Edição 504 | 08 Maio 2017

Viver as Bem-aventuranças numa Igreja em saída

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Em sua edição de número 121, o Cadernos Teologia Pública traz o artigo intitulado Viver as Bem-aventuranças numa Igreja em saída, de Tea Frigerio, missionária de Maria – Xaveriana, mestra em Ciências da Religião pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma.


Na apresentação do texto, a autora conta que o Mateus – Matthaios – do primeiro evangelho representa cada discípulo – mathetes – que foi instruído – matheteutheis – e compreende tudo o que lhe foi ensinado – synienai: cumprindo e caminhando na justiça do Reino. As Bem-Aventuranças são o canto apaixonado de Jesus: memória original de Deus que se desloca movido pelo clamor do povo oprimido e, ao mesmo tempo, convocação para comunidade escutar a voz dos pobres, humilhados, aflitos, que têm fome e sede. Escuta e se coloca a caminho para restabelecer a justiça. Justiça é o caminho traçado para que o Reino aconteça. Caminho que ao mesmo tempo indica o ritmo do passo: misericórdia, pureza de coração, paz – shalom. Ser Bem-aventurado, honrado se torna o ethos da comunidade: espiritualidade que é proposta não para pessoas individuais, mas sequela comunitária com consequências econômicas, políticas e religiosas. Tornar-se ‘casa’, comunidades das bem-aventuranças, aprender com as ‘ekklesias mateanas’ a ser comunidade, igreja aberta, universal, em saída.

Esta e outras edições do Cadernos Teologia Pública podem ser obtidas diretamente no Instituto Humanitas Unisinos – IHU, no campus São Leopoldo da Unisinos (Av. Unisinos, 950), ou solicitadas pelo endereço Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. Informações pelo telefone (51) 3590-8213.

Últimas edições

  • Edição 507

    Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

    Ver edição
  • Edição 506

    Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

    Ver edição
  • Edição 505

    Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

    Ver edição