Edição 496 | 31 Outubro 2016

Linha do Tempo

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Redação

A IHU On-Line apresenta seis textos publicados no sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU que tiveram destaque ao longo da semana

O "sim" da Igreja à cremação: cai um tabu

“A nova instrução vaticana sobre a cremação mostra que esse tabu também foi superado entre os católicos e até mesmo na Itália, e que a Igreja do Papa Francisco, ao mesmo tempo, compreende e se interroga com alguma preocupação sobre a nova relação que os nossos contemporâneos mantêm com a morte." A opinião é do sociólogo italiano Massimo Introvigne, fundador e diretor do Centro de Estudos sobre as Novas Religiões (Cesnur), em artigo publicado no jornal Il Mattino, 22-10-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Leia o artigo completo.

 

“A maioria das universidades do mundo vai desaparecer”

Quando David Roberts era criança, seu pai lhe contou que Thomas Edison fez muito mais pela humanidade com a invenção da lâmpada do que qualquer político na história. Essa ideia marcou sua caminhada. Roberts é um dos maiores especialistas em tecnologia disruptiva do mundo e também um dos rostos mais conhecidos da Singularity University, a universidade do Vale do Silício criada em 2009 com o apoio da NASA e do Google. Roberts considera que o formato de negócio das universidades tem os dias contados e que somente sobreviverão aquelas que possuírem um nome forte. A entrevista é de Ana Torres Menárguez, publicada por El País em 24-10-2016.

Leia a entrevista completa.


Igreja Católica abre seus arquivos sobre a ditadura militar argentina

A Igreja Católica da Argentina e o Vaticano abrirão seus arquivos sobre a ditadura militar (1976-1983) para que possam ser consultados pelas vítimas e seus familiares. Através de um comunicado conjunto da secretaria de Estado da Santa Sé e da Conferência Episcopal argentina, a Igreja Católica anunciou que “em breve”, após concluir o processo de digitalização e organização do material disponível, poderão ter acesso aos arquivos “as vítimas e os familiares diretos dos desaparecidos e detidos e, no caso de religiosos ou eclesiásticos, também seus superiores maiores”. A abertura dos arquivos foi determinada pelo papa Francisco, que havia prometido isso a diversas organizações de direitos humanos que há anos reivindicavam essa medida de transparência. A reportagem é de Pablo Ordaz, publicada por El País, 25-10-2016.

Leia a reportagem completa.

 

Quem paga pelo assassinato de mulheres?

"Cerca de 60 mil mulheres e meninas são assassinadas a cada ano no mundo, com frequência e em uma escalada de violência doméstica. Estudos nacionais realizados na África do Sul e no Brasil estimam que a cada seis horas uma mulher é morta por seu companheiro íntimo. O lar não é um abrigo e é arriscado para as mulheres denunciarem seus agressores", escreve Phumzile Malambo-Ngcuka, secretária-geral adjunta das Nações Unidas e diretora executiva da ONU Mulheres, em artigo publicado por Envolverde/IPS, em 26-10-2016.

Leia o artigo completo.

 

A PEC 241 e a cegueira ideológica

“Sim, o Brasil tem uma das piores políticas fiscais do planeta: juros no topo e o sistema tributário mais complicado, extenso e regressivo. Ela faz o Brasil refém do rentismo e não beneficia a produção, tanto que o País se desindustrializou nos últimos anos”, constata Marcos de Aguiar Villas-Bôas, doutor pela PUC-SP, mestre pela UFBA, conselheiro do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais do Ministério da Fazenda e pesquisador independente na Harvard Law School e no Massachusetts Institute of Technology, em artigo publicado por CartaCapital, 26-10-2016. Segundo ele, “a insistência em não reformar a tributação e manter um nível sobre a indústria que é mais do que o dobro da carga dos países da OCDE, enquanto que o nível da tributação da renda da pessoa física e da riqueza está bem abaixo do nível nesses mesmos países, é acreditar – ou fingir que se acredita – que a carga tributária já é muito alta e que não se pode mais mexer nela”.

Leia o artigo completo.

 

"Não é possível ser católico e sectário." Entrevista com o Papa Francisco por ocasião da viagem apostólica à Suécia

Durante um encontro dos diretores das revistas culturais europeias da Companhia de Jesus, em meados de junho, eu expressei ao Pe. Antonio Spadaro, diretor da La Civiltà Cattolica, um desejo que tinha no meu coração há muito tempo: entrevistar o Papa Francisco às vésperas da sua viagem apostólica à Suécia, no dia 31 de outubro de 2016, para participar da comemoração ecumênica dos 500 anos da Reforma Luterana.

O comentário é do jesuíta sueco Ulf Jonsson, no texto de introdução da entrevista publicada na revista La Civiltà Cattolica, 28-10-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Leia a entrevista completa.

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição