Edição 489 | 18 Julho 2016

Retrovisor

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Redação

Releia algumas edições já publicadas da IHU On-Line.
As revoluções tecnocientíficas e a modelagem das feminilidades, hoje

As revoluções tecnocientíficas e a modelagem das feminilidades, hoje

Edição 423 - Ano XIII – 17.06.2013

A modelagem das feminilidades favorecidas pelas revoluções tecnocientíficas contemporâneas é o tema de capa da IHU On-Line número 423. Participam do debate Marlene Tamanini, professora na Universidade Federal do Paraná – UFPR, Diana Maffía, pesquisadora do Instituto Interdisciplinar de Estudos de Gênero da Universidad de Buenos Aires e diretora do Observatório de Gênero na Justiça, do Conselho da Magistratura da capital argentina, Maristela Mitsuko Ono e Marília Gomes de Carvalho, professoras e pesquisadoras no Programa de Pós-Graduação em Tecnologia da pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR, Carolina Ribeiro Pátaro, mestranda do Programa de Sociologia da Universidade Federal do Paraná – UFPR e Leonor Graciela Natansohn, professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Universidade Federal da Bahia.

 

O feminino e o Mistério. A contribuição das mulheres para a Mística 

Edição 385 - Ano XI – 19.12.2011

Mística, segundo o professor do programa de Pós-Graduação em Ciência da Religião, da Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF, Faustino Teixeira, “é uma experiência que integra, em reciprocidade fundamental, as dimensões de anima (feminilidade) e animus (masculinidade) que habitam cada pessoa humana”. “Há uma ‘lógica do coração’ que transborda a ‘lógica da razão’”. A contribuição de mulheres como Hildegard de Bingen, Marguerite Porete, Teresa de Ávila, Maria Madalena, Rabi’a al-’Adawiyya, entre outras, para uma compreensão mais profunda do que é a Mística é o tema de capa da edição 385 da IHU On-Line. Contribuem nesta edição Marco Vannini, Juan Martín Velasco, Chris Schenk, Salma Ferraz, Carlos Frederico Barboza de Souza, Victoria Cirlot, Felisa Elizondo, Maria José Caldeira do Amaral, Ceci Baptista Mariani, Sílvia Schwartz e Luce López-Baralt.

 

Hannah Arendt, Simone Weil e Edith Stein. Três mulheres que marcaram o século XXI [Hannah Arendt Simone Weil Edith Stein

Edição 168 - Ano V - 12.12.2005

“Parece que certas pessoas estão, em sua própria vida (e unicamente nisso, e não como pessoas, por exemplo), de tal forma expostas que se tornam, por assim dizer, encruzilhadas e objetivações concretas da vida”, escreve Hannah Arendt. A frase prefigura seu próprio destino e o de duas outras mulheres, suas contemporâneas: Simone Weil e Edith Stein. Em 2005, ano em que foi celebrado o centenário do nascimento de Hannah Arendt (1906-1975), a IHU On-Line, em sua edição 168, recordou a trajetória e obra intelectual da pensadora, relacionando-a a duas outras mulheres, judias e filósofas: Edith Stein (1891-1942) e Simone Weil (1909-1943).

Últimas edições

  • Edição 532

    Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

    Ver edição
  • Edição 531

    Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

    Ver edição
  • Edição 530

    Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

    Ver edição