Edição 446 | 16 Junho 2014

O trabalho intelectual de Karl Rahner e a redescoberta de Deus

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Márcia Junges e Ricardo Machado | Tradução: Walter Schlupp

Professor emérito da Universidade de Innsbruck, na Áustria, Karl Neufeld fala sobre o trabalho teórico de Rahner

“Jesus Cristo redimiu o mundo, e isso tem efeito real sobre a realidade. Esta é a premissa para que a pessoa humana possa consciente e responsavelmente aceitar e acreditar na mensagem de Jesus”, explica o professor doutor Karl Neufeld em entrevista por e-mail à IHU On-Line, ao comentar o pensamento teológico de Karl Rahner. “Somente nessa aceitação explícita é que a obra de Jesus Cristo atinge plenamente seu objetivo. Isso naturalmente não é anulado pelo simples fato de algum indivíduo não o aceitar. Rahner diz: a modalidade da salvação é a oferta”, complementa.

O trabalho intelectual do jesuíta alemão Karl Rahner teve um papel importante durante o Concílio Vaticano II onde discutiram alguns conceitos trabalhados por ele. “Existem conceitos como ‘reconciliação com a igreja’, ligada ao profundo conceito de arrependimento. Porém mais importantes são as ideias fundamentais do concílio, a ‘vontade salvífica geral de Deus’, ‘revelação como autocomunicação de Deus’, ou mesmo reformas práticas como a concelebração, diaconato perene, ou seja: trata-se não tanto de conceitos, e sim de noções fundamentais e consequências práticas”, aponta Neufeld.

Karl Heinz Neufeld é jesuíta e foi professor de Teologia Fundamental na Universidade de Innsbruck e diretor dos arquivos Rahner. Os temas de sua pesquisa são: o pensamento teológico nas igrejas protestante e católica desde o início do século; o encontro do cristianismo com o hinduísmo e o budismo; a teologia das religiões. Participou recentemente, nos dias 25 e 26 de abril de 2014, do evento Rahner Lecture 2014 como conferencista principal. 

Confira a entrevista.

 

IHU On-Line - Em que aspectos as raízes da teologia de Rahner brotam da experiência inaciana? 

Karl Neufeld - Rahner era jesuíta. Além de praticar os respectivos exercícios inacianos, ele propôs exercícios para outros também. Nesse aspecto, para ele era importante a questão da vontade concreta de Deus enquanto opção (electio). Isso foi determinante para sua cognição e seu pensamento. 

 

IHU On-Line - Qual é a relação de Rahner com a teologia francesa, a chamada nouvelle theologie?

Karl Neufeld - Karl Rahner se familiarizou bastante cedo com as ideias provenientes da França. Para tratar dessas questões, jesuítas provenientes de Fourvière e Innsbruck reuniram-se em Schönbrunn, Suíça. O resultado encontra-se em "Orientierung" 14 (1950), 141-145, onde Karl Rahner tenta fazer uma intermediação entre as propostas francesas e as reservas que se poderia esperar de Roma.

 

IHU On-Line - A partir de Rahner, como podemos compreender a mudança do cristianismo anônimo para um cristianismo relacional?

Karl Neufeld - Jesus Cristo redimiu o mundo, e isso tem efeito real sobre a realidade. Esta é a premissa para que a pessoa humana possa consciente e responsavelmente aceitar e acreditar na mensagem de Jesus. Somente nessa aceitação explícita é que a obra de Jesus Cristo atinge plenamente seu objetivo. Isso naturalmente não é anulado pelo simples fato de algum indivíduo não o aceitar. Rahner diz: a modalidade da salvação é a oferta. 

 

IHU On-Line - É possível identificar conceitos de Rahner nos documentos do Concílio Vaticano II? Quais seriam esses documentos?

Karl Neufeld - Existem conceitos como "reconciliação com a igreja", ligada ao profundo conceito de arrependimento. Porém mais importantes são as ideias fundamentais do concílio, a "vontade salvífica geral de Deus", "revelação como autocomunicação de Deus", ou mesmo reformas práticas como a concelebração, diaconato perene, ou seja: trata-se não tanto de conceitos, e sim de noções fundamentais e consequências práticas.

 

IHU On-Line - Como se pode avaliar a recepção teológica pela comunidade eclesial das ideias de Rahner?

Karl Neufeld - Nesse sentido existe uma série de exemplos, como suas opiniões sobre a inspiração da escritura, sobre a teologia da morte, introdução a um curso preliminar da fé como fundamento para o estudo da teologia, etc.

 

IHU On-Line - Qual é a relação entre Rahner e Metz e qual é o impacto de eventos como o Holocausto em suas teologias?

Karl Neufeld - Metz é aluno do Rahner pré-conciliar, que também quer se diferenciar do seu mestre. Antes do concílio, Rahner estava ocupado principalmente com a edição dos Escritos sobre teologia e do Dicionário de teologia e igreja. Naquela época, Metz estava reeditando os primeiros livros de Rahner, Geist in Welt (1939) e Hörer des Wortes (1941). Isso desencadeou uma discussão sobre as implicações desses trabalhos de Rahner, discussão essa que não havia ocorrido anteriormente. O próprio Rahner entrou nessa discussão. Por isso suas contribuições pastorais nessa época passaram para o segundo plano, como, por exemplo, Handbuch der Pastoraltheologie ou o léxico Sacramentum Mundi. Antes disso, a publicação Sendung und Gnade já tinha dado significante impulso nesse sentido. 

 

IHU On-Line - Gostaria de acrescentar algum aspecto não questionado?

Karl Neufeld - O impulso pastoral teológico e a ênfase pastoral do seu pensamento e das suas contribuições merecem uma reflexão mais aprofundada. Isso porque a partir daí os estímulos espirituais se explicam de uma forma mais natural do que a partir da questão teológica e transcendental.

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição