Edição 517 | 18 Dezembro 2017

Abdias Nascimento

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Em março de 1914 nasceu Abdias, filho de uma família de sete irmãos. Aos 9 anos de idade começou a trabalhar para ajudar economicamente a família. Apesar de conciliar os trabalhos com os estudos e aprender contabilidade, Abdias foi vítima de racismo e demitiu-se. Aos 16 anos adulterou a certidão de nascimento para alistar-se no Exército, em 1930.

Foto: Wikipédia

Em 1936 deixou o Exército e São Paulo, mudando-se para o Morro da Mangueira no Rio de Janeiro e passando a integrar a Ação Integralista Brasileira - AIB, onde, segundo o próprio Abdias, passou a ter conhecimento sobre a cultura brasileira, arte, literatura e economia. Sua filiação ao grupo se encerrou no ano seguinte, 1937, justamente pelas correntes racistas que integravam o movimento. Com o convívio com importantes protagonistas negros que viviam a cena carioca, Abdias passou a se enfronhar ainda mais nos temas relacionados à negritude. Essa vivência, somada à formação acadêmica de Abdias na antiga Universidade do Brasil, foram sua base.

Fundou o Teatro Experimental Negro - TEN, e, nos anos 1960, perseguido devido à sua militância negra, foi morar no exterior, onde permaneceu durante 13 anos. Foi professor emérito na Universidade do Estado de Nova York, atuou como conferencista visitante na Escola de Artes Dramáticas da Universidade Yale e foi professor convidado da Universidade de Ife, em Ile Ife, Nigéria. Além disso, fundou o Museu da Arte Negra - MAN e o Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros - Ipeafro.

Últimas edições

  • Edição 517

    O Brasil na potência criadora dos negros – O necessário reconhecimento da memória afrodescendente

    Ver edição
  • Edição 516

    Base Nacional Comum Curricular – O futuro da educação brasileira

    Ver edição
  • Edição 515

    Renúncia suprema. O suicídio em debate

    Ver edição