Edição 216 | 23 Abril 2007

Editorial

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

IHU Online

O trabalho no capitalismo contemporâneo. A nova grande transformação e a mutação do trabalho

“Se o capitalismo industrial podia ser caracterizado pela produção de mercadorias, o capitalismo cognitivo produz conhecimentos por meio de conhecimento e vida por meio de vida”, constata Yann Moulier-Boutang, economista e redator-chefe da revista Multitudes. Segundo ele, “há simultaneamente uma produção de vida e, portanto, uma bioprodução”. Para entender a mutação do trabalho aí implicada, além do autor do livro Le capitalisme cognitif. La nouvelle grande transformation, recém-lançado na França, contribuem nesta edição, Carlo Vercellone e Giuseppe Cocco. Úrsula Huws, crítica dos conceitos “capitalismo cognitivo” e “trabalho imaterial”, também participa desta edição comemorativa do Dia do Trabalhador e da Trabalhadora.

Mas os vários depoimentos de cortadores de cana do interior paulista mostram como, no Brasil, “o moderno se concilia com o lado perverso do arcaico, numa mistura diabólica, que garante ainda mais o poder e a riqueza dos poderosos”, afirma Maria Aparecida de Moraes Silva, da UNESP. “Este é o quadro "normal" neste país”, constata. A situação dos trabalhadores assalariados na agricultura é comentada pelo engenheiro agrônomo Otávio Valentim Balsadi, pesquisador da Embrapa. Marcio Pochmann, como o faz anualmente por ocasião do 1º de Maio, contribui mais uma vez nesta edição, debatendo as mudanças do mundo do trabalho no Brasil.

Por sua vez, Da sociedade industrial à sociedade informacional. A metamorfose da subjetividade operária é o tema do IHU Idéias desta quinta-feira. Cesar Sanson, pesquisador do CEPAT, parceiro estratégico do IHU, será o conferencista. Na entrevista publicada nesta edição, refletindo sobre a dualidade presente na sociedade do trabalho, ele constata que “não é incomum no corte da cana encontrar-se, de um lado, um trabalhador em condições aviltantes e degradantes de trabalho e, ao lado dele, outro trabalhador que pilota as sofisticadas colheitadeiras com altíssima tecnologia de bordo. Juntam-se aqui, no mesmo espaço geográfico, o trabalho de características do século XIX e o do século XXI”.

A leitura e o debate desta edição podem contribuir para uma melhor compreensão da mutação, tomando o termo na sua acepção das ciências biológicas, do mundo do trabalho, na sociedade contemporânea, pois, segundo Yann Moulier-Boutang, “a grave crise de proposições que enfrenta a esquerda contemporânea, é que ela não chega a sair do horizonte da economia de mercado. O seu programa político, repleto de boas intenções, repousa sobre a velha economia política”.

Devido ao 1º de maio, a próxima edição impressa da IHU On-Line circulará a partir das 8h do dia 2 de maio, quarta-feira. A edição eletrônica, no entanto, estará disponível, normalmente, no final da tarde do dia 30 de abril, segunda-feira.

A todas e todos uma ótima leitura e uma excelente semana!

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição