Graziela Wolfart

"Se o PT não é mais um partido de esquerda? É. Agora, de que esquerda se trata?"

 

“O PT vem ao mundo com uma missão: a de transformar, eu diria até que, pensando em algumas lideranças, a missão de revolucionar a sociedade brasileira. No entanto, uma coisa era a intenção e outra coisa são as circunstâncias. A opção foi a de fazer as reformas possíveis e não enfrentar, de verdade, as questões duras”. A afirmação é de Luiz Werneck Vianna, professor-pesquisador da PUC-Rio. Em entrevista que concedeu à IHU On-Line por telefone, o sociólogo admite que ainda tem dúvidas sobre quem será o candidato do PT à presidência da República em 2014. “Este lançamento prematuro da campanha presidencial de Dilma surge como uma ‘zona de sombra’. Por que tão cedo? Para forçar a irrupção da sua presença e torná-la inamovível? Ou porque há riscos da presidente, que tenta a reeleição, ser ultrapassada pela candidatura Lula, por pressão do próprio partido. O PT não é Dilma. O PT é Lula. O voto de massas não é Dilma. O voto de massas é Lula. Eu não posso sustentar que Lula será o candidato. No entanto, essa é ainda uma possibilidade, especialmente se Dilma não tiver êxito na condução da vida econômica”. E ele ainda defende que estamos em uma era que está se fechando diante de nós e que, do ponto de vista da esquerda, “vai nos deixar em um mundo desertificado, porque ela não aproveitou esses 12 anos de governo. Não foram anos de enraizamento, de aprofundamento de uma cultura de esquerda no país. Do ponto de vista da esquerda, tudo está por fazer”. 

Luiz Werneck Vianna é professor-pesquisador na PUC-Rio. Doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo, é autor de, entre outros, A revolução passiva: iberismo e americanismo no Brasil (Rio de Janeiro: Revan, 1997); A judicialização da política e das relações sociais no Brasil (Rio de Janeiro: Revan, 1999); e Democracia e os três poderes no Brasil (Belo Horizonte: UFMG, 2002). Sobre seu pensamento, leia a obra Uma sociologia indignada. Diálogos com Luiz Werneck Vianna, organizada por Rubem Barboza Filho e Fernando Perlatto (Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2012) (mais informações em http://bit.ly/IVmpmg).

Confira a entrevista.


IHU On-Line – De modo geral, que balanço o senhor faz dos 10 anos do PT na presidência da República? Trata-se de um governo de esquerda? 

Werneck Vianna – É inquestionável que o PT foi eleito pela esquerda, a começar pela própria natureza da sua principal liderança, um operário metalúrgico, de chão de fábrica, com apoio do movimento sindical brasileiro à sua candidatura, de movimentos sociais muito relevantes e o seu compromisso com os temas sociais. Então, inequivocamente o PT chega ao governo pela esquerda como um partido de esquerda e com suas características muito particulares. Certamente ele surge nessa nova onda de partidos na linha da social-democracia nascidos na queda do Muro de Berlim, no derruimento do sistema soviético, do fim do socialismo real. Além do mais, o PT já nasce muito articulado com movimentos de base da Igreja Católica brasileira, e não apenas na base, porque houve apoio também por uma parte considerável da hierarquia católica. Isso dá uma marca muito particular a essa esquerda que o PT representa. Embora expressando uma política e uma natureza de social-democracia, o PT nunca aceitou esse enquadramento, sempre se concebendo como um partido de esquerda fora dessa moldura. O que vai trazer problemas mais à frente na sua história partidária. O fato é que foi assim. 

No governo, o PT se empenha em realizar pelo menos uma parte do seu programa. Mas as dificuldades eram muito grandes e o seu projeto originário de reformas teve que ser abandonado em nome da governabilidade. O tema da governabilidade marca de forma muito poderosa sua história de governo. Essa governabilidade diz que as alianças tinham que ser ampliadas, importava sobretudo reter a máquina governamental em suas mãos, o que faz com que o partido se torne, com o passar do tempo, progressivamente um partido de vocação eleitoral e não de mobilização popular. Enquanto isso, o tema da mobilização popular vai ser abandonado e o partido e seu governo vão agir de forma muito tradicional, assim como os governos anteriores, de forma assimétrica em relação à sociedade, com estilo decisionista. E essa abertura em razão da sua opção eleitoral para permanecer no poder vai, aos poucos, afetando a sua identidade originária. Grupos originários, vindos da esquerda, em vários momentos abandonam o partido: o PSTU, o PSOL, os verdes, e também aqueles que olham a política por uma perspectiva muito ética – tipo o Hélio Bicudo  –, também vão se desencantar, vão abandonar, mesmo que venham a se escorar em outros partidos, deixando o PT. Assim, o partido se torna, sem perder o seu centro de gravidade no movimento sindical, um partido de projeção de massas, principalmente quando sua política social se assenta a partir do Bolsa Família e outras iniciativas vitoriosas. O resultado é um partido no governo que se torna um impotente rearranjador da distribuição de renda no país que, sem dúvidas, conheceu avanços, embora as desigualdades sejam imensas e ainda intocadas. Mas o tema da pobreza – e agora com a Dilma o tema da miséria – faz parte da agenda e não pode deixar de ser considerado como uma deriva à esquerda; uma esquerda muito particular, é verdade. Então, o PT vem ao mundo com uma missão: a de transformar, eu diria até que, pensando em algumas lideranças, a missão de revolucionar a sociedade brasileira. No entanto, uma coisa era a intenção e outra coisa são as circunstâncias. A opção foi a de fazer as reformas possíveis e não enfrentar verdadeiramente as questões duras, como a propriedade e a natureza do capitalismo brasileiro. Era preciso encontrar formas à margem de contornar isso como, por exemplo, na questão da terra, tema que jamais foi reprimido, pois se permitiu a sua movimentação. Mas isso jamais importou na articulação de uma política agrária que vulnerasse o tema da grande propriedade fundiária no Brasil, basta ver que os anos de ouro do agronegócio são os anos dos governos do PT. Anos de ouro não apenas do ponto de vista da expansão do sistema produtivo do agronegócio, mas também da expansão da sua influência política e social, nos estados do centro-oeste, no parlamento, onde o agronegócio tem uma bancada expressiva, capaz de inibir iniciativas que estejam orientadas contra seus interesses. E tem pleno acesso, conforme se constata, aos círculos do poder. E, mais do que tudo, são entendidos como peças estratégicas na formatação do capitalismo brasileiro, especialmente no que se refere à sua inscrição no sistema econômico internacional. O agronegócio é aí, como se sabe, determinante.


IHU On-Line – Na última entrevista que nos concedeu (disponível em http://bit.ly/Nu4OqB), o senhor falou sobre o conflito interno do PT entre a volta de Lula e a reeleição de Dilma em 2014. Agora que isso, a princípio, já está decidido, o que a opção por Dilma indica sobre os rumos do partido para os próximos anos?

Werneck Vianna – Em primeiro lugar, eu mantenho certa inquietação sobre qual será o candidato à presidência por parte do PT em 2014. Este lançamento prematuro da campanha presidencial de Dilma me surge como uma “zona de sombra”. Por que tão cedo? Para forçar a irrupção da sua presença e torná-la inamovível? Ou porque há riscos da presidente, que tenta a reeleição, ser ultrapassada pela candidatura Lula, por pressão do próprio partido. O PT não é Dilma. O PT é Lula. O voto de massas não é Dilma. O voto de massas é Lula. Eu não posso sustentar que Lula será o candidato. No entanto, essa é ainda uma possibilidade, especialmente se Dilma não tiver êxito na condução da vida econômica. Essa precipitação das eleições fez com que o gênio saísse da garrafa. Candidaturas que mal se podiam vislumbrar hoje começam a ser tangíveis. Outra questão é essa dos direitos humanos, com a indicação desse deputado do Partido Social Cristão [Marco Feliciano], o que seria um descalabro em qualquer momento, por qualquer critério, mas ele está tomando uma importância, uma envergadura muito maior em função do momento da sucessão presidencial. A indicação desse parlamentar, com a história e as posições dele, com o perigo que ele representa para a paz social brasileira, com as suas posições fundamentalistas, agrava esse quadro e, ao mesmo tempo, mina do ponto de vista prático e simbólico, a natureza de um partido de esquerda, libertário, como o PT se apresentou e ainda é e, em grande parte, representa. Tudo agora se agrava em função da sucessão presidencial. Os pequenos fatos da vida política começam a fazer parte da grande política com os candidatos manobrando no sentido de converter esses incidentes em oportunidades para o seu fortalecimento. 


IHU On-Line – Qual a influência que a presença do PT no poder Executivo federal provocou no fortalecimento do partido em outras instâncias de governo, como as municipais e estaduais? 

Werneck Vianna – Contribui muito, certamente, tendo a máquina governamental na mão. E com essa política indiscriminada de alianças, o PT foi muito hábil em projetar sua presença de modo capilar na vida municipal. No entanto, não tem lastro organizativo. O PT até hoje não tem um jornal. Sua vida nos municípios e nas grandes capitais, de arregimentação e mobilização, é muito restrita. E alguns dos movimentos sociais estão se distanciando. Então, é uma esquerda que, para seguir em frente, foi capitulando do seu programa, em alguns momentos até de alguns de seus princípios como, por exemplo, o da ética na política. E foi se tornando uma presença tradicional na política. O que não quer dizer que não ative ainda reformas, só que reformas pontuais, porque na verdade, especialmente com Dilma, o governo do PT, que aí está, se tornou o grande operador do modo do capitalismo brasileiro. Internamente, de um lado e externamente do outro. Basta ver a eleição dos grandes campeões da indústria a serem beneficiados por financiamentos no sentido de levar a economia brasileira para fora da fronteira em nome de um projeto que nada mais é do que um projeto de grandeza nacional. Essa é a história.

Se o PT não é mais um partido de esquerda? É. Agora, de que esquerda se trata? Qual a sua capacidade de interpelação, com seu programa de mudanças efetivo? A meu ver estamos em uma virada de página. Boa parte das expectativas mudancistas dependia do exercício do carisma pessoal do presidente. Mesmo que não mudasse nada, só a presença dele já significava uma enorme mudança, com sua gesticulação, sua denúncia sempre retórica dos ricos, enquanto fazia uma política extremamente benfazeja para eles, com uma retórica sarcástica. Mas, enfim, ele foi capaz de fazer esse milagre de conduzir ou ser o herói modernizador do capitalismo brasileiro, de um lado, e de outro lado governar com o apoio dos setores subalternos da sociedade. A Dilma não tem como fazer isso, nem que queira. Ela é uma gestora, pensa melhor a partir da lógica dos problemas sistêmicos do que dos problemas políticos e sociais. Eu tenho a convicção de que o PT vai vencer as eleições em 2014, salvo imprevistos. Mas em 2018 o Natal mudou. Há uma mudança de guarda na política brasileira. Há quadros novos emergindo. É uma era que está se fechando diante de nós e que, do ponto de vista da esquerda, vai nos deixar em um mundo desertificado, porque ela não aproveitou esses 12 anos de governo. Não foram anos de enraizamento, de aprofundamento de uma cultura de esquerda no país. Do ponto de vista da esquerda, tudo está por fazer.


IHU On-Line – E como avalia a ação da oposição nesses 10 anos de PT à frente da presidência da República?

Werneck Vianna – Muito fraca. Não educou ninguém, não se educou, não soube criar uma plataforma alternativa. Ficou no discurso retórico, teve uma presença muito pobre e limitada. O legado político da oposição a esse governo, nesses 10 anos, é muito fraco, especialmente para a esquerda, que perde com o legado da situação e perde com o legado da oposição. Além disso, corre o risco de um aventureiro vir aí para arrebatar o que puder.


IHU On-Line – Quando o senhor fala que a esquerda perde, se refere a que esquerda?

Werneck Vianna – A esquerda em geral.


IHU On-Line – Algum partido em específico?

Werneck Vianna – Não apareceu nada de novo. O país se inclinou de forma a favorecer mais políticas conservadoras do que políticas efetivamente mudancistas. Basta ver o que ocorre com o tema dos direitos humanos, da reforma agrária e uma série de outros. O conservadorismo não perdeu força ao longo desses anos 10 anos. Talvez ele tenha recuperado a sua presença. Os partidos conservadores que estão no Brasil estão no governo. Estão juntos na coalizão governamental.

 

Leia mais...

>> Luiz Werneck Vianna já concedeu outras entrevistas à IHU On-Line. Confira:

 

• Fascismo: moralismo faz a política ficar de fora da discussão. Entrevista publicada no sítio do IHU em 20-07-2008, disponível em http://bit.ly/wEoW8F 

• “Só há um político no Brasil: o presidente da República”. Entrevista publicada no sítio do IHU em 24-08-2008, disponível em http://bit.ly/ybsZgJ 

• “Hoje, no Brasil, só uma pessoa faz política: Lula”. Entrevista publicada no sítio do IHU em 24-05-2009, disponível em http://bit.ly/xKTlVA 

• Da fábrica para a selva. “A candidatura Marina é uma mutação na política brasileira”. Entrevista publicada no sítio do IHU em 20-08-2009, disponível em http://bit.ly/AsCjgT 

• “A sociedade brasileira, hoje, é grão-burguesa”. Entrevista publicada no sítio do IHU em 21-03-2010, disponível em http://bit.ly/xjeQ63 

• “O PT se tornou uma força condutora da expansão burguesa no Brasil”. Entrevista publicada na revista IHU On-Line número 386, de 19-03-2012, disponível em http://bit.ly/GBsaFP 

• A modernização brasileira e a política burguesa cinzenta. Entrevista publicada na revista IHU On-Line número 392, de 14-05-2012, disponível em http://bit.ly/JwgFmW 

• As alianças políticas, absolutamente necessárias, e seus limites. Entrevista publicada na revista IHU On-Line número 398, de 13-08-2012, disponível em http://bit.ly/Nu4OqB 

 

Comentários

Deixe seu comentário

Digite seu comentário (obrigatório):
Nome (obrigatório): Email (não será publicado): Website (opcional):
Digite o código de verificação:
Click to refresh image