Edição 452 | 01 Setembro 2014

Retrovisor

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Redação

Releia algumas das edições já publicadas da IHU On-Line.
Edição 350 da IHU On-Line

Vegetarianismo. Uma opção ética
Edição 350 - Ano X – 08-11-2010

A preocupação ambiental e a conscientização de que os animais também são seres que merecem respeito e têm direito à vida estão levando muitas pessoas a aderirem ao vegetarianismo. A IHU On-Line desta semana entrevistou alguns militantes que optaram pelo vegetarianismo ou pelo veganismo e pesquisadores e pesquisadoras que estudam o tema. Para Claudia Lulki, nutricionista vegana, o vegetarianismo tem cada vez mais a compreensão de seu papel político e econômico no debate do que é ético. E argumenta: “se mudamos o foco central da alimentação para o mundo vegetal com sua infinita diversidade e se utilizarmos as terras agricultáveis para aumentar a produção de alimentos vegetais, teremos saúde ampla”. Também contribuem para o debate Márcio Linck, Adriano Caceres, Julio Cesar Acosta Navarro, Maria Eunice Maciel e  Eliane Carmanim Lima.


Por uma ética do alimento. Sobriedade e compaixão

Edição 191 – Ano VI – 14-08-2006

Os conceitos de turbo-consumidor, como alguém que se informa e vigia a qualidade dos produtos que consome, tratados por Gilles Lipovetsky no livro Le bonheur paradoxal. Essais sur la société d’hyperconsomation (Gallimard, 2006), foi um dos ganchos da edição 191 da IHU On-Line, em agosto de 2006. Nesse sentido, beber e comer entra na era da reflexividade (Anthony Giddens) e da responsabilidade individual, como atesta o autor francês. Nada a ver com a felicidade suprema dos bacanais com os quais Dionísio abria seu paraíso selvagem. O sujeito responsável e reflexivo, autônomo, entregue ao controle de si, cada vez mais se preocupa com a sua alimentação. Assim, nós, hiperconsumidores, vamos nos dando conta de que o modo de nos alimentarmos é insustentável e, por isso, incapaz de ser universalizado.


A comida fala. A redescoberta da mesa em tempos de fast-food
Edição 163 - Ano V - 07-11-2005

A IHU On-Line edição 163 faz um debate sobre a alimentação e o conhecimento das culturas e das sociedades a partir dos hábitos alimentares. "A alimentação é marcadora de identidade: somos o que comemos", afirma Renata Menasche, uma das entrevistadas do tema de capa. Para Sonia Hirsh, "no comer tem significante cultural, psicológico, social, ambiental, religioso. É muita coisa ao mesmo tempo, uma batata frita é muito mais que uma batata frita", sustenta. Em um cenário, onde comer em pé se torna cada vez mais feliz, o "arroz com feijão" acaba cedendo lugar ao "hambúrguer", aproximando a realidade brasileira à imposição de um padrão globalizado de dieta baseado no fast-food, junk-food. Leia a análise com especialistas de diversas áreas do conhecimento.

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição