Edição 352 | 29 Novembro 2010

IHU Repórter

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Márcia Junges

Advogada atuando na área da propriedade intelectual, doutora em Direito, Ângela Kretschmann é alguém que aprecia as surpresas da vida e as voltas que o mundo dá. Mesmo que já tenha experimentado os aspectos sombrios, além dos luminosos, que compõem a nossa essência, não desistiu de sonhar. O que a move sãos as respostas que busca às constantes e sempre novas perguntas que se faz e que faz ao mundo. Prestes a iniciar um pós-doutorado na Alemanha, ela contou aspectos marcantes de sua vida à IHU On-Line, como o incêndio que destruiu a casa onde vivia com a família, quando pequena, a gratidão à comunidade de Três Passos que reconstruiu a casa da família, a vida na Índia, com um filho pequeno, com experiências difíceis e até hilárias. Mãe de Guilherme, hoje com 16 anos, Ângela aprecia música e pratica corridas sistematicamente. Suas ideias sobre os desafios da mulher na vida profissional e política e as situações conflitantes da docência são outros temas da entrevista que você confere a seguir.

Origens – Sou natural de Três Passos. Meu pai sempre foi vendedor, e eu sempre o admirava por isso. Vendia muito mais do que produtos, vendia ideias e sonhos. Minha mãe fez um concurso para professora, com 15 anos, escondida de meu avô, Almiro Feix, que proibia as filhas de estudar (naquela época era natural que só os homens estudassem). Mas ela teve o apoio de minha avó e acabou passando em primeiro lugar no concurso. E então o prefeito de Horizontina, que não poderia contratá-la porque só tinha 15 anos, chamou meus avós e teve uma conversinha com eles. Então ela pôde estudar e ser professora. Este ano meus pais completaram 48 anos de casados. Tenho duas irmãs, a Solange, cinco anos mais velha do que eu, pedagoga, e a Djanine, 15 anos mais nova, especialista em Direito Previdenciário.

Infância – Tenho muitas imagens da infância, mas para escolher uma, escolho a da mala preta. É uma mala que meu pai guarda até hoje, com carinho. Ela tem relação com um episódio bonito e triste, ao mesmo tempo. A casa onde vivíamos incendiou completamente. Minha mãe era professora e estava em sala de aula quando isso aconteceu. Na volta do trabalho, viu a casa em chamas. Já escurecia e ela pensou que eu e minha irmã mais velha (a mais nova não tinha nascido ainda) estávamos dentro dela. Mas justamente naquele dia, meu pai nos convidou para ir com ele a um bar próximo. Estranhamos o convite, mas o acompanhamos. Foi por esse detalhe que não estávamos dentro de casa quando houve o incêndio. Minha mãe nos viu no meio da multidão, e foi muito emocionante. Algumas pessoas se machucaram, pois houve explosões. O episódio marcou toda minha família, para sempre. Em seguida ao ocorrido, toda a comunidade se mobilizou e reconstruiu nossa casa, muito melhor e mais bonita do que era antes. Mas, antes disso, moramos um tempo sem nada, porque havíamos perdido tudo. No local que ficamos, nos fundos de um bar, o piso foi coberto com serragem, e o cheiro dela, até hoje, traz as lembranças na minha memória. Meu pai guarda até hoje uma mala preta, com todos os registros das doações que recebemos. A arrecadação se iniciou com um funcionário do Banco do Brasil, o Sadi Kern e muita gente aderiu. Em pouco mais de quatro meses tínhamos nossa casa nova. Esse exemplo que tive no início da vida me mostrou que o ser humano pode nos surpreender positivamente, e que vale a pena acreditar.

Formação – Sou advogada formada pela Unisinos. Integro uma sociedade de advogados em Porto Alegre e dou aulas na Unisinos desde 1992. Vivi na Índia por três anos, de 1998 a 2001, com meu ex-marido, que é físico, e meu filho. Fui para lá a contragosto, pois estava trabalhando e acabava o meu mestrado na PUC, e estava feliz com o escritório que recém se mudara para nova sede. Entre 2003 e 2006 fiz o doutorado em Direitos Humanos, na Unisinos, na área do multiculturalismo, pois queria trabalhar o choque cultural e o diálogo entre culturas. Sou filha desta casa, apesar de ir para lá e para cá. Meu pós-doutorado será na área de propriedade intelectual e informática (Open Access e Universal Access). Gosto de sentir que nunca parei de estudar, e espero nunca parar. O dia que eu parar algo deverá estar muito errado. E é importante buscar horizontes novos e lugares que nos desafiam, que nos fazem respirar. Além de professora do curso de Direito da Unisinos, mantenho a sociedade de advocacia em Porto Alegre. Em função de meus quase 20 anos dedicados à propriedade intelectual e publicações, sou nomeada para perícias judiciais na área de patentes, marcas, direito autoral (plágio, pirataria), não apenas no RS, mas em outros estados.

Família – Meu filho Guilherme tem 16 anos, e estuda no segundo ano do ensino médio do Colégio Farroupilha, em Porto Alegre. Organizamos nossa vida por lá, pois ele gosta do ambiente dessa escola. O Guilherme foi alfabetizado na Índia, em inglês. Assim, quando voltamos para São Leopoldo, teve certa dificuldade de adaptação. Lázaro, o pai do Guilherme, mora na China. Estamos indo visitá-lo e, na volta, ficarei na Alemanha para fazer o pós-doutorado. É um excelente pai e amigo. Na verdade, em função dos compromissos profissionais ele nunca mais conseguiu voltar para o Brasil, apesar de um período curto aqui, há 2 anos. Da Índia foi morar na Espanha, de lá foi para a China.

Vivendo na Índia - Cheguei a lecionar na faculdade de Direito de Nashik e da Universidade Amravati, na Índia, na graduação e no mestrado, na área de propriedade intelectual. Quase iniciei meu doutorado lá. Nesse período mantive uma troca de mensagens intensa por e-mail com o padre Bruno Hammes. Sem me perguntar, ele expunha esses e-mails no mural dos professores do Direito. Imagina o susto que levei quando soube. Meus colegas liam e riam à beça a respeito das coisas peculiares que eu contava da experiência indiana. Vários colegas que liam essas mensagens eu vim a conhecer só depois, quando retornei. Como tudo isso se tornou público, as coisas que escrevi viraram um livro: Índia, muito prazer, em 2003 (2ª ed. Florianópolis: Conceito Editorial, 2009). Mas não era só o Pe. Bruno que tornava público os textos que eu enviava, meu marido também fazia isso enviando para os colegas que eu nem conhecia, também sem eu saber, no princípio. Essas pessoas são responsáveis para que tudo virasse um livro gostoso de ler. Eu mesma rio de tudo o que houve. Na verdade, de prazer, são só as risadas dos leitores, porque para mim não era muito engraçado. Foi quase uma tragédia. Depois do problema cardíaco que tive e de ir parar no hospital (na Índia, e de onde saí completamente curada mas cheia de piolhos na cabeça), é que decidi retornar para o Brasil. Em primeiro lugar, eu não queria sair do Brasil, sempre fui apegada ao nosso país. Felizmente a vida nos ensina que o desapego é importante, em todos os sentidos, e hoje já não tenho esse medo de ir embora.

Choque cultural - Chegando à Índia, tive muita dificuldade de me adaptar. Não pela língua, não pela comida, pois tive algumas aulas de hindi e dava para se virar com o inglês, uma das 17 línguas oficiais do país. Nunca fui louca por churrasco e deu para viver sem ele. Viramos vegetarianos na marra mesmo. As tentativas de comer carne sempre resultaram em outras pequenas tragédias...

Saia justa - Lembro de uma vez em que convidei para jantar várias pessoas que conhecemos lá. Queríamos fazer uma confraternização. Em determinado momento, os convidados se separaram para comer. Foi um para cada lado. Não entendemos o que estava havendo. Acontece que quem pertence a castas diferentes não pode fazer as refeições juntos. Assim, nós ofendemos as pessoas, pois as reunimos para uma refeição sem levar em conta que pertenciam a castas distintas. Até aprendermos a lidar com isso, foi muitíssimo difícil. Noutra ocasião fui convidada para um dia na casa de uma amiga hindu, e ela passou o dia nos servindo, do nascer ao pôr do sol (!), com alimentos variados, e depois nos presenteou com peças de prata. Ao final eu precisava dizer se estava satisfeita, pois, se eu estivesse, ela receberia a bênção tão desejada de Deus. Eu disse que estava “muitíssimo satisfeita” e que ela, se dependesse de mim, seria muitíssimo abençoada. Mas afinal, queria saber o que tanto ela pedia a Deus, e ela respondeu: “Morrer antes de meu marido”. Tudo aquilo para isso. Por outro lado, os alunos nas escolas tiram os calçados para entrar na sala de aula, pois a sala é sagrada. Mas um dia os alunos ficaram boquiabertos só porque “assassinei” uma mosquinha com um enorme apagador, que pousou na lousa. Era bom morar num bairro onde havia muçulmanos, hindus e nós, cristãos. Esse diálogo multicultural era extremamente fascinante. No final das contas, minha tese trata justamente sobre o diálogo intercultural. Eu precisava teorizar essa prática, e assim escrevi Universalidade dos direitos humanos e diálogo na complexidade de um mundo multicivilizacional (Juruá, 2008).

 

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição
  • brightness_high