Edição 483 | 18 Abril 2016

Linha do Tempo

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Redação

A IHU On-Line apresenta algumas notícias publicadas no sítio do Instituto Humanitas Unisinos - IHU, entre os dias 11-04-2016 e 18-04-2016, relacionadas a assuntos que tiveram repercussão ao longo da semana

58% da população acredita que impeachment não é solução para o país

Para 58% dos brasileiros, o impeachment da presidente Dilma Rousseff não irá resolver os problemas econômicos e políticos do país, e apenas 35% acreditam que a cassação do mandato da presidente pode solucionar estes problemas. Segundo pesquisa CUT/Vox Populi, embora 57% sejam favoráveis ao impeachment, 50% acham que a oposição está sendo oportunista. O vice-presidente Michel Temer é avaliado negativamente por 61% dos entrevistados, e 49% deles acreditam que o processo de impedimento é uma vingança do deputado Eduardo Cunha. 

A informação é publicada por Central Única dos Trabalhadores – CUT e reproduzida por Jornal GGN, em 15-04-2016.

Para a grande maioria dos brasileiros (58%), o Golpe de Estado em curso no Brasil não é a solução para os problemas econômicos e políticos do país. Apenas 35% acham a cassação do mandato da presidenta Dilma Rousseff resolve os problemas.

 

Papa Francisco no olho do furacão: sobre a família, com as mãos atadas pelos bispos

Como prossegue o caminho de Francisco? A recente exortação pós-sinodal traz o ar fresco da realidade na concepção católica da família, expressa uma linguagem e uma abordagem pastoral novas, convidando a olhar para as pessoas e para as situações na sua concretude, reitera a visão de Igreja de Francisco como uma comunidade que consola, acompanha e acolhe os homens e as mulheres do século XXI.

A reportagem é de Marco Politi, publicada no jornal Il Fatto Quotidiano, 12-04-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Mas a Amoris laetitia é um ato papal de governo e de direcionamento, que também deve ser medido pelo modo em que reflete os equilíbrios internos de um órgão complexo como a Igreja. Os sinais das freadas impostas são vistosos. Só o fato de que em nenhum lugar se cite o termo "comunhão aos divorciados recasados" é eloquente

 

Hidrelétricas na Amazônia: um mau negócio

A construção de grandes hidrelétricas na Amazônia tem sido apresentada como indispensável para garantir o crescimento do país. No entanto, exemplos recentes de instalação dessas usinas na maior floresta tropical do mundo estão mostrando que, na realidade, elas não passam de uma falsa solução – e estão longe de ser limpas ou sustentáveis.

A reportagem foi publicada por Greenpeace Brasil, em 13-04-2016.

Atropelamento de direitos humanos, impactos profundos na biodiversidade e nas comunidades tradicionais, violação de leis e acordos internacionais e denúncias de corrupção generalizada (como se viu a partir de depoimentos da Operação Lava Jato sobre a usina de Belo Monte, no Rio Xingu) são alguns exemplos que têm caracterizado a construção de hidrelétricas na região. Além de todos esses problemas, as usinas emitem quantidades consideráveis de gases de efeito estufa como resultado da degradação da vegetação alagada e do solo. 

 

Vale o vazado? Temer imporia ‘muitos sacrifícios’ e calaria sobre corrupção

No ensaio de discurso para a eventual iminência de se tornar presidente da República, Michel Temer pronunciou três vezes a palavra “sacrifícios''. “Muitos sacrifícios'', enfatizou, na gravação distribuída por celular. É o cenário que espera os brasileiros caso Dilma Rousseff venha a ser deposta por meio de impeachment.

O comentário é de Mário Magalhães, jornalista, publicado por Portal UOL, em 12-04-2016.

Sabe quantas vezes apareceu a palavra “corrupção'' no áudio? Nenhuma. Se vale o vazado, um possível governo Temer sacrificaria a vida dos cidadãos, como sempre, sofreriam mais os mais pobres. E deixaria para trás o tema da corrupção. Mais propriamente, o combate a ela. Num aspecto, o dos sacrifícios, inexistiria maior novidade em relação ao segundo mandato de Dilma (Dilma-Temer, a rigor). A presidente impõe sacrifícios a quem, por 12 anos (2003-2014), conseguiu amenizar a miséria e a pobreza atávicas.

 

Mamãe não é golpista ou Carta de um ativista à esquerda brasileira

"Criatividade para expandir o campo de influência, ampliar as possibilidades de ação, afetar o (a) outro (a) e deixar-se afetar. Criatividade tem tudo a ver com subjetividade. É exatamente no campo das subjetividades que estamos perdendo de lavada daquele 1%", escreve Joviano Mayer, militante das Brigadas Populares, advogado popular do Coletivo Margarida Alves e ator do Núcleo de Teatro do Espaço Comum Luiz Estrela.

Eis o artigo.

Querida Esquerda,

Vivemos tempos complexos, futuro incerto, sentimento de angústia e mal estar generalizado. Fantasmas do passado voltam a nos assombrar. Mas a conjuntura está em aberto. Acertar nas apostas políticas de hoje pode amanhã nos tirar dessa incômoda posição coadjuvante. Independente do resultado final da votação no congresso nacional, o que podemos extrair de aprendizado disso tudo?

 

Timoty Radcliffe: “Buscar a verdade é um ato de amor para chegar àqueles que são diferentes e distintos de nós”

A verdade é um ato de amor que deve chegar aos que são diferentes. Começou nesta manhã (13-04-2016), no edifício histórico da Universidade de Salamanca, o Congresso “Alma Mater, a Universidade ontem e hoje. 800 anos dos Dominicanos e as universidades”. O ato inaugural foi presidido pelo reitor da Universidade de Salamanca, senhor Daniel Hernández Rupérez, que recordou a vinculação da Universidade com a Ordem dos Pregadores e pelo prior provincial da Província Hispânica frei Jesús Díaz Sariego. Foi o próprio prior quem realizou a apresentação do primeiro conferencista, frei Timothy Radcliffe, diretor do Instituto de Las Casas de Blackfriars, Oxford, ex-mestre da ordem dos pregadores.

A reportagem é de Juan Antonio Mateos Pérez, publicada por Religión Digital, 09-04-2016. A tradução é do Cepat.

Frei Timothy intitulou sua exposição ‘A Universidade e sua função social em seus inícios e hoje’. Partindo de sua experiência pessoal, situou o lema da Ordem “Veritas” no eixo de sua exposição, alternando e interatuando, de forma conjunta, a verdade como experiência profética e como tarefa da razão e conhecimento a partir do estudo e docência.

Últimas edições

  • Edição 505

    Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

    Ver edição
  • Edição 504

    Pier Paolo Pasolini Um trágico moderno e sua nostalgia do sagrado

    Ver edição
  • Edição 503

    A ‘uberização’ e as encruzilhadas do mundo do trabalho

    Ver edição