Edição 337 | 09 Agosto 2010

O diálogo do pensamento cristão com o mundo

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Graziela Wolfart

Antônio de Abreu relata aspectos da história do CIAS-Ibrades, lembrando que ele nasceu “no serviço à Igreja”, mas acabou se tornando um serviço da Igreja à sociedade

“Para nós, é animador e esperançoso que a Companhia (...) revele sensibilidade para o novo no campo social, que se amplia para além da pauta sócio-econômica hegemônica nos CIAS quando surgiram: a questão da diversidade que enriquece a igualdade (e liberdade) fundamentais desejadas e criam condição para mais solidariedade, a do cuidado que aperfeiçoa a justiça estrita, a superação de preconceitos – do machismo e racismo. A descoberta da dimensão dialogal da missão dos CIAS (...) deveria desabrochar no repensamento constante de nossas frentes de ação. É um desafio”. E quem apresenta esse desafio é o padre jesuíta Antônio Abreu, em entrevista concedida por e-mail à IHU On-Line. Ele entende que “tanto o diálogo quanto a crítica se têm que munir com a reflexão e conhecimento da realidade, do processo histórico, e ser iluminados pelo que o seguimento de Jesus Cristo nos revela sobre o mundo e a nova humanidade que Ele instaura”. Para Antônio de Abreu, que também é economista, “certamente uma forma de gestão econômica que privilegia o lucro como fim e a hegemonia do capital financeiro sobre o atendimento às necessidades humanas na esfera real da produção, liminarmente não corresponde ao que desejamos como ambiente para a igualdade, liberdade e fraternidade”. E destaca: “a experiência da vida religiosa sugere (...) que não é tão simples ter – pessoal e comunitariamente – coração de pobre, dispondo de meios ricos de trabalho e convivendo com o discreto charme da gente “de bem”.
 
Antônio José Maria de Abreu é superior no CIAS-Ibrades (Instituto Brasileiro de Desenvolvimento), de Brasília-DF, onde também é pesquisador e professor. É mestre em Economia pela University of Michigan e licenciado em Teologia pela Universidade de Innsbruck. Coordena a biblioteca do CIAS e escreve a história da casa. É coordenador de ministérios em meio popular.

Confira a entrevista.

IHU On-Line - O senhor pode nos contar os principais pontos da história do Ibrades?

Antonio Abreu - Refugiados do nazismo no Chile, jesuítas franceses e belgas fundaram em Santiago o ILADES , pensado como centro de formação de agentes de transformação social na América Latina, à luz da fé cristã. Uma das atividades principais do ILADES era o curso de um ano. Uma das conclusões mais evidentes sobre a América Latina no ILADES foi sua diversidade. De forma especial, o Brasil era diferente da Hispano-América. Daí, bispos brasileiros e jesuítas ligados ao ILADES (Pierre Bigo) ou à formação social no Brasil (Pedro Velloso ) desejaram um Centro para o Brasil tal como era o ILADES para a América Latina. Dom Hélder  inventa o nome “IBRADES” para abreviar o nome descritivo que se dava ao ente a se fundar. Na fundação, não se discutiu o nome já usado pelos interessados. Em 1968, o IBRADES começou a existir por convênio entre a CNBB  e a CRB , representadas pelas presidências, e a Companhia de Jesus no Brasil representada pelo presidente da CPJB (Conferência dos Provinciais Jesuítas do Brasil), na época o provincial do Nordeste. O CIAS já existente assumia o serviço à Igreja de “operar” o IBRADES. Em 1971 a Assembléia Geral da CNBB ratificava o acordo feito pela presidência; decisão importante considerando a invasão do Ibrades pela Polícia do Exército, em outubro de 1970. O IBRADES nasceu no “serviço à Igreja”. Ao longo de sua história, pela própria evolução da Igreja, da realidade nacional e das demandas que nos chegavam, foi-se tornando um serviço da Igreja à sociedade. O chamado “curso longo”, de início adaptou aquele do ILADES ao Brasil, uma terça musical abaixo na pauta acadêmica e acima na pastoral. A duração do curso, atendendo às demandas, passou de um ano (1969 a 1972) a quatro meses (a partir de 1973). Quando se encerrou no Rio, em 1996, era de pouco mais de três meses. Ao lado do “curso longo”, surgem, a partir de 1973, cursos breves (“mini-IBRADES”) nas dioceses, regionais, congregações, grupos de ação social que nos convidavam. Os cursos breves adaptavam seus conteúdos aos pedidos de quem os solicitava. Interagiam com o curso longo: deles surgiam candidatos àquele; ex-alunos do curso longo promoviam “mini-IBRADES”. A dinâmica evoluiu (nos breves de forma mais ágil e experimental) de cursos informativos para cada vez mais integrar elementos formativos. Conteúdos originalmente de introdução às Ciências Sociais e à formação sócio-econômica do Brasil, foram incorporando crescentemente temas mundividenciais (pensamento social cristão, Teologia, Filosofia) e de reflexão sobre a prática (”Pastoral Social”, trocas de experiências). O público alvo, hegemonicamente de “gente de Igreja” (padres, religiosas e religiosos, MEB , SAR , ações sociais diocesanas) evoluiu para pessoas atuantes fora do âmbito estritamente eclesiástico (e eclesial), ainda que a maioria comprometida a partir da fé e da formação da Igreja. A dimensão ecumênica foi sempre desejada, mas talvez menos presente do que desejaríamos.

IHU On-Line - Como foi o episódio de quando o IBRADES foi invadido pela Policia do Exército?

Antonio Abreu - Na segunda turma, em 1970, havia quatro alunos vindos da JOC (Juventude Operária Católica) ou ligados a ela. Ora, o Coronel Sucupira foi incumbido pelos órgãos de inteligência, de investigar e monitorar os movimentos da Ação Popular , organização surgida pela radicalização de jucistas (Juventude Universitária Católica). Imbuído inconscientemente de marxismo vulgar mecânico, o Coronel decidiu que juventude acadêmica não é revolucionária e sim a juventude trabalhadora; “o perigo” era a JOC. Descobriu nossos quatro alunos fazendo juntos este curso. Creu, então, ter detectado em suas palavras, “a célula mater da subversão católica no Brasil”; avaliação exagerada. Sucupira chamou o dia 7 de outubro de 1970: “a segunda batalha de Lepanto , em que as armas do Ocidente cristão mais uma vez debelaram a infiltração insidiosa e solerte vinda do Leste”. Nesse dia, algumas dezenas de homens da Polícia do Exército entraram no prédio da Bambina 115  - cercado inclusive nos terrenos dos vizinhos - e revistaram a casa. Quem foi encontrado no prédio foi tratado hostilmente, na velha lógica colonial de que todo súdito tem culpa no cartório até que se prove inocente. Coisas da casa foram pilhadas ou destruídas com descaso. Entre outras presas, levaram as matrizes mimeográficas da palestra que P. Ávila , a convite do general (quatro estrelas) Antonio Murici, haveria de fazer na Escola Superior de Guerra dias depois. Seriam em breve policopiadas às centenas em mimeógrafos militares se não tivessem sido levadas. Maços de números do Pravda  recebidos por um jesuíta que lia russo foram descartados porque, como explicou um suboficial que “conhecia as letras, o alfabeto”: “não interessam, isso é grego”. O mais terrível da operação foi precisamente esta mistura de brutalidade e incompetência.

Dignidade da Igreja

O Irmão Caiuby, ecônomo da Província, conseguiu telefonar ao reitor da PUC e à CNBB. O governo provincial era em nosso prédio, no 4º andar. O telefone do Economato não constava na lista pública da TELERJ; não foi controlado. Os quatro alunos ligados à JOC foram presos. A cearense Irony, única mulher, casada com um líder operário católico carioca (hoje ambos falecidos), grávida, deu à luz na prisão à la Felicidade de Cartago. Outros alunos, ameaçados pelas investigações, se refugiaram no exílio. Foi aberto um Inquérito Policial Militar. A presidência da CNBB convocou a Comissão Episcopal de Pastoral e os cardeais para reunião de emergência. Dom Vicente Scherer  (que não se pode chamar de progressista) defendeu a resistência à intrusão governamental militar: questão de dignidade da Igreja não aceitar intervenção drástica e sem fundamento claro, em organismo da CNBB. A firmeza de Scherer queimou os navios de quem pensava “minimizar o lamentável incidente”. Sua identificação e solidariedade objetivas conosco em parte compensavam a atitude de jesuítas bem pensantes, afetiva e efetivamente identificados com a elite sócio-econômica e suspeitosos e hostis para com o IBRADES. O Inquérito Policial Militar deu em nada, até porque alguns quatro-estrelas que desejavam suceder a Médici  viam que valia a pena cortejar a Igreja e se interpuseram para “esvaziar o affair”.

IHU On-Line - O que de mais significativo o senhor aprendeu com o padre Fernando Bastos de Ávila? Qual foi seu principal papel?

Antonio Abreu - O P. Ávila vivia de sua maneira pessoal uma atitude tensional de que Santo Inácio é exemplo: a fidelidade carinhosa à Igreja hierárquica junta com a evangélica liberdade de crítica. Inclusive era estranhado por jesuítas que entendiam o contato com o episcopado como assunto de “relações públicas” curiais, algo como a postura correta e funcional de empresa bem gerida, ante fornecedores e poder público. Ávila ter conhecido Ivo Lorscheiter  em Roma e criado com ele relação de mútua estima, ajudou para o papel junto à CNBB, de assessoria, sobretudo através das análises de conjuntura. Eram tempos em que os bispos sentiam necessidade de entender o processo da realidade nacional, para discernirem pastoralmente.

IHU On-Line - Como o IBRADES tem guiado suas ações hoje conciliando a proposta dos CIAS e a missão da Companhia de Jesus, com a realidade social, cultural e religiosa contemporânea?

Antonio Abreu - Além dos cursos, das análises de conjuntura e das assessorias, serviços do IBRADES, o CIAS no Rio de Janeiro (Centro João XXIII) promoveu seminários, jornadas, mesas redondas e encontros para ser espaço de diálogo do pensamento cristão com o mundo social e cultural de hoje. Procurava reunir não só várias disciplinas acadêmicas, mas – não raro - gente da prática com a do estudo. A receptividade e interesse pela nossa ação foram, em geral, maiores na Igreja e na sociedade em geral que na Companhia, ao menos na Província do Brasil Centro-Leste. É provável que isto venha em parte de não conseguirmos acertar as melodias e os compassos adequados para animar os coirmãos. Hoje sentimos mais abertura para a contribuição que poderíamos dar, mas não dispomos mais dos recursos humanos e materiais das décadas passadas. Para nós, é animador e esperançoso que a Companhia, em suas orientações das Congregações Gerais, revele sensibilidade para o novo no campo social, que se amplia para além da pauta sócio-econômica hegemônica nos CIAS quando surgiram: a questão da diversidade que enriquece a igualdade (e liberdade) fundamentais desejadas e criam condição para mais solidariedade, a do cuidado que aperfeiçoa a justiça estrita, a superação de preconceitos – do machismo e racismo. A descoberta da dimensão dialogal da missão dos CIAS, iniciada no Rio de Janeiro, deveria desabrochar no repensamento constante de nossas frentes de ação. É um desafio.

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição