Edição 446 | 16 Junho 2014

Uma teologia atenta à contemporaneidade

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Márcia Junges e Ricardo Machado | Tradução: André Langer

Juan Carlos Scannone relembra os quatro anos de convívio com Karl Rahner e destaca a importância do pensamento do teólogo alemão aos desafios contemporâneos à Igreja

“Uma das minhas melhores recordações dos quatro anos de convivência e estudo com Karl Rahner são os ‘Colloquiatheologorum’ que ele oferecia todas as sextas-feiras, depois da janta, das 19h30 às 21h. Nessa hora e meia respondia a duas, no máximo, três perguntas, porque explanava exaustivamente sobre o assunto perguntado”, relembra o professor doutor Juan Carlos Scannone em entrevista por e-mail à IHU On-Line. De acordo com Scannone, além das ideias de Rahner, o pensamento do alemão contribuiu para um debate sobre a necessidade de diálogo e abertura da Igreja para as questões contemporâneas. “Parece-me que, além das suas ideias, seu influxo na Igreja de hoje se dá através da abertura do seu pensamento ao diálogo com a modernidade e seu ir além desta, na linha do Concílio Vaticano II, no que se pode notar um espírito semelhante ao seu”, argumenta.

Com relação à influência de Rahner à teologia latino-americana, Scannone explica que “um dos modos pelos quais Rahner influiu na América Latina foi através de discípulos seus, como Ignacio Ellacuría, e outros, entre os quais me incluo, pois abriu as nossas mentes para uma compreensão “aggiornata” e conciliar da teologia, assim como nos predispôs a estar atentos à nossa realidade latino-americana, como ele estava em relação à sua realidade centro-europeia. Foi um modelo de convergência pessoal entre fé e espiritualidade vividas, preocupação pastoral e reflexão filosófico-teológica”, frisa.

Padre Juan Carlos Scannone, jesuíta de 81 anos, é doutor em Filosofia pela Universidade de Munique (Alemanha), é licenciado em Teologia pela Universidade de Innsbruck (Áustria). Instrutor no Seminário Jesuíta de San Miguel, na Argentina, foi professor em diversas universidades latino-americanas e europeias, incluindo a Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma, e ex-reitor da Faculdade de Filosofia e Teologia da Universidad del Salvador, em Buenos Aires. Foi um dos principais professores de Jorge Bergoglio, o atual Papa Francisco. Scannone é também o principal formulador argentino da teologia do povo, relacionado à filosofia e teologia da libertação. No sábado, 22 fevereiro de 2014, foi anunciado que ele seria um escritor-em-residência, membro da comunidade de escritores por pelo menos um ano de La Civiltà Cattolica - revista cultural italiana da Companhia de Jesus.

Confira a entrevista. 

 

IHU On-Line - Quais são suas maiores lembranças dos anos de vivência e aprendizado com Rahner?

Juan Carlos Scannone - Uma das minhas melhores recordações dos quatro anos de convivência e estudo com Karl Rahner são os “Colloquiatheologorum” que ele oferecia todas as sextas-feiras, depois da janta, das 19h30 às 21h. Nessa hora e meia respondia a duas, no máximo, três perguntas, porque explanava exaustivamente sobre o assunto perguntado. Mas deviam ser verdadeiras “questões disputadas”, e não meras perguntas de sala de aula; caso contrário, dizia: veremos isso em sala de aula. Desse modo, com o passar do tempo, os que participavam assiduamente desses colóquios podiam ir compreendendo todo o seu pensamento sobre todos os principais temas da teologia dogmática, fundamental e moral, assim como da hermenêutica bíblica. A eles se somavam as suas aulas e os seminários, e a leitura das suas obras.

 

IHU On-Line - Quais são as concepções mais instigantes desse teólogo?

Juan Carlos Scannone - Entre as suas concepções mais centrais está a de mistério, que é núcleo de sua compreensão teológica da Trindade, da Encarnação e da Graça (e Igreja), e sua compreensão filosófica de Deus.

 

IHU On-Line - Qual é o impacto dessas ideias na igreja de hoje?

Juan Carlos Scannone - Parece-me que, além das suas ideias, seu influxo na Igreja de hoje se dá através da abertura do seu pensamento ao diálogo com a modernidade e seu ir além desta, na linha do Concílio Vaticano II , no que se pode notar um espírito semelhante ao seu. Além disso, dado o seu “olfato” teológico, reconheceu duas contribuições originais da Igreja e teologia latino-americanas à Igreja universal, editando, respectivamente, livros sobre “teologia libertadora” e “religiosidade popular, religião do povo”.

 

IHU On-Line - Qual é a importância de Joseph Maréchal para Rahner? Além desse pensador, que outros filósofos influenciaram Rahner fundamentalmente?

Juan Carlos Scannone - Seu pensamento filosófico, fundamental para entender sua teologia especulativa, parte da confluência entre o tomismo transcendental de Joseph Maréchal e o assim chamado primeiro Heidegger  (o do Ser e Tempo).

 

IHU On-Line - Em que aspectos as raízes da teologia de Rahner brotam da experiência inaciana?

Juan Carlos Scannone - O próprio Rahner escreveu sobre “A lógica existencial de Santo Inácio” , referindo-se ao tema do discernimento inaciano, mostrando as raízes inacianas do seu pensamento teológico. Penso que se relaciona com sua experiência e compreensão do mistério de Deus que, como disse mais acima, se explicita nos mistérios fundamentais da nossa fé e sua inter-relação.

 

IHU On-Line - Como suas ideias influenciaram a teologia da América Latina dos anos 1960 em diante?

Juan Carlos Scannone - Um dos modos pelos quais Rahner influiu na América Latina foi através de discípulos seus, como Ignacio Ellacuría  e outros, entre os quais me incluo, pois abriu as nossas mentes para uma compreensão “aggiornata” e conciliar da teologia, assim como nos predispôs a estar atentos à nossa realidade latino-americana, como ele estava em relação à sua realidade centro-europeia. Foi um modelo de convergência pessoal entre fé e espiritualidade vividas, preocupação pastoral e reflexão filosófico-teológica. Dada a sua situação geocultural, não deu tanta importância à problemática dos pobres, como nós damos na América Latina e como está dando hoje o Papa Francisco .

 

Leia mais...

- A teologia de Francisco. Entrevista com Juan Carlos Scannone publicada nas Notícias do Dia, de 27-05-2013, do sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU; 

- ''Quando Jorge Mario era meu aluno no seminário'': o teólogo Scannone sobre Francisco. Entrevista com Juan Carlos Scannone publicada nas Notícias do Dia, de 26-05-2013, do sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU;

- "A Teologia da Cultura não se opõe à Teologia da Libertação". Entrevista com Juan Carlos Scannone publicada nas Notícias do Dia, de 06-09-2007, do sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU. 

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição