Edição 217 | 30 Abril 2007

Quilombo, de Cacá Diegues, para entender o Brasil no cinema

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

IHU Online

O Prof. Dr. Paulo Roberto Staudt Moreira, da Unisinos, que é mestre e doutor em História, será o responsável pelo debate com o público após a exibição do filme, no intuito de extrair da obra sua contribuição para a história de nosso país e dos negros que aqui viveram na época dos quilombos. Ele concedeu uma entrevista por e-mail para a IHU On-Line sobre o filme de Cacá Diegues. Confira:

 

Ficha técnica:
Direção e roteiro: Carlos Diegues
Música: Gilberto Gil
Diretor de Produção: Marco Altberg
Produtor Executivo: Augusto Arraes
Co-produção: Embrafilme e Gaumont (França)
Distribuição: Embrafilme
Elenco: Antonio Pompeu, Tony Tornado, Antonio Pitanga, Zezé Motta, Vera Fisher, Maurício do Valle, Daniel Filho.
Duração: 114 minutos

O filme Quilombo, de Cacá Diegues, pode ajudar a compreender um pouco da história brasileira. Ele será exibido na próxima edição do evento História do Brasil e Cinema II: Índios e Negros - Leitura e imagens no cinema brasileiro, que acontece na manhã do sábado, dia 5 de maio de 2007, na sala 1G119 do IHU, das 8h30min às 12h.

 

IHU On-Line - O que caracteriza Quilombo como um filme épico e por que o interesse internacional da Gaumont  francesa no filme?
Paulo Roberto -
O que caracteriza o filme Quilombo como um épico provém da grandiosidade e suntuosidade empregada em sua elaboração e produção, desde um elenco grandioso (tanto pela qualidade dos atores como pela quantidade) até caracterizações de época, que demandam um trabalho árduo de pesquisa, passando por locações externas, efeitos sonoros, visuais, até figurinos que buscam remeter o apreciador deste tipo de obra a proporções mais fidedignas possíveis.

O interesse da produtora francesa Gaumont pela obra de Cacá Diegues deu-se não só pela relação e ligação que o mesmo diretor tinha com o país que lhe acolheu no exílio, mas, sobretudo, por se tratar de umas das maiores companhias nacionais francesas, que têm por tradição investir em filmes de qualidade e divulgar o já tradicionalíssimo e de excelente qualidade cinema francês. O momento de produção e lançamento do filme de Diegues foi também o pior momento da cena cultural brasileira, no qual o declínio da Embrafilmes  acontecia a passos largos, em função de políticas completamente equivocadas no âmbito cultural. O descaso tomava conta do cenário político brasileiro justamente quando dele esperava-se atitudes positivas em função das mudanças que se operavam no país. Desta forma, o já consagrado mundialmente cineasta Cacá Diegues foi inteligentemente apoiado por uma empresa francesa. Nunca é demais lembrar que se empresas brasileiras, estatais e/ou privadas, investissem em produções audiovisuais brasileiras, o mérito não precisaria estar sendo dividido com empresas estrangeiras, que, além de catapultarem cineastas e obras-primas ao mercado mundial, lucram proporções faraônicas pelo mérito de seus investimentos acertados.

IHU On-Line - Em que medida o filme ajuda a compreender a realidade dos Quilombos, em especial o dos Palmares? Como ele, enquanto película, nos permite refletir sobre a saga dos negros na história do Brasil?
Paulo Roberto -
A película de Cacá Diegues expôs, de forma competente, a trajetória de ex-escravos e suas lutas pela liberdade por meio de uma das muitas formas de resistência empregadas por cativos ao longo da vigência do escravismo: o aquilombamento. Embora apresentando uma visão um tanto quanto reducionista e estereotipada do que era um quilombo (justamente por ser baseada em obras literárias que consagraram esta visão) – termo este, hoje em dia tão estudado, debatido e polêmico –, exemplifica e expõe, através de um dos muitos quilombos existentes no Brasil afora, as pessoas que lá habitavam e suas formas de organização social, cultural, religiosa, suas táticas de guerra e seus sonhos de liberdade. Embora o autor se utilize do mais clássico e conhecido quilombo existente no Brasil colonial para dar voz à questão do escravismo e dos problemas dele decorrentes, e disso decorra uma construção mítica de sua existência bem como de seus heróis, trata-se de uma obra importante e que merece ser vista, pois sua importância reside justamente no debate que suscita e naquilo que está para além do filme: a possibilidade de discussão de um tema candente e com características muito presentes na sociedade brasileira contemporânea. Assim, é importante salientar que a análise do filme Quilombo é extremamente atual. Por meio dele, e mesmo além dele, podemos pensar na mobilização contemporânea de comunidades negras rurais e urbanas em torno de um conceito ampliado de quilombo, que atualiza e amplia as formas de luta e auto-afirmação destes descendentes de escravos que a película de Cacá Diegues homenageia.

IHU On-Line- Como aparece no filme a marca dos livros de João Felício dos Santos (Ganga Zumba) e Décio de Freitas (Palmares), que inspiraram Cacá Diegues?
Paulo Roberto -
Os argumentos históricos do filme de Cacá Diegues são retirados destes dois livros: Ganga Zumba, de autoria de João Felício dos Santos, publicado em 1962 pela editora Civilização Brasileira; e Palmares: a guerra dos escravos, escrito pelo historiador Décio Freitas e publicado pela editora Movimento, de Porto Alegre, em 1973. Estes dois livros até hoje são fundamentos do que se escreve e se pensa sobre o quilombo de Palmares. Chamamos, entretanto, a atenção de que o livro de João Felício é uma ficção, mesmo que alicerçado em pesquisa. Já o de Décio Freitas resultou de um estudo profundo feito em fontes primárias, mas este autor costumava complexificar seus estudos, misturando realidade histórica e ficção.

IHU On-Line - E como a forma “Cacá Diegues” de fazer filmes aparece mais claramente em Quilombo?
Paulo Roberto -
O cinesta Cacá Diegues faz parte de uma geração que reinventou o cinema brasileiro através de uma proposta engajada, ao mesmo tempo que com uma linguagem popular. Seus temas e escolhas são frutos de uma trajetória de contestação e divergências ideológicas, na qual as questões atinentes ao povo brasileiro sempre marcaram forte presença. Suas idéias voluntaristas fazem parte de uma época de utopias e o chamado Cinema Novo, vertente cinematográfica que ajudou a criar e consolidar vem da época em que esteve exilado na Itália e na França, tendo como escola o Neo-realismo italiano e a Nouvelle Vague francesa. Trata-se, sobretudo, de uma proposta cinematográfica em que é empregada a “realidade”, e as produções caracterizam-se pelo baixo custo, visto que o momento de suas principais produções coincidem com um momento crítico no que se refere aos incentivos cinematográficos no país. O momento da produção de Quilombo (1984) vem de encontro ao processo de redemocratização do Brasil, no qual começava a emergir uma pluralidade social nunca antes vista, bem como se começava a pensar as formas de inserção do país na modernidade, bem como as formas de escapar e de entender o subdesenvolvimento no qual ele estava imerso. Questões históricas que Cacá colocou em pauta e tentou traduzir nas telas, quando resolveu abordar uma das principais, senão principal característica que ajudou a colocar o país no rumo do subdesenvolvimento: a herança escravista. Trabalhar com esta temática trazia, de certa forma, à tona, muitas outras questões que passavam estar na ordem do dia dos debates brasileiros nos anos 1980. Trata-se de recuperar, através de reflexões, o tempo perdido dos anos ditatoriais e de empregar um pouco de conscientização através da sétima arte. 

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição