Edição 462 | 30 Março 2015

LUIZ MOTT

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Luiz Mott

Luiz Mott, professor titular de Antropologia da Universidade Federal da Bahia - UFB, ex-Dominicano, fundador do Grupo Gay da Bahia e do Grupo Ateísta Latino-Americano, autor de livros e artigos sobre homossexualidade, Inquisição, escravidão, relações raciais e sincretismo religioso.
Foto: Acervo pessoal

Eu (não) creio...

Tupã, Deus, Jeová, Oxalá, Alá — qual é teu deus? Todos são invenções humanas! 

A Bíblia, a Vaca Sagrada, a Santa Cruz, os Orixás — qual desses objetos ou seres você adora e venera? Nenhum deles têm poder algum!

Maomé, Cristo, Lutero, Buda, Moisés — qual é o teu messias ou profeta? Todos estão podres debaixo da terra!

Candomblé, Seicho-no-iê, Quimbanda, Espiritismo, Protestantismo, Judaísmo, Catolicismo, qual é a tua religião? Todas se baseiam em mentiras e mitologias falsas!

Dalai Lama, Stela de Oxossi, Papa Francisco, Bispo Edir Macedo, Padre Marcelo, Pastor Feliciano, qual desses mortais serve de ligação entre você e o reino de deus? Todos são mitômanos, vivem e lucram com a mentira! 

Você acredita que um feitiço bem feito com farofa de dendê e galinha preta numa encruzilhada, ou novena para Nossa Senhora Aparecida tem poder para resolver algum problema? Acreditar no poder de oferendas e velas é coisa de gente ignorante!

Você acha que fumar, tomar uma caipirinha, dançar ou ir ao cinema é pecado? Tem muito crente abestalhado que acredita que sim!

Você crê que Nossa Senhora foi engravidada pelo Espírito Santo, permanecendo virgem antes, durante e depois do parto? É mais fácil acreditar na lenda da bela adormecida do que neste dogma inventado pelos papas.

Hoje apenas os crentes mais ignorantes defendem ao pé da letra que deus criou o mundo em sete dias: as outras religiões, inclusive a católica, já aceitam a teoria científica e inquestionável da evolução. O papa Francisco disse que Adão e Eva não existiram!

Até pouco tempo os padres estimulavam a devoção (e as esmolas, é claro!) a São Cristóvão, São Jorge, Santa Filomena, Santa Bárbara, São Cosme e Damião, etc, etc; hoje a Igreja Católica “cassou” o poder dessas criaturas informando que não há provas documentais de que realmente existiram. Suas relíquias “verdadeiras”, confirmadas pelo Vaticano, foram tiradas de circulação por serem falsas.

Você sabia que somente 400 anos após a morte de Cristo é que existe o primeiro manuscrito do Evangelho? Como acreditar cegamente na “palavra de deus” que está na Bíblia se existem quatro séculos de vazio entre o que foi falado por Jesus e o que todo cristão deve aceitar como sendo “revelação divina”? 400 anos de vazio!

Você sabia que a Igreja Católica queimou vivos durante séculos milhares de mulheres e homens nas fogueiras da Santa Inquisição, pelo fato de serem judeus, hereges, homossexuais, feiticeiros, ou por não acreditarem num erro defendido pela Igreja de que a terra era o centro do universo? Quantas centenas de católicos foram assassinados pelos protestantes da Irlanda em pleno século XX? Quantos milhares de cidadãos, os Aiatolás Muçulmanos do Irã, Iraque e países muçulmanos da África RAMaram cruelmente nos últimos anos em nome de Alá? Quantos pseudo-sacerdotes vivem de fazer feitiços e armações para prejudicar a vida dos inimigos de seus clientes? Pagou é o que basta.

Você já viu algum bispo pobre? Que pastores são esses que pregam a pobreza e o desprendimento das coisas materiais e que vivem em palácios episcopais e com mordomias como se fossem príncipes? E as jóias de certas mães de santo que andam dando cobertura sobrenatural para os ricaços, já repararam? E as novas igrejas evangélicas universais e internacionais, verdadeiros caça-níqueis, que com a arrecadação do dízimo dos mais pobres construíram milionárias multinacionais? 

Amigo, amiga! Pense seriamente: você está sendo enganado, iludido, mistificado. Religião é coisa de gente com ideias envelhecidas de jovens alienados e desinformados. Todas religiões sempre foram  e continuam sendo ópio e o crack do povo. Religião é alienação, ilusão. Esperando o “reino dos céus”, dando a outra face a quem lhe esbofeteia, como mandou o guru dos cristãos, perdoando as que nos ofenderam, obedecendo como ovelhas aos poderes constituídos, dando o dízimo ou a esmola aos chefes do culto, fazendo o que as religiões mandam, você está sendo simplesmente mais um carneiro cego no grande rebanho dos ignorantes que acreditam em mitos, mentiras e falsas revelações inventadas por messias espertalhões e perpetuadas, por seus seguidores ainda mais danados, que encontraram na prestação dos serviços religiosos a inesgotável e fácil solução para viverem na “paz dos justos” — prazerosa ociosidade dos ministros do altar ou do peji. 

Mesmo quando as religiões fazem a opção preferencial pelos pobres, abraçando causas populares, assim o fazem por oportunismo, porque estão perdendo terreno nas altas esferas do poder, e os resultados dessa aliança é a volta à ignorância, ao misterioso, ao medo do inferno, à alienação. Durante séculos a Igreja foi conivente com a escravidão de milhões de negros africanos; durante séculos queimou os protestantes hereges e os “pérfidos” judeus, destruiu as culturas indígenas. Hoje a mesma Igreja se arvora em defesa dos negros com missas dos quilombos, com conselhos indigenistas missionários que pouco podem fazer depois de décadas de etnocídio praticados por salesianos, capuchinhos, missionários evangélicos, etc. etc.

Deus não existe! Deus e o diabo são criação de espertos para assustar criança, dominar os fracos e roubar os ignorantes. O céu e inferno não existem. O demônio e os eguns travestidos em fantasmas ou disfarçados em lençóis e ectoplasma são invenção de espertalhões para assustar crianças e atemorizar inteligências débeis e pessoas mal resolvidas com a vida. A moral sexual pregada pelas religiões cristãs é machista, homofóbica e patriarcal, e todos e todas que a ela não se submetem são taxados de imorais, desviados, merecedores do fogo do inferno.

 

Eu espero que...

Não tenha medo de declarar-se ateu e ateia. Seja um ateísta militante! Tire para sempre de sua linguagem e de sua vida o “graças a deus, se deus quiser, deus lhe pague”. Deus não faz falta a ninguém. Não existe pecado. Tudo é permitido, tudo é puro, tudo é lícito desde que haja respeito pela liberdade do outro. Seja irreverente e mostre o ridículo, as contradições, as falsidades e falcatruas de todas as crenças, rituais, religiões e ministros religiosos.

A religião não resolve o teu problema: a religião é o problema! Amigo ateu, amiga ateia: liberte-se das prisões da ignorância, da cretinice da fé, da imoralidade farisaica defendida pelos padres e freiras, da mistificação enganosa dos orixás e profetas do novo e antigo testamento, dos cristais, gnomos, pajés, rabinos, babalorixás, pastores, oscambau. Torne-se um ateísta militante! Divulgue o ateísmo no seu meio, assuma-se ateu e ateia sem receios, leia e consolide seus conhecimentos teóricos e científicos sobre ateísmo, agnosticismo, evolucionismo e materialismo. No Google encontrará grupos ateus, bibliografia e material informativo.

O filósofo Voltaire, há mais de duzentos anos, já dizia que o mundo só seria justo e mais humano quando o último rei fosse enforcado com as tripas do último padre. Nossos antepassados já fizeram a metade do serviço: os reis se tornaram peças de museu. Resta-nos acabar com as trevas de todas as metafísicas espiritualistas, varrer de nosso país e planeta a ignorância representada por todas as religiões, desde o candomblé ao catolicismo, passando pelas desvairadas seitas protestantes, mesa-branca, magia-negra, orientalismo inclusive. Abaixo a ignorância, a mitologia e alienação!

 

* Grupo Ateísta Latino-Americano – Gala. A primeira versão deste manifesto foi escrita em Salvador, 1° de novembro de 1982.

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição