Edição 463 | 20 Abril 2015

Todas as possibilidades de gênero. Novas identidades, contradições e desafios

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Redação

O complexo debate em torno das questões de gênero traz os contornos típicos das sociedades do século XXI, repleto de nuances, novas identidades e, também, contradições. A multiplicidade de gêneros e as biopolíticas de administração da vida humana, trazendo à luz a pluralidade de nossas sociedades é o tema em debate na edição desta semana da revista IHU On-Line.
Foto de Capa: RAZ Zarate/Flickr Creative Commons

Sob o título “Fazendo gênero. Nossos corpos, nossas regras” uma reportagem, a partir de vários depoimentos, descreve a complexidade do tema em debate, Por sua vez, pesquisadores e pesquisadoras do tema discutem a questão sob várias enfoques e dimensões.

Fernando Seffner, professor e pesquisador da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, reflete sobre as estratégias de percepção da sexualidade a partir de sua experiência pessoal. Dagmar Meyer, professora dos PPGs em Educação e em Saúde Coletiva da UFRGS, discorre sobre os processos de politização do feminino e da maternidade a partir das biopolíticas de Estado.

Já a professora Maria Rita César, do PPG em Educação da Universidade Federal do Paraná – UFPR, explora as implicações que conceitos como a biopolítica e o cuidado de si trazem para as discussões de gênero. A cultura queer é abordada na entrevista com o pesquisador e professor Jamil Cabral Sierra, da UFPR.

Para a doutora em Educação Jeane Félix da Silva, a melhor arma para combater a violência e garantir a saúde pública é a informação. Maria Cláudia Dal’Igna, professora do Curso de Pedagogia e do PPG em Educação da Unisinos, sustenta que governamentalidade e gênero são ferramentas teóricas para entendermos melhor os sujeitos.

A maternagem e a estética do controle são abordadas pela professora da Unijuí, Maria Simone Schwengber. Corporalidades a partir do gênero na Educação Física é o tema da entrevista com Priscila Gomes Dornelles, integrante do Grupo de Estudos de Educação e Relações de Gênero - GEERGE/UFRGS.

Os avanços e os desafios no tema violência é o assunto abordado pela coordenadora do Projeto de Implementação da Lei de Violência Baseada no Gênero em Cabo Verde, na África, Carla Corsino

O professor de Ética Cristã na Universidade Livre de Urbino e de Ética e Economia na Universidade de Turim Giannino Piana discute as implicações biopolíticas de gênero, abordando o tema do ponto de vista teológico. Jeannine Gramick, irmã religiosa americana, narra a sua participação na luta de grupos LGBT católicos, especialmente organizados no movimento New Ways Ministry, e que, recentemente, em Roma, participaram de uma audiência pública do Papa Francisco.

Complementa esta edição uma entrevista sobre Teresa de Ávila, cujo quinto centenário de nascimento é celebrado neste ano, com Lúcia Pedrosa de Pádua, professora de Teologia e Cultura Religiosa na PUC-Rio, um artigo de Pedro Lucas Dulci, sob o título “O que significa pensar o cristianismo hoje? 70 anos sem Bonhoeffer” e o depoimento “Em que creio eu?” do antropólogo e cientista social Carlos Rodrigues Brandão.

Nesta edição também podem ser lidas as reportagens “Hannah Arendt e a Modernidade. Política, economia e a disputa por uma fronteira” e “A emergência do comum: da perspectiva de deserto à visão de ecossistema vivo”.

A todas e a todos uma boa leitura e uma excelente semana!

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição