Edição 531 | 17 Dezembro 2018

Da esperança ao ódio: Juventude, política e pobreza do lulismo ao bolsonarismo

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

O ensaio traz uma reflexão preliminar de uma etnografia longitudinal que vem sendo realizada desde 2009 sobre consumo e política entre jovens do Morro da Cruz (aqui, “o Morro”), a maior periferia de Porto Alegre. Mesmo sem resultados teóricos ou empíricos conclusivos, consideramos de suma relevância apresentar este esboço de nossos dados. No trabalho pôde-se observar as transformações pelas quais os jovens, suas famílias e seus entornos passaram pelos momentos chave da história recente do País, marcados, respectivamente, pela emergência e colapso do crescimento econômico. Essas fases do desenvolvimento nacional afetam não apenas as condições materiais da existência, mas igualmente o self individual, a capacidade de aspirar e as formas de fazerpolítica e de compreender o mundo. Esperança e ódio, por fim, não são categorias totalizantes na perspectiva adotada aqui. São antes tendências que nos ajudam a pensar como a subjetividade política é moldada em contextos diferenciados. Havia ódio na esperança e parece haver esperança no ódio - e essa sutileza é, na verdade, central no argumento que traçaremos nas linhas que seguem.

 

Rosana Pinheiro-Machado é graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS e doutora em Antropologia Social pela mesma universidade. Foi professora de Desenvolvimento Internacional na Universidade de Oxford de 2013 a 2016. Atualmente é professora visitante no Departamento de Sociologia da Universidade de São Paulo – USP.

Lucia Mury Scalco é socióloga e antropóloga. Possui mestrado e doutorado em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, quando desenvolveu pesquisas com os títulos "FaLa K É NóIs": etnografia de um projeto de inclusão digital entre jovens de classes populares em Porto Alegre e O Consumo das novas tecnologias pelas classes populares, respectivamente. Atualmente, realiza investigações sobre os temas classes populares, inclusão digital, novas formas de apropriação das informações e do conhecimento, juventude e consumo.

Acesse a versão completa do caderno.

Esta e outras edições do Cadernos IHU ideias também podem ser obtidas diretamente no Instituto Humanitas Unisinos - IHU, no campus São Leopoldo da Unisinos (Av. Unisinos, 950), ou solicitadas pelo endereço Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. Informações pelo telefone (51) 3590-8213.

Últimas edições

  • Edição 537

    A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

    Ver edição
  • Edição 536

    Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

    Ver edição
  • Edição 535

    No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

    Ver edição