Edição 502 | 10 Abril 2017

Internet é uma máquina que potencializa minorias

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

João Vitor Santos

Fábio Malini acredita que a rede proporciona uma diversificação de vozes, embora algumas plataformas e dispositivos incidam e tentem regular essa profusão

Para o professor Fábio Malini, “as redes sociais digitais explodem uma série de possibilidades de modos de estar junto” e, com isso, reconfiguram uma série de relações. Um dos efeitos mais instantâneos é o de permitir que vozes possam se manifestar sem a necessidade de mediações. É o caso de determinadas classes que, até bem pouco tempo, precisavam de um agente aglutinador. “É a ideia de que, sem intermediários, é possível se indignar”, pontua. “Muitas vezes, não há mais a necessidade de um sindicato para produzir uma mobilização, não há necessidade de se pedir autorização para qualquer entidade para se indignar e realizar atos de rua no mundo”, explica.

Malini, que concedeu a entrevista à IHU On-Line através de mensagens de voz gravadas e enviadas pelo aplicativo WhatsApp, é enfático: “a internet é, sem dúvida, o dispositivo mais importante para as minorias”. Para ele, é pela lógica da rede que os movimentos passam a ser repensados. “Há uma ideia, que ainda veio da internet, de que a construção de rede pode gerar uma produção de lideranças múltiplas e não mais uma única liderança”, diz. Entretanto, embora reconheça a internet como “uma máquina de produção de minorias”, o professor problematiza que “isso tem uma dimensão diferente quando essas vozes estão dentro de uma dinâmica comunicacional dependente de determinadas plataformas, como por exemplo o Facebook, que se baseia num processo de lógica algorítmica”.

Fábio Malini é professor do Departamento de Comunicação da Universidade Federal do Espírito Santo - Ufes. Coordena o Laboratório de Estudos sobre Imagem e Cultura - Labic/Ufes, onde desenvolve pesquisas sobre ciência de dados, movimentos sociais e redes sociais (com especialidade em coleta, processamento e visualização de megadados). Escreveu, em coautoria com Henrique Antoun, da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, o livro A internet e a Rua (Porto Alegre: Sulina, 2013).

Confira a entrevista.

IHU On-Line – Que forma de sociabilidade emerge com as redes sociais digitais?

Fábio Malini – As redes sociais digitais explodem uma série de possibilidades de modos de estar junto. Tem-se uma sociabilidade muito marcada pela lógica de coordenação das ações de rua através da própria internet, a partir das redes sociais. Ou seja, tem um papel muito grande de coordenação de ação, seja ela uma mobilização social, uma partida de futebol ou uma ação cultural. A lógica dos perfis tem esse potencial.

Não é à toa que muitos movimentos surgem a partir da própria liberdade até de construção de liderança na internet, que mobilizam e coordenam ações. É claro que essa sociabilidade fez com que os nossos encontros e ações no mundo real, no mundo off-line, fossem também acelerados. Então, além das tomadas de decisões aceleradas, as relações que são estabelecidas e os encontros que acontecem também são acelerados. Há uma dinâmica própria de efemeridade que acontece nas redes sociais. Por exemplo: se pegarmos o campo da opinião, da maneira como as pessoas consomem informação, vamos notar que existe um conjunto de ações de consumo marcada pela efemeridade. Então, os grandes fatos sociais nascem, explodem de interações e duram pouco também.

Muitas vezes vemos situações políticas, como vimos agora a partir do escândalo da carne , em que o tema surge rapidamente e também se espalha muito rapidamente. Entretanto, é substituído por outro também de forma muito rápida. Temos aí uma dinâmica de aceleração própria da lógica das redes sociais porque ela é baseada na estrutura de cronologia inversa. Os temas atuais e mais novos preponderam em relação aos temas antigos. É isso que, de certa maneira, produz uma forma de vida, uma sociabilidade, também com base na celeridade.

IHU On-Line – Qual o papel dos robôs e dos perfis falsos que fazem circular informações nas redes sociais? Como influenciam a sociabilidade do ciberespaço?

Fábio Malini – A internet tem uma capacidade de também curto-circuitar um conjunto muito grande de processos que eram considerados estáveis. Por exemplo, o processo de deliberação do voto tem uma lógica pautada na ideia de que cada pessoa vota e se posiciona sobre um candidato, uma marca. A internet vai explodir essa estabilidade, vai permitir que existam curtos-circuitos dentro dessa lógica para o bem e para o mal.

Por um dos lados, os robôs têm a característica de fazer com que um manancial de informações, o excesso de informação, seja sistematizado por processos de automação que lhe dê característica qualitativa em termos do uso e consumo da informação. Assim, a automação, o papel dos robôs no consumo da informação e também da produção da informação, vai se dar a partir de uma lógica curatorial. Os robôs têm esse papel de filtro do que há de interessante e, também, de produzir interações baseadas nesse filtro. Por exemplo: se determinada pessoa acompanhar os temas sobre mudanças nos processos genéticos humanos, os robôs, ou perfis criados – pois são perfis criados, embora considerados falsos – que produzem informação sobre esse tema que você gosta de estudar, vão trabalhar nesse sentido. Se ele identifica informações novas sobre o tema, ele republica também essas informações. Os boots vão ter uma característica muito grande de curadoria da informação on-line.

Claro, com o processo político, essa ideia de automação ganhou outra característica, de valorização de temas, ou melhor, de candidatos, de um certo tipo de circuito ideológico. Com isso, temos uma ação que se repete on-line, daquilo que já se repete no mundo off-line, a ideia de uma claque de pessoas que aplaudem e bajulam continuamente, que produzem informações demagógicas continuamente como modo de inflar um candidato. E aí temos um perigo do ponto de vista democrático. Mas, ao mesmo tempo, esses robôs políticos e ideológicos também antecipam ações e pontos de vista daqueles candidatos ou políticos que lhe agradam. E faz com que os planos desses políticos também sejam vistos mais estrategicamente. É uma faca de dois gumes, pois, de um lado, infla o candidato, mas, de outro, antecipa estratégias que muitas vezes o candidato não faria com seus perfis pessoais.

Há, também, uma complexidade nisso tudo: os perfis de políticos não são muitas vezes produzidos por eles próprios, o que cria também um certo simulacro de performance e atuação dos políticos. No fim das contas, vamos percebendo que a internet também é um local muito ficcionado. E essa ficção vira um terreno para a construção de outros personagens, outras ações, em que o humor, sobretudo o humor crítico, se revela como uma das maiores potências da internet. Então, tem esse campo ficcional, e assim, como toda e qualquer ficção, do ponto de vista narrativo, o usuário pode errar. A ficção dá essa possibilidade de erro, e com isso a internet vira um espaço para a produção de narrativas das mais complexas, que passa pelos usuários reais, ficcionados, simulados, robôs, e tantas formas assim de se produzir informação.

IHU On-Line – Como compreender o ativismo em rede? O que o aproxima e o que o dissocia das manifestações que tomam as ruas?

Fábio Malini – O ativismo em rede também faz parte de um desenvolvimento, como os próprios veículos e meios que foram se constituindo ao longo da história da internet. Nos anos 1990, por exemplo, o ativismo tinha uma característica muito forte da internet dos grupos, das comunidades virtuais, dos grupos de discussão, caracterizado muito mais como uma construção de espaços mais identitários, porque as comunidades são focadas em interesses comuns, ideologias comuns e práticas comuns. Assim, é período em que os grupos têm um papel importante e as relações entre eles acontece de maneira muito menor, em uma velocidade muito menor, porque as comunidades virtuais fazem com que haja um certo tipo de fragmentação social.

Com o papel e a entrada da web e, por consequência, o seu aprimoramento do ponto de vista técnico, com o surgimento de meios em que os usuários possam se conectar entre si, e não mais viver em ilhas comunitárias, o ativismo se multiplica e se intensifica no sentido de valorização dos discursos minoritários. As minorias passam a ter um papel muito importante de produzir atos de rua e esses atos podem se aglomerar, como aconteceu em Seattle (Estados Unidos), como também podem se realizar vários atos de maneira isolada. De qualquer forma, o ativismo foi também qualificado pela ação direta que a internet e as redes sociais possibilitaram. É a ideia de que, sem intermediários, é possível se indignar. Não há mais, muitas vezes, a necessidade de um sindicato para produzir uma mobilização, não há necessidade de se pedir autorização para qualquer entidade para se indignar e realizar atos de rua no mundo.

Então, isso tem uma implicação, que também é uma diversificação e intensificação dos movimentos, também de uma estrutura comunicativa, que faz chegar a um conjunto mais diversificado de pessoas a suas lutas. Isso acaba explodindo falas que estavam silenciadas. Existe uma relação muito intensa com as ruas nesse sentido, porque a internet possibilita a produção de minorias continuamente na rua.

Mutações no ativismo

Também mudou muita coisa no ativismo. Há uma ideia, que veio da internet, de que a construção de rede pode gerar uma produção de lideranças múltiplas e não mais uma única, como era a liderança verticalizada nos movimentos de massa. É uma multiplicidade de lideranças para também responder a esse conjunto interacional que a sociedade em rede produz.

E há, ainda, modelos muito diversificados na construção de lideranças. Ou seja, há modelos de comando com poucas lideranças produzindo a lógica de rede, há movimentos numa lógica mais distribuída de comando, de maneira que as lideranças acontecem ad hoc. É uma diversidade muito grande de possibilidades de construção ativista em que a própria internet não é só espaço de distribuição de informações e de ações do ativismo que vai acontecer na rua, mas é também a produção ativista, onde acontecem atos propriamente ditos. É o caso, por exemplo, de vários movimentos hackers.

A internet possibilitou, também, que a relação se tornasse mais intensa, e o conflito com as instâncias de poder também passou a se dar de formas mais aceleradas. O poder e suas estruturas, sobretudo do Estado, tiveram que responder, e a aprender a responder, às demandas sociais de maneira mais acelerada. Afinal, hoje, fazer movimento é algo que também acontece de forma mais veloz. Monta-se rapidamente um grupo no WhatsApp e de lá se levantam os recursos necessários para ir ao ato; assim, os atos são organizados dentro do aplicativo. Dentro dos grupos de discussão do Facebook, as páginas começam a mobilizar e convocar. Quando o ato acontece, já tem o streaming, que mostra o que as pessoas estão pensando sobre o ato enquanto ele vai acontecendo. E, enfim, tem o pós-ato.

Todas essas dimensões comunicacionais acabam gerando no espaço público novas razões, novas agendas, que contaminam também as pessoas na rede, de forma que possibilita o aumento da qualidade da mentalidade pública sobre determinada agenda.

IHU On-Line – Recentemente, o senhor analisou as manifestações de familiares de policiais militares no Espírito Santo no ciberespaço e também vivenciou toda a paralisação da PM. Que nexos podemos estabelecer entre o que ocorria em redes sociais e nas ruas de Vitória?

Fábio Malini – No caso da paralisação da polícia militar do Espírito Santo, existe uma outra dimensão a ser explorada nessa relação internet e rua, que tem a ver com a construção da ideia do medo. O medo é um dos elementos mais valorizados dos meios de comunicação de massa, sobretudo da televisão – é a fabricação do medo, principalmente no campo do jornalismo. O jornalismo dos últimos 20 anos tem dado ao noticiário um tom maior para aqueles fatos relacionados a homicídios e acidentes de trânsito. Essa fabricação contínua do medo produz no imaginário coletivo a necessidade contínua de segurança. E essa segurança se traduz, muitas vezes, numa blindagem residencial. Vai desde o aumento dos muros das casas, passando pelos sistemas de vigilância com câmeras por toda a cidade, até a construção de territórios de segregação, e que são necessários reprimir, sobretudo as periferias das cidades.

Então, essa fabricação do medo é uma das principais metas da construção da comunicação de massa em sua história, mas isso se radicalizou nos últimos anos. A internet não fica fora disso. Embora ela satirize, deboche, escrache essa sociedade do risco que o telejornalismo impõe, a internet também reflete essas instâncias mediadoras que estão fora dela. É a mediação feita do medo do outro. Medo do outro, como diz o antropólogo Eduardo Viveiros de Castro , marca o homem moderno. Daí a necessidade desse homem em construir um ente fora dele, o Estado, para mediar esse medo que tem do outro.

Nesse sentido, quando os policiais militares no Espírito Santo saem das ruas, a internet é tomada, no seu primeiro momento, por um conjunto de boatos que reforçam o medo social. Esses boatos produzem, imediatamente, um aprisionamento domiciliar das pessoas, e esse aprisionamento produz também divulgações de situações de risco de violência que a população passa por não haver força policial. Passa a se dar, também, uma reivindicação por uma força policial mais agressiva, a saber: o Exército, para policiar as regiões, em especial as mais ricas, onde um crime contra a propriedade é mais recorrente, enquanto o crime contra a vida, sobretudo nas periferias, é negligenciado.

Essa hierarquização informacional, o boato e o surgimento dele, deriva também de um conjunto de sujeitos sociais que reivindicam que a temática dessa segurança baseada no aprisionamento e na vigilância possa se manter na realidade social. Podemos ler o boato, muitas vezes, apenas como uma situação perversa de alguns para produzir o medo no outro. Entretanto, ainda tem esse fundo de acolhimento das pessoas em função de que elas próprias, sobretudo aquelas que vivem nas classes mais altas da sociedade, estão presas a um modelo social que, para garantir seus privilégios, produzem esse efeito colateral nelas próprias - que é viver continuamente sob a ideia do risco e a vigência do medo.

IHU On-Line – No que a experiência das manifestações de PMs e seus familiares no Espírito Santo se associa e se dissocia de movimentos como #VemPraRua e #ContraTarifa ?

Fábio Malini – São movimentos bastante distintos. Existe toda uma cultura de exploração do medo, da circulação do medo como um processo de tensionamento social para gerar emoção política na rede a partir desse imaginário coletivo baseado no receio da violência. É algo frequentemente ligado ao pavor das pessoas de classe média com relação ao saque de seus bens, à proteção de seus filhos. Mas tem também o elemento comum, que é o fato da utilização do dispositivo de rede como um modo de construção de uma multidão para se produzir uma ação coletiva nas ruas.

O #VemPraRua, assim como #ContraTarifa, tem a dimensão da construção de um lastro social baseado na produção de direitos. Tem relação com a criação de uma outra mentalidade coletiva, de uma outra mentalidade pública, que institua uma nova agenda social, no caso, passe livre e redução da tarifa do transporte público; ou seja, está num plano de construção política de direitos.

No caso da produção política que acontece em função da greve dos PMs, existe uma exploração do medo na internet, nas redes sociais. Isso é muito curioso porque se reprime a construção do direito a partir da geração do pavor, do medo nas pessoas. Então, enquanto o #VemPraRua e tantos outros movimentos constroem uma relação mais de solidariedade, de produção de novas mentalidades políticas, no caso do Espírito Santo isso não ocorre. É como se um movimento se baseasse no amor e o outro, no pavor.

IHU On-Line – Como se dá o uso de redes sociais digitais pela população das periferias?

Fábio Malini – De fato, temos também um certo tipo de exclusão digital a reduzir. Ainda há uma dívida digital, no sentido do uso pleno das tecnologias, e não apenas numa lógica de consumo, num acesso de download em que todos precisam de internet para baixar música. É preciso também uma perspectiva da produção de conteúdo, para que todos possam ser perfis e possam fazer críticas, produções e construções de ambientes multimídia, de tecnologias e de plataformas, ambientes. Toda essa cultura da programação, da produção, também é uma dimensão central em que a dívida digital não contempla um amplo espectro de sujeitos sociais produzindo.

As periferias das cidades sofrem também de certo tipo de segregação de banda, do ponto de vista de internet, que tem a ver com o fato de que parte da banda larga proporcionada do ponto de vista do consumo é ofertada a regiões centrais, regiões de mercado de consumo elevado. Então, tem uma dívida que passa pela infraestrutura tecnológica excludente que nós temos, tanto de um ponto de vista litoral x interior, como do ponto de vista das regiões centrais da cidade para com as periferias.

Mas essa dinâmica, de certa forma, é atravessada por curtos-circuitos que a própria população mais pobre produz. É o aparecimento do “gato net” e de uma série de práticas sociais que vai, muitas vezes na clandestinidade, trazer a internet. Claro que também com a popularização da telefonia móvel, embora ela seja restrita à lógica do pré-pago, à lógica dos pacotes, vai se popularizando a internet para aquele sujeito que tem acesso a partir do celular. Hoje, o Facebook, por exemplo, tem uma parcela significativa de acessos que são feitos pelo celular. Há uma dinâmica, que é underground, que também faz com que essa dívida digital seja, de certa maneira, reduzida a uma dinâmica de mercado, a qual, obviamente, é parcial do ponto de vista do direito à comunicação.

IHU On-Line – Como as redes políticas se constituem dentro de determinados grupos? E o que são e como interpretar o que o senhor chama de betamovimentos dentro dessas redes?

Fábio Malini – Os movimentos são seres em movimento. Ou seja, existe dentro deles uma certa autodinamização baseada também nos conflitos que eles carregam, tanto em relação aos seus antagonistas como também no que diz respeito a suas relações internas conflituosas derivadas da diversidade de sujeitos sociais que os compõem. Esse campo de tensão, que é a própria característica da dinâmica dos movimentos sociais que se baseiam na rede e na rua, faz com que os movimentos nunca estejam fechados. São movimentos abertos no sentido de incorporação de agendas permanentes que amplificam ou qualificam aquelas pautas sociais que carregam. Por isso chamo de betamovimento, inspirado na discussão da própria ideia do que é internet.

Eu me refiro a essa internet participativa 2.0, que se caracteriza também como uma internet continuamente em transformação, porque os serviços tecnológicos que são disponibilizados são sempre beta, são serviços que sempre funcionam continuamente update, como são os aplicativos. Eles são instalados nos nossos celulares, mas há continuamente atualizações que os melhoram. Esse modo de performar nas ruas, quando ativadas pelas redes, traz também a cultura dessa nova internet, de contínua atualização, de ser aberta, de ser extremamente participativa, e isso cria uma nova qualidade nos movimentos sociais, que tem a ver por eles serem continuamente mutantes. Claro que a característica do ser contemporâneo, ou mesmo moderno, tem a ver com o fato de eles serem seres em movimento. Parece que a internet casa muito bem com as dinâmicas manifestadas pela inteligência coletiva da rede e das ruas.

IHU On-Line – Como compreender as chamadas bolhas das redes sociais, especialmente Facebook, desde a articulação entre os seus integrantes até a conexão com outras bolhas?

Fábio Malini – As bolhas são, na verdade, movimentos concretos das nossas opções de dar atenção a um conjunto de sujeitos; o que faz com a gente fique preso a esse conjunto de sujeitos, sejam páginas ou pessoas. Mas, ao mesmo tempo, essa relação de circunvizinhança que o Facebook produz, de o algoritmo marcar como relevante aqueles que são nossos vizinhos, nossos mais próximos, e esses mais próximos serem uma eleição definida pelos nossos rastros baseados em likes, comentários e compartilhamentos, é contrabalançada por outras dimensões. Quando um determinado conteúdo consegue entrar nessa heterogeneidade das bolhas ideológicas, passa também a ter uma força muito maior de mobilização.

É sempre uma faca de dois gumes, é sempre ambígua a questão da bolha. Por um lado, fecha o sujeito dentro de suas dimensões ideológicas, mas, por outro lado, quando essa dimensão é contaminada por outros, ganha um certo tipo de relevância grande. É óbvio também que há outros dispositivos – Twitter, Instagram, Snapchat, blogs – que também têm características em suas interfaces que permitem outros tipos de uso. No final das contas, essa super, hiperinflação informacional produz uma dieta de mídia que faz com que os assuntos do momento sejam uma construção cada vez mais coletiva do que determinada por um conjunto de editores. Isso modifica a forma como as minorias performam e definem suas pautas, na medida em que elas podem performar em diferentes lugares, criando assim uma relação de presença nas suas pautas que, até então, não conseguiam ter.

IHU On-Line – As redes sociais digitais diversificam vozes e perspectivas ou apenas propiciam a formação de bolhas?

Fábio Malini – Sem dúvida alguma, diversificam vozes. A internet é uma máquina de produção de minorias. Ela cria essa possibilidade de concessão de comunidades que se baseiam em interesses próprios, e isso cria uma dinâmica de implicação de um conjunto de públicos que se baseiam também numa lógica identitária. Baseia-se, ainda, numa perspectiva de difusão de vozes minoritárias. A internet é, sem dúvida, o dispositivo mais importante para as minorias, embora obviamente a radiodifusão tenha a característica de que uma única mensagem chega a muitas pessoas, e por isso as minorias também adotam como estratégia ocupar o espaço da radiodifusão. No entanto a internet acaba se tornando também um meio com custo muito baixo para a produção de notícias que explicitam as diferenças políticas, culturais e sociais de um conjunto ou de uma população pequena ou mesmo grande. E isso implica novos tipos de política.

As novas pautas políticas, as novas pautas sociais passam por uma atualização que acontece muito em função dessa participação pública das minorias que difundem, se articulam e coordenam ações pela internet. É claro que isso tem uma dimensão diferente quando essas vozes estão dentro de uma dinâmica comunicacional dependente de determinadas plataformas, como por exemplo o Facebook, o qual se baseia num processo de lógica algorítmica que valoriza aquilo que é produto de uma relevância dada pelos usuários a partir de sua movimentação, que se dá através de likes, compartilhamentos, e processos de seguir determinadas pessoas ou não. Então, essa algoritmização da escolha baseada na lógica da relevância produz um certo tipo de tautologia em que nós ficamos presos a nossas bolhas ideológicas. Mas, de certa forma, a vida é marcada por essa característica.■

Leia mais

- Espírito Santo: o modelo de uma tragédia brasileira. Entrevista Especial com Fábio Malini, publicada nas Notícias do Dia de 14-2-2017, no sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU.

- "Quanto mais democracia, mais desenvolvimento". Entrevista especial com Fábio Malini, publicada nas Notícias do Dia de 8-2-2010, no sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU.

- As manifestações de 13/15 de março e a artificialização das redes sociais. Entrevista especial com Fábio Malini, publicada nas Notícias do Dia de 15-3-2015, no sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU.

- Mídia Ninja. "A disputa pelo poder midiático''. Entrevista especial com Fábio Malini, publicada nas Notícias do Dia de 10-7-2013, no sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU.

Últimas edições

  • Edição 513

    Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

    Ver edição
  • Edição 512

    Revolução Pernambucana. Semeadura de um Brasil independente, republicano e tolerante

    Ver edição
  • Edição 511

    Francisco Suárez e a transição da escolástica para a modernidade

    Ver edição