Edição 478 | 30 Novembro 2015

Linha do Tempo

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Redação

A IHU On-Line apresenta seis notícias publicadas no sítio do Instituto Humanitas Unisinos - IHU, entre os dias 23-11-2015 e 27-11-2015, relacionadas a assuntos que tiveram repercussão ao longo da semana

Juiz acusa Samarco de esconder dinheiro para evitar bloqueio

O juiz da comarca de Mariana, Frederico Esteves Duarte Gonçalves, acusa a Samarco de esconder dinheiro para evitar o cumprimento de decisão judicial que prevê o bloqueio de R$ 300 milhões em recursos da empresa para pagamento de danos pelo rompimento da Barragem do Fundão, em Bento Rodrigues, no dia 5. Já a mineradora alega que o bloqueio é prejudicial à reparação dos danos.

A reportagem é de Leonardo Augusto, publicada por O Estado de Minas, em 26-11-2015.

Em decisão tomada nesta quinta-feira, 26-11-2015, sobre recurso impetrado para evitar o bloqueio, o juiz afirma que a Samarco “sumiu” com o dinheiro e vem “adotando estratégia jurídica indigna e deliberada de, como se fosse o botequim da esquina, não cumprir o mandamento judicial”.

 

Amazônia tem cada vez mais dificuldade em regular o clima, diz Le Monde

Às vésperas da COP21, a grande conferência do clima que ocorrerá em Paris a partir da próxima segunda-feira (30), o jornal francês Le Monde que chegou às bancas na tarde desta quarta (25) faz um balanço do desmatamento na Amazônia. Segundo o jornal, a floresta tem cada vez mais dificuldade em executar o seu papel de regulador do clima mundial.

A reportagem foi publicada por Amazônia, em 26-11-2015.

No título da reportagem de página inteira – ocupada na maior parte por um grande infográfico – o vespertino francês diz que o recuo da Amazônia representa um motor do aquecimento global. O jornal destaca o fato de que, nos últimos 40 anos, 763 mil km quadrados de floresta foram destruídos – o equivalente a 184 milhões de campos de futebol ou “duas vezes o território da Alemanha”.

 

#MeuAmigoSecreto, nova investida feminina contra o machismo velado

Mais uma campanha em prol da integridade feminina foi lançada nos últimos dias nas redes sociais, aproveitando o engajamento esperado na última quarta-feira, 25 de novembro – dia de luta mundial contra a violência contra as mulheres e de novos protestos no Brasil contra o projeto de lei que dificulta o acesso à pílula do dia seguinte em postos públicos. Com a hashtag #MeuAmigoSecreto, as mulheres querem agora denunciar o comportamento incoerente de pessoas de sua convivência – aquelas que não se julgam machistas ou preconceituosas, mas são.

A reportagem é de Camila Moraes, publicada por El País, em 25-11-2015.

A primeira grande iniciativa do gênero foi a campanha #MeuPrimeiroAssédio, que se tornou viral no fim de outubro, quando milhares de pessoas se mobilizaram nas redes para contar suas histórias de abuso na infância e na adolescência. 

 

ONU critica Brasil, Vale e BHP por resposta 'inaceitável' a desastre de Mariana

Imagem aérea mostra a lama jorrada pelo rio Doce invadindo o mar em Regência, na costa do Espírito Santo, três semanas após barragens romperem em Mariana - MG.

A reportagem foi publicada por BBC Brasil, em 25-11-2015.

A ONU (Organização das Nações Unidas) criticou duramente o governo brasileiro, a Vale e a mineradora anglo-australiana BHP pelo que considerou uma resposta "inaceitável" à tragédia de Mariana (MG). E em comunicado divulgado na última quarta-feira, 25-11-2015, e que traz falas do relator especial para assuntos de Direitos Humanos e Meio Ambiente, John Knox, e do relator para Direitos Humanos e Substâncias Tóxicas, Baskut Tuncak, a ONU criticou a demora de três semanas para a divulgação de informações sobre os riscos gerados pelos bilhões de litros de lama vazados no Rio Doce pelo rompimento da barragem, no último dia 5.

 

“A violência e o terrorismo se alimentam com o desespero da pobreza”, diz Papa Francisco no Quênia

“A experiência demonstra que a violência, os conflitos e o terrorismo que se alimenta do medo, da desconfiança e do desespero nascem da pobreza e da frustração”. As palavras foram ditas pelo Papa Francisco em seu primeiro discurso no Quênia, na presença do presidente Uhuru Kenyatta e das autoridades do país, reunidas no jardim da State House de Nairóbi, debaixo de uma grande tenda montada para a ocasião.

A reportagem é de Andrea Tornielli e publicada por Vatican Insider, em 25-11-2015. “A luta contra estes inimigos da paz e da prosperidade – acrescentou o Papa Bergoglio – deve ser travada por homens e mulheres que, sem medo, acreditam e dão testemunho dos grandes valores espirituais e políticos que inspiraram o nascimento da nação”. Francisco, que pronunciou seu discurso em inglês, recordou que o Quênia foi “abençoado” não apenas com uma “imensa beleza, em suas montanhas, em seus rios e lagos, em suas florestas, savanas e semi-desertos, mas também com a abundância de recursos naturais”.

 

O caso de Dom Negri e as oposições ao Papa Francisco. Artigo de Massimo Faggioli

Uma das tantas contribuições do "efeito Francisco" é a descompaginação dos alinhamentos ideológicos dentro da Igreja e das suas divisões. O arcebispo de Ferrara é um daqueles bispos para os quais o catolicismo deve ser compreendido, anunciado e aplicado em termos ideológicos.

A opinião é do historiador italiano Massimo Faggioli, professor de história do cristianismo e diretor do Institute for Catholicism and Citizenship, na University of St. Thomas, nos EUA. O artigo foi publicado por L'HuffingtonPost, 26-11-2015. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Veja um trecho do texto.

Em cada país, há bispos que representam uma clara oposição ao Papa Francisco. Na Itália, o caso de Dom Luigi Negri, arcebispo de Ferrara-Comacchio desde dezembro de 2012 (depois de sete anos de episcopado em San Marino), já era conhecido dos adeptos aos trabalhos e especialmente aos cidadãos e diocesanos de Ferrara (entre os quais se encontra este que escreve, embora residente nos EUA desde 2008).

Outras notícias sobre o tema em http://bit.ly/1l1OH9M e http://bit.ly/1TfUd2V

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição