Edição 483 | 18 Abril 2016

A Igreja solteira, masculina e hierárquica que fala à família

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

João Vitor Santos

Ivone Gebara analisa que Amoris Laetitia não rompe com velhas perspectivas, reforçando um mundo ideal que é distante do mundo de hoje

A filósofa e teóloga Ivone Gebara não esconde sua decepção com a exortação apostólica Amoris Laetitia: “ingenuamente eu esperava que se dirigisse primeiro às famílias católicas, sobretudo àquelas que querem estar, na medida do possível, dentro de uma prática de seguimento das orientações do papado”. Ivone destaca tanto a dificuldade de absorção dos escritos pelo laicato como a necessidade da ação mediadora do clero. “Os pobres que quiserem entender alguma coisa do texto não poderão fazê-lo em forma direta, mas sempre através da mediação interpretativa de bispos, presbíteros, diáconos, etc.”, pontua.

Na entrevista a seguir, concedida por e-mail à IHU On-Line, Ivone desenvolve uma crítica à forma como a exortação manifesta o ideário conservador, hierárquico e masculino da Igreja acerca das famílias e suas múltiplas possibilidades de configurações. “Mais uma vez a Igreja aparece como sendo em primeiro lugar a hierarquia masculina e célibe, hierarquia que não se constitui como família segundo o modelo indicado, mas que critica comportamentos e define orientações de vida como se fosse mestra dos complexos meandros do amor humano”, analisa. 

Ivone Gebara é  filósofa e teóloga que lecionou durante quase 17 anos no Instituto Teológico do Recife – ITER. Irmã religiosa, dedica-se a escrever e a ministrar cursos e palestras, em diversos países do mundo, sobre hermenêuticas feministas, novas referências éticas e antropológicas e os fundamentos filosóficos e teológicos do discurso religioso. Entre suas obras mais recentes publicadas estão Compartilhar os pães e os peixes. O cristianismo, a teologia e teologia feminista (2008), O que é Cristianismo (2008), O que é Teologia Feminista (2007), As águas do meu poço. Reflexões sobre experiências de liberdade (2005), entre outras.

 

Confira a entrevista.


IHU On-Line - A quem a Exortação é endereçada? Como explicitar a questão dos destinatários?

Ivone Gebara - O endereço da Exortação é claro, embora trate da família e do matrimônio cristão. Dirige-se em ordem hierárquica: aos bispos, aos presbíteros e diáconos. Segue o mesmo estilo das cartas, encíclicas e exortações dos papas anteriores. Entretanto, devido ao tema, ingenuamente eu esperava que se dirigisse primeiro às famílias católicas, sobretudo àquelas que querem estar, na medida do possível, dentro de uma prática de seguimento das orientações do papado.

Espantou-me o fato de que o Papa Francisco, querendo ser tão próximo do povo pobre e reiterando por diversas vezes que é preciso ir às ruas, ouvir os pobres, abraçar sua causa, uma vez mais escreva ou assine um texto tão vasto e tão inacessível aos pobres assim como ao comum das pessoas. Isto significa que os pobres que quiserem entender alguma coisa do texto não poderão fazê-lo em forma direta, mas sempre através da mediação interpretativa de bispos, presbíteros, diáconos, etc. Enfrentamo-nos novamente ao problema da sutileza dos poderes religiosos e de sua capacidade de manter as mentes e os corações submissos a suas afirmações consideradas ‘verdades’ segundo Deus ou segundo a Bíblia.

A tão propalada responsabilidade pessoal e coletiva é reduzida à letra ou a uma retórica sem significativa eficácia na vida. Além disso, mais uma vez a Igreja aparece como sendo em primeiro lugar a hierarquia masculina e célibe, hierarquia que não se constitui como família segundo o modelo indicado, mas que critica comportamentos e define orientações de vida como se fosse mestra dos complexos meandros do amor humano. Um mal-estar invade leitores/as que esperavam reflexões mais simples e diretas que pudessem ajudar na formação contemporânea das consciências, no respeito às diferenças e na responsabilidade coletiva.


IHU On-Line - O título da exortação não é um convite ao amor?

Ivone Gebara – O belo título da exortação “Alegria do amor” mais do que um convite ao amor é um convite ao pensamento a partir do cotidiano de nossas relações. Sabemos bem que embora haja alegrias no amor, o título parece esconder as tristezas do amor, os dissabores, as muitas frustrações, as inevitáveis desavenças, as quebras de confiança, a crueldade humana que se manifesta na vida de cada dia. Finalmente, esconde através de uma poderosa e sutil atitude ‘paternal’ a sujeição dos fiéis a um mundo idealizado que não é o nosso, a um mundo onde os poderes espirituais tendem a mascarar a complexa mistura de nossas vidas.

O mais grave em tudo isso é a justificação das orientações e interpretações dadas através do que entendem por “poder de Deus”, não hesitando em subordinar consciências a seus ‘pareceres’ muitas vezes identificados também à liberdade. Há uma ambiguidade que atravessa o texto todo, sobretudo no uso de conceitos imaginados como ‘aquisição tranquila’ da comunidade de fiéis ou como evidentes na experiência de muitos. Há também uma espécie de defesa da hierarquia da Igreja que aparece como o lado que sabe e que tem razão na complexa história do mundo de hoje. É um lado que fala não como a publicidade consumista ou como os grandes desse mundo e nem como os que escorregam por caminhos que parecem ser contrários à ordem estabelecida por Deus. Os bispos reassumem sua função magisterial até em assuntos que parecem fugir de sua competência.


IHU On-Line - Pode esse documento à primeira vista ser inspirador de mudanças nas igrejas locais?

Ivone Gebara - O documento é de difícil e monótona leitura. A estrutura do texto e a alusão aos padres sinodais confunde o leitor, que se pergunta se as ideias vêm mesmo do Papa Francisco ou ele se sentiu obrigado a expressar algumas ideias que foram discutidas no Sínodo da Família. Além disso, existem várias questões da atualidade de nosso mundo consideradas de maneira muito geral e o tratamento que lhes é dado aparece como uma solução fácil, dependendo muitas vezes da vontade individual e do seguimento dos ensinamentos da Igreja. 

Questões como a pobreza, a falta de emprego, de condições de moradia e saúde, a violência familiar, a emigração massiva que tornam difícil a vida familiar são abordadas muitas vezes em meio a um aparato bíblico, teológico e citações de documentos eclesiásticos. Tal procedimento, longe de esclarecer, obscurece a problemática e não lhe dá o devido valor no contexto atual de nossa história. O texto cheio de citações que justificam posturas tradicionais da hierarquia católica não permite que os leitores tenham uma visão mais integral das questões e até de possíveis novidades abordadas no Sínodo.

Não creio que essa Exortação poderá modificar muita coisa na prática das hierarquias religiosas em relação à vida concreta dos fiéis. Da mesma forma não há mudanças profundas no documento nem na forma, nem no conteúdo, que respondam aos novos desafios que estamos vivendo. Por isso não estou segura de que o texto possa ajudar, a não ser pela metodologia de convidar as pessoas a pensar de outra forma os desafios que a vida apresenta hoje. 


IHU On-Line - Como aparece a mediação da Bíblia no texto?

Ivone Gebara - É espantoso observar que o uso da Bíblia como primeiro fundamento das posições assumidas pelo Governo da Igreja em relação à família parece desconhecer o trabalho de muitos estudiosos e estudiosas dos textos considerados “sagrados”. Apreende-se na exortação uma leitura interpretativa pré-crítica, idealizante e concordista das narrativas, desconhecendo os esforços não só das leituras histórico-críticas, mas das muitas hermenêuticas e leituras materialistas, populares, feministas e pós-coloniais das Escrituras. Muitas vezes temos a impressão da presença do “a Bíblia tem razão”, método pastoral usado especialmente no século XIX e início do século XX por grupos fundamentalistas. 

Além disso, muitas vezes se nota uma desconexão entre o sentido tradicional do texto e o uso que o Papa Francisco faz dele. Por exemplo, no parágrafo 23 justifica a importância do trabalho humano (Gênesis 2,15) falando dele como ordem divina e ignorando outras alusões ao trabalho como castigo à desobediência de Adão e Eva. Em outros termos, os textos e as interpretações são muitas vezes deslocados de seu contexto literário e usados para justificar posturas ingênuas sobre a família humana. Na mesma linha, usa a família de Nazaré como ícone para todas as famílias cristãs, idealizando-a mesmo quando fala dos sofrimentos vividos por Maria e José por conta da perseguição de Herodes e da fuga ao Egito.

 

Família ideal e mundo real

A partir dessa idealização, afirma a doutrina da Igreja sobre o matrimônio e a família fundada na indissolubilidade dos laços conjugais. E nessa linha afirma, ingenuamente, a capacidade de cada família de enfrentar-se às vicissitudes da vida e da história (parágrafo 66) a partir da manutenção dos laços sacramentais e da consideração da família de Nazaré como ícone da família cristã. Este tipo de abordagem simplista, na realidade, esconde o poder de controle que a instituição, especialmente os prelados, querem ter sobre a vida dos fiéis. Encobre e silencia a realidade das relações humanas, a dificuldade dos tempos atuais e as novas formas de viver e conceber as relações humanas. E mais: raciocina sempre opondo um mundo ideal “querido por Deus” ao mundo real das relações cotidianas marcadas por nossas múltiplas paixões e fragilidades. Valoriza uma espécie de visão definitiva do matrimônio e da família em detrimento da capacidade que temos de recomeçar vínculos sem que por isso estes sejam levianos ou que busquem apenas uma satisfação egoísta.


IHU On-Line - E a teologia presente no texto apresenta novos desafios?

Ivone Gebara - Uma análise mais acurada seria necessária para captar as diferentes teologias presentes no texto. Entretanto, uma vista rápida me permite apenas dizer que a teologia da exortação retoma a mesma da tradição da Igreja expressa pelos pontífices anteriores especialmente a partir do Concílio Vaticano II . Na abordagem dos diferentes problemas vividos pelas famílias prima a caridade e a misericórdia antes do julgamento. Isso me parece uma boa coisa. Entretanto, os parâmetros teológicos do texto são limitados quase que exclusivamente às fontes do magistério da Igreja com referência especial aos textos dos dois últimos papas.


IHU On-Line - Ainda no início da exortação, nos parágrafos 54, 55 e 56, o Papa reflete sobre ‘a mulher’ e critica a chamada ‘ideologia de gênero’. Como entender isso no atual contexto social?

Ivone Gebara - O parágrafo 54 inicia-se afirmando os direitos ‘da mulher’ e a importância de sua participação no espaço público. À primeira vista tal afirmação pode ser louvável, mas não é isenta de muitos problemas e dificuldades. Mais uma vez começa-se pelo abstrato ‘mulher’ como se a multiplicidade de rostos de mulheres se tornasse um problema. De fato, falar de mulheres, no plural, como pensa o feminismo é um obstáculo para o pensamento abstrato e monolítico da hierarquia que trabalha muitas vezes sobre conceitos distantes das vivências históricas reais.

Ao falar de ‘direitos’ a exortação parece isentar o cristianismo da responsabilidade de ter mantido através de sua teologia/ideologia as mulheres como inferiores aos homens até os dias de hoje. E mais, parece ocultar e silenciar o quanto as muitas reivindicações de grupos de mulheres em muitas partes do mundo revelam a cumplicidade da hierarquia católica na manutenção da falta de direitos das mulheres.

Nessa linha o parágrafo continua falando “das formas de feminismo que não podemos considerar adequadas”, mas não esclarece quanto às formas de feminismo que lhes parecem adequadas. Quais seriam elas? Onde se situam? O que pedem elas do governo da Igreja? A exortação mais uma vez ignora o esforço histórico mundial de diferentes grupos de mulheres na conquista de direitos e respeito à sua dignidade nas diferentes instâncias sociais, políticas e culturais. Ignora ou omite as lutas históricas como as do sufrágio universal que continuam ainda presentes na atualidade de muitos países.

 

O desafio do gênero

No parágrafo 56, aparece a crucial questão de gênero (gender) como um desafio a ser considerado. Segundo o texto, afirma-se que a ‘ideologia de gênero’ “nega a diferença e a reciprocidade natural de homem e mulher. Prevê uma sociedade sem diferença de sexo e esvazia a base antropológica da família”.

O que se entende por “reciprocidade natural”? O que de fato conhecemos é a não reciprocidade natural. Entretanto, conhecemos algo da reciprocidade histórica. Esta é uma aquisição árdua de alguns grupos que reconhecem os direitos de seus semelhantes e buscam afirmá-los nas relações sociais e familiares. Além disso, ao criticar a ‘ideologia de gênero’ o texto fala de previsão de uma sociedade sem diferença e sexo... O que seria a previsão de uma sociedade sem diferença de sexo? O que os redatores ou o redator entende por isso? Trata-se de uma questão de direitos, de ética?

Confesso a confusão e falta absoluta de clareza que este parágrafo provoca em qualquer leitor/a mais crítico. Justamente a chamada teoria do gênero e não ‘a ideologia de gênero’ com todos os limites admitidos pelas teóricas feministas é uma afirmação contra o absolutismo de uma cultura que nega a diferença e nos faz entrar e nos submeter ao mundo das normas ‘masculinas’ preestabelecidas como sendo ‘natureza’ e ordem divina. Faz-nos entrar em modelos de comportamento e em predefinições de conteúdos identitários nos culpabilizando se não correspondemos a eles. A noção de ‘natureza’ proposta pelo documento é de um simplismo atordoante. Parece crer numa espécie de ser humano natural já feito, nascido diretamente das mãos de Deus e à imagem de como eles (os escritores do texto) o concebem.

 

Identidades preservadas monoliticamente

Entretanto, a crença nessa espécie de materialismo ordinário provindo de um Deus antropomorfizado os leva a afirmar, no mesmo parágrafo 56, que a ideologia do gênero não permite “guardar nossa humanidade, aceitá-la e respeitá-la como foi criada”. Mais uma vez, o que significam essas afirmações?

Conceitos como teoria e ideologia, natural e antinatural, construções culturais, regras e códigos simbólicos, identidades plurais não são refletidas a partir de nossa contemporaneidade. As identidades monolíticas aparecem como sendo obra da criação divina da qual não podemos fugir. Isto parece fornecer uma base sólida de ‘verdade’ e responder às inseguranças, inclusive identitárias, do mundo de hoje. 

Na exortação existe uma antropologia fixista que determina o que é o homem e o que é a mulher sustentada pela hierarquia de gênero e pela heterossexualidade muitas vezes compulsória tornada ‘natureza’. Então somos convidados/as a ser compreensivos e tolerantes com os diferentes, ajudá-los em suas necessidades e até compreender seus limites. Mas, seguramente eles não gozam da condição de ser um modelo ideal de família. Eles e elas não poderão ser expressão histórica do ícone da sagrada família de Nazaré.

 

A existência na diversidade

Encontramos na exortação algumas críticas negativas à noção de gênero, mas não uma problematização séria a partir da qual somos convidados/as a refletir e, sobretudo, a amar-nos a partir de nossas diferenças. No fundo só conhecemos as diferenças, a diversidade... Só existimos como vida diversificada e interdependente... A unidade é na realidade uma construção na linha da interdependência e dos inevitáveis conflitos presentes em nossa vida em família ou em sociedade e, portanto, em relação a tudo o que existe.

Entretanto, há para os padres sinodais ou para o Papa, como aparece no texto, categorias fundacionais de sexo e gênero elevadas a verdades naturais estabelecidas por Deus. Mas o que acontece quando os diferentes grupos sociais vivem outras relações, outras crenças a partir de seus corpos? A hierarquia da Igreja deve os condenar e os convidar à normatização segundo os parâmetros que estabelece. Não seria essa uma pretensão fadada à inoperância? Não seria uma forma de desacreditar a instituição e os serviços que ainda pode prestar? Na exortação podemos perceber a presença da tolerância para com pessoas consideradas vítimas, mas ao mesmo tempo uma intransigência em relação a teorias e filosofias que abalariam os alicerces do idealismo filosófico católico tão fortemente presente no texto.


IHU On-Line - Até que ponto a Exortação pode ajudar as famílias no mundo de hoje?

Ivone Gebara - Tenho dúvidas, muitas dúvidas em relação aos textos que não se baseiam na autoridade da vida com sua precariedade e suas contradições. Basear-se na vida não é apenas tomar alguns exemplos tirados daqui e de lá para fundamentar nossas ideias preconcebidas, para justificar o que pensamos. Basear-se na vida é resgatar outros jeitos de inspiração que a Bíblia e a Tradição podem nos oferecer, jeitos menos normativos, mais realistas e poéticos ao mesmo tempo.

Por exemplo, a beleza e a plasticidade da narração presente em Gênesis 2, um dos mitos bíblicos da  criação do humano do húmus da terra misturado ao sopro divino e que poderia ser lido como poesia sobre o mistério humano, sempre mistura de barro, terra e sopro criativo. É claro que estou usando textos bíblicos, textos de nossa tradição, mas não lhes estou dando autoridade indiscutível sobre nós... Basear-se na vida é evocar sentidos, lembranças, analogias como se quiséssemos solicitar às pessoas que façam o mesmo a partir de suas vidas... Como se quiséssemos convidá-las a resgatar pedaços de suas vidas e aprender deles como fazia Paulo Freire  no método de alfabetização dos adultos. Resgatar palavras, experiências diversas e fundamentais que despertem em nós novas ternuras e novas possibilidades para sentir-nos bem em sermos simplesmente humanos.

Por isso é preciso que cada comunidade cristã escreva seus textos, suas diretivas, seus objetivos presentes... É preciso deslocar o magistério para o povo e permitir que escrevam suas cartas sobre e como suas vidas estão sendo vividas. O conhecimento universal ou universalizante apesar de sua importância nem sempre ajuda os pequenos grupos a crescerem por dentro e por fora. É certo que num mundo globalizado necessitamos de algumas análises globais, mas necessitamos, sobretudo, aprender desde o local, a fazer análises a partir de nossas próprias vivências, a criar a tradição de pensar nossa vida valorizando nossa história e nosso saber.


IHU On-Line - Gostaria de acrescentar algo mais?

Ivone Gebara - Gostaria de finalizar essa conversa dizendo que acredito na boa vontade do Papa Francisco, reconheço o valor de muitas de suas iniciativas e admiro seu esforço na introdução de comportamentos e atitudes que indiquem opções éticas e evangélicas para o nosso tempo. Mas também percebo nele, como em muitos de nós, a “nostalgia das origens perfeitas”. E essa nostalgia é ambígua e nos leva a querer um presente mais ou menos perfeito em vista de um futuro ou uma finalidade perfeita da vida. 

Parece complicado o que digo, mas é bem simples. Limitando-me à proposta de vida presente no cristianismo, acreditamos que viemos de Deus ser perfeito e vamos depois dessa vida “ser nesse Deus perfeito”. Há uma ideia de perfeição meio obscura que nos habita e nos faz buscar o homem perfeito, a mulher perfeita, a família perfeita, a comunidade perfeita, como se o ideal da vida fosse a realização de uma perfeição projetada que não sabemos o que é. Creio que, embora tenhamos utopias de muitas espécies, estamos vivendo um tempo em que a vida nas suas diferentes expressões e dimensões nos aparece como uma realidade misturada. E que essa mistura expressa a grandeza e a pequenez, a beleza e a feiura, a bondade e a crueldade, a crença e a descrença em doses diferenciadas e em percepções diversificadas presentes nos seres humanos e em tudo o que existe.

Por essa razão, longe de destruir a nossa humanidade e diversidade, muitas teorias da atualidade têm nos ajudado a acreditar que somos mais do que as definições, determinações e classificações que fazemos de nós mesmos. Não podemos esquecer que esta diversidade também pode ser encontrada na Bíblia, por exemplo, em muitos textos que falam de Deus. Este aparece com uma diversidade imensa de rostos... É oleiro, tem mãos de artista, tem útero, seios, tristeza, cólera, é pai, é galinha que recolhe os pintinhos, é defensor dos oprimidos, é guerreiro, é castigador, é vingador, lento na cólera, cheio de amor e misericórdia, brisa suave... Como diz o parágrafo 313 da exortação, “o amor assume matizes diferentes...”.

 

Artistas, poetas e inventores de si mesmos

Essa plasticidade de imagens e símbolos reflete bem a efervescência e mistura da vida, essa mobilidade intensa da diversidade e da diferença que nos constitui. Por isso, somos convidados a amar o próximo, o caído na estrada, o malcheiroso, o diferente, e não só aquele ou aquela que pensa igual ou gosta das mesmas coisas. Talvez devêssemos tentar ser mais artistas, inventores de nós mesmos, poetas capazes de brincar com as palavras, de dividir pães, peixes e frutos na renovada dança de cada dia. Sair da rigidez do mesmo, das estruturas prefixadas dos documentos, das palavras de ordem e das teses magistrais... Sair dos conselhos em vista da perfeição desconhecida ou imaginada... Perceber que há mais bondade do que imaginamos e muita, muita beleza que não pode ser contida nos odres velhos de nossas teologias. ■

 

Leia mais...

- A presença da mulher na Igreja: retórica sem mudanças significativas. Entrevista especial com Ivone Gebara, publicadas nas Notícias do Dia de 09-09-2014, no sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU.

 

- Dois anos de Pontificado de Francisco. Artigo de Ivone Gebara, publicada na revista IHU On-Line nº 465, de 18-05-2015.

 

- Em defesa da legalização e da descriminalização do aborto. Entrevista especial com Ivone Gebara, publicada na revista IHU On-Line nº 219, de 14-05-2007.

 

- "Sair da concepção clerical ou papal da Igreja. Um desafio". Entrevista especial com Ivone Gebara, publicada nas Notícias do Dia de 17-08-2013, no sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU.

 

- "A atitude de condenação do aborto não é da Igreja, Povo de Deus, mas da hierarquia da Igreja". Entrevista especial com Ivone Gebara, publicada nas Notícias do Dia de 17-08-2013, no sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU.

Últimas edições

  • Edição 510

    Pra onde ir - A crise do Rio Grande do Sul vai além da questão econômica

    Ver edição
  • Edição 509

    Henry David Thoreau - A desobediência civil como forma de vida

    Ver edição
  • Edição 508

    Populismo segundo Ernesto Laclau. Chave para uma democracia radical e plural

    Ver edição