Edição 413 | 01 Abril 2013

Sala de Leitura

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

IHU On-Line

PAZ. Octavio. Sor Juana Inés de la Cruz o las trampas de la fé. Mexico: Fondo de Cultura Económica, 2004. 673p.

 

O que leva um Octavio Paz, Prêmio Nobel de Literatura (1990), a escrever uma biografia sobre uma freira pouco santa como Sor Juana? Essa foi a pergunta que me levou a pegar o livro na mão numa livraria em Lima, Peru. Uma religiosa do século XVII, mexicana, que morre com pouco mais de 40 anos e que merece quase 700 páginas de biografia não se encontra em cada esquina. Mulher, mística, rebelde, filha bastarda, mas sobretudo uma intelectual que pensa e escreve em prosa, e cujo principal objeto é o amor, não o divino, mas o humano, o demasiado humano. Para fazer isso Sor Juana se vale de uma erudição invejável da mitologia grega e latina com cuja reconstrução nos conduz, e se expõe, aos mais pouco ortodoxos e profundos mistérios do amor humano. Octavio Paz a situa no seu contexto histórico tornando-a ainda mais fascinante.

Alfredo Culleton, filósofo, coordenador da Pós-Graduação em Filosofia da Unisinos; professor na Unisinos

 

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição