Edição 219 | 14 Mai 2007

Editorial

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

IHU Online

O aborto em debate

O debate nacional sobre a realização ou não do aborto, em quais casos ou situações pode haver sua legalização e descriminalização, e até a possibilidade de um plebiscito sobre ele, suscita uma ampla e acesa discussão. A página eletrônica do IHU promoveu duas enquetes sobre o tema. Se a maioria dos internautas é favorável à realização do plebiscito, quanto ao direito de abortar, há uma nítida divisão. Ou seja, a discussão do tema é altamente polêmica. 

A IHU On-Line desta semana aborda o tema, querendo contribuir no debate. Assim, entrevistamos a teóloga Ivone Gebara, que levanta a bandeira da legalização e da descriminalização do aborto, principalmente nas classes mais pobres. “O aborto traz uma dor imensa, pois não é uma ação tranqüila. Mas deve ser uma opção em certas situações, como em casos de violência, de abuso sexual e, de maneira especial, em relação às mulheres mais pobres”, defende. Outra é a posição da médica pediatra e sanitarista, Zilda Arns, fundadora da Pastoral da Criança.

Entrevistamos também José Roque Junges, padre jesuíta e professor do PPG em Ciências da Saúde da Unisinos, que não considera o aborto uma solução para o problema da gravidez indesejada. José Roberto Goldim, do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, acredita que “é equivocado tratar do aborto descontextualizando o tema de suas múltiplas interfaces”. O casal alemão Dietmar e Irene Mieth  reflete sobre a necessidade de conectar a defesa do feto com a defesa da mulher. Dietmar Mieth é reconhecido internacionalmente pela sua reflexão ético-moral. Já a teóloga luterana Elaine Neuenfeldt, da EST, reflete sobre o aborto a partir da argumentação cristã.

Confira nesta edição também uma entrevista com o teólogo jesuíta Mario de França Miranda, sobre a V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe, em Aparecida, e entrevistas especiais sobre os eventos promovidos pelo IHU na semana que se inicia. Destacamos, especialmente, três:

1. A apresentação e debate da obra clássica de Adam Smith, Teoria dos sentimentos morais. O Prof. Dr. Hugo Eduardo Araujo da Gama Cerqueira, da UFMG, fará a exposição do livro e coordenará o debate.

2. A discussão da obra Memórias do cativeiro: Família, trabalho e cidadania na pós-abolição, de Ana Maria Lugão Rios e Hebe Mattos. O livro será apresentado pela Profa. Dra. Ana Maria Lugão Rios – UFF/UFRJ, uma das autoras do livro.

3. Na quinta-feira, dia 17 de maio, inicia-se o Seminário Clínico-Psicanalítico Como alguém se torna paranóico? De Schreber a nossos dias, que será oficiado por Charles Melman, psiquiatra, psicanalista, aluno de Lacan e um dos principais dirigentes da École Freudienne de Paris. Charles Melmann proferirá, também, a conferência de abertura do Simpósio Internacional O Futuro da Autonomia. Uma sociedade de indivíduos?, na próxima segunda-feira, dia 21 de maio.

A todas e todos uma ótima leitura e uma excelente semana!

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição