Agricultura brasileira é deficiente

De acordo com o engenheiro agrônomo Mohamed Ezz El Din Mostafa Habib, é possível desenvolver uma agricultura sustentável por meio do manejo ambiental, sem utilizar agrotóxicos

Por: Graziela Wolfart e Patricia Fachin

Mohamed Ezz El Din Mostafa Habib assinou, juntamente com outros pesquisadores, um relatório que acusa a Monsanto de saber, há mais de 30 anos, que o herbicida Round-Up provoca anomalias congênitas. O professor da Unicamp estuda os efeitos dos agrotóxicos na saúde e no meio ambiente desde a década de 1970 e afirma que testes feitos com o glifosato, princípio ativo do Round-Up, “mata qualquer criatura de origem vegetal, (...) causa problemas de desenvolvimento embrionário, atinge células de tecidos do corpo humano e prejudica o desenvolvimento das crianças”.

Em entrevista à IHU On-Line por telefone, Mostafa Habib menciona ainda que a transgenia, outro ramo de atividades da empresa, também causa impactos à saúde humana. “Realizamos testes em animais de laboratório com a ração fabricada a partir da soja transgênica e soja não transgênica. Observamos impactos negativos no desenvolvimento dos ovários e do sistema reprodutor dos animais”, relata.

Mohamed Ezz El Din Mostafa Habib é graduado em Engenharia Agronômica e mestre em Entomologia (Controle Biológico) pela Universidade de Alexandria, Egito, e doutor em Ciências Biológicas (Entomologia) pela Unicamp. Além de lecionar na instituição, ele é pró-Reitor de Extensão e Assuntos Comunitários da Unicamp.

Confira a entrevista.


IHU On-Line – O senhor assina, juntamente com outros pesquisadores, o relatório de pesquisa que acusa a multinacional de agroindústria e biotecnologia Monsanto de saber, desde 1980, que o herbicida Round-Up – cujo princípio ativo é o glifosato – provocaria anomalias congênitas. Pode nos dar mais detalhes sobre o relatório? Como esta pesquisa foi realizada?

Mohamed Ezz El Din Mostafa Habib –
Minha carreira começou em 1964. Portanto, tenho 47 anos de experiência. Nesse período, pesquisei os efeitos negativos do agrotóxico na saúde e no meio ambiente de países agrícolas.

A Monsanto, dona e produtora do defensivo Roundup, sempre trabalhou para dominar o mercado. Portanto, o investimento da empresa em transgenia é justamente para fazer do Roundup  um produto a ser vendido no mundo inteiro.

O glifosato, diferentemente do que a Monsanto vem dizendo e diferentemente daquilo que a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança – CTNBio  entendeu quando aprovou a produção e a comercialização, é um produto de largo espectro tóxico, ou seja, mata qualquer criatura de origem vegetal. Ele ainda é tóxico para o ser humano e causa problemas de desenvolvimento embrionário, atinge células de tecidos do corpo humano e prejudica o desenvolvimento das crianças.

Todas as pesquisas e levantamentos científicos feitos concluíram que o mundo precisa conhecer a realidade da soja transgênica e as origens do glifosato. Realizamos testes em animais de laboratório com a ração fabricada a partir da soja transgênica e soja não transgênica. Observamos impactos negativos no desenvolvimento dos ovários e do sistema reprodutor dos animais. Portanto, a soja transgênica precisa ser retirada do mercado imediatamente. As pesquisas de transgenia precisam continuar a desenvolver técnicas mais seguras para a saúde e o meio ambiente.

Também é preciso rever o impacto do glifosato. Quando o Brasil não cultivava transgênico e estabelecia, pela lei, o máximo de 0,2 partes por milhão de glifosato na soja, a Monsanto pressionou o governo e quis, numa primeira instância, mudar a lei para permitir até 100 partes por milhão. Entretanto, em função das pressões da sociedade, a lei permitiu ter 10 partes por milhão de glifosato nos grãos da soja. Isso significa 50 vezes mais o valor que era permitido anteriormente.

Os grãos da soja de hoje têm um teor de glifosato superior àquele que existia antes. Portanto, mesmo com a introdução da transgenia, o Brasil não ganhou nada.


IHU On-Line – Além do uso de agrotóxicos, que outras medidas podem ser tomadas para o controle biológico das lavouras?

Mohamed Ezz El Din Mostafa Habib –
O controle biológico é uma das medidas, mas nós podemos trabalhar para que haja um manejo ambiental do próprio ecossistema e da lavoura. Por meio do manejo ambiental é possível cultivar a diversidade vegetal. Cada vez que se tem diversidade na composição da flora, consegue-se ter uma riqueza na diversidade faunística. A partir disso, alcança-se o equilíbrio ecológico natural, que acaba automaticamente mantendo as populações das pragas sob o nível ou abaixo do nível que poderia causar algum dano econômico.

A ciência mostrou que o conceito de agricultura convencional de monocultura, de tirar do mapa toda a complexidade vegetal que existia e substituí-la por uma única cultura, não é sustentável.
Hoje, o mundo procura uma agricultura sustentável e este novo modelo não pode ficar dependente de fertilizantes, agrotóxicos. É preciso investir em uma produção mais saudável para o meio ambiente e para o homem que cultiva e que consome. Nesse sentido, é possível fazer uso de métodos de controle biológico natural, aproveitando a riqueza da fauna. Nós temos de preservar o ambiente para que os inimigos naturais (pragas) que ocorrem naturalmente no ambiente possam estar seguros na propriedade para trabalhar a favor da agricultura.

Também é possível utilizar o controle biológico aplicado, ou seja, é possível liberar os inimigos naturais para fazer o controle microbiano aplicado, aplicando bactérias, fungos. Igualmente, existe o conceito de preservação e de investimento cada vez maior na diversidade biológica da propriedade rural. É preciso partir para rotações agrícolas, policultivos nas propriedades para ter uma estabilidade econômica maior.

É fundamental realizar pesquisas para definir o zoneamento agrícola brasileiro e verificar quais são as condições agrícolas de cada região do país. Dentro desse zoneamento, é preciso ter um plano governamental para otimizar as condições de cada região. Não é possível plantar soja desde o Rio Grande do Sul até o Amazonas; isso é ridículo. Portanto, cada região do Brasil deve identificar a sua vocação, a sua coerência e ver como ela se manifesta na cultura local.


IHU On-Line – Como vê a atuação de órgãos responsáveis pela regulação de agrotóxicos em todo o mundo? Quais os maiores dilemas dessas instituições?

Mohamed Ezz El Din Mostafa Habib –
Não tenho reclamação dos órgãos reguladores que liberam e autorizam o uso dos agrotóxicos. O problema não está nesses órgãos e, sim, no outro lado, que pressiona o trabalho deles. As multinacionais que produzem agrotóxicos desrespeitam a sociedade brasileira e o futuro desse país. Elas utilizam o Brasil para ter retorno financeiro e, hoje, trabalham para retirar da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) o poder de opinar sobre os agrotóxicos, que são os maiores inimigos da saúde brasileira.

A academia não tem força para enfrentar as pressões das multinacionais. As empresas têm um lobby fortíssimo no Congresso e estão trabalhando contra os interesses nacionais. Minha preocupação é com a interferência e a influência das multinacionais nos órgãos públicos. A CTNBio é pró-multinacionais e 2/3 da instituição trabalham em prol das multinacionais. Isso é assustador porque a sociedade confia nessas organizações que trabalham na contramão dos interesses nacionais.


IHU On-Line – O Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do planeta e ainda permite a utilização de produtos banidos em diversos países. Como entender essa cultura pró-agrotóxicos em nosso país?

Mohamed Ezz El Din Mostafa Habib –
O que a academia e certos meios de comunicação estão fazendo é o início de um processo, ou seja, temos de continuar conscientizando a sociedade. A transgenia veio para enganar a população. As companhias dizem que os transgênicos consomem menos agrotóxicos, mas acontece o contrário. Os transgênicos consomem mais agrotóxicos do que a cultura convencional anterior.

Precisamos sair em campanhas nas ruas dizendo: “Agrotóxicos nunca mais!”. Com isso, podemos pressionar para que as multinacionais comecem a pesquisar e desenvolver produtos alternativos. As empresas não aceitam as propostas das universidades porque jogar veneno nas lavouras é mais fácil. Elas ainda insistem em chamar o agrotóxico de defensivo agrícola, de remédios. Temos que abraçar essa campanha contra os agrotóxicos porque é muito complicado continuarmos desse jeito.


IHU On-Line – Qual a origem e a necessidade de utilizar agrotóxicos no Brasil?

Mohamed Ezz El Din Mostafa Habib –
O uso de agrotóxicos se disseminou pelo mundo em função da pressão das multinacionais. Quando cheguei ao Brasil, em 1972, pude perceber o que as vendedoras de agrotóxicos faziam: contratavam agrônomos brasileiros para receber um salário por meio de comissão, assim, quanto mais eles vendiam, maior era o rendimento financeiro. Esse comportamento, além de ser antiético, é um crime.
Antigamente, as multinacionais não tinham influência no governo federal, no parlamento brasileiro. Hoje, elas têm lobby no Congresso e aliados em órgãos públicos como na CTNBio. O brasileiro não tinha a cultura de utilizar venenos; isso é influência das multinacionais, que utilizam produtos proibidos em seus países de origem para comercializá-los no Brasil.


IHU On-Line – Em que medida o modelo do agronegócio brasileiro contribui para a cultura do uso de agrotóxicos no Brasil?

Mohamed Ezz El Din Mostafa Habib –
O modelo do agronegócio brasileiro é arcaico porque se baseia na exportação de grãos, que serve de matéria-prima para os europeus fabricarem ração animal. Se esse setor fosse um pouco mais inteligente, poderia produzir a ração no Brasil e exportar o produto com um valor agregado. Já estou cansado de ver o Brasil exportando matéria-prima e chamar isso de agronegócio; isso é agroburrice, ignorância. Países que buscam o seu desenvolvimento não podem exportar matéria-prima, energia e, muito menos, água. O Brasil está fazendo exatamente isso. E depois, o brasileiro vai para o exterior e volta com dois presentes: um pacote de café solúvel da Alemanha, que não planta nenhum pé de café em seu território; e chocolate suíço, o melhor chocolate do mundo, feito à base de cacau. A Suíça não cultiva nenhum pé de cacau. O Brasil vende essas matérias-primas para ambos.

O que acontece no Brasil é uma atividade agrícola extremamente deficiente, que precisa evoluir. O grão de soja nunca é superior a um real e para produzi-lo, o país gastou no mínimo 200 litros de água. O Brasil já perdeu 95% da Mata Atlântica, mais de 80% do cerrado e 20% da Floresta Amazônica. Será que está valendo a pena vender energia e chamar agroenergia de bioenergia para enganar o povo brasileiro? Não se produz bioenergia com a cana-de-açúcar e com a soja. Já estou cansado desse tipo de tática enganosa.

Dizem que este é o setor que mais cresce, mas também é o setor que mais destrói o país. É um setor que precisa trabalhar com mais inteligência, mais ciência e mais tecnologia.

Comentários

Deixe seu comentário

Digite seu comentário (obrigatório):
Nome (obrigatório): Email (não será publicado): Website (opcional):
Digite o código de verificação:
Click to refresh image