Edição 436 | 10 Março 2014

O que devemos uns aos outros? O contrato social revisitado

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Redação

O viver em sociedade, na contemporaneidade, é um tema que suscita grandes e apaixonadas discussões. A IHU On-Line desta semana contribui no debate, inspirada pelo evento Necontratualismo em Questão, promovido pelo Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Unisinos, a ser realizado nos dias 25 e 26 de março.

Denis Coitinho Silveira, professor da Unisinos, esclarece que o modelo neocontratualista pode contribuir significativamente com o debate a respeito da responsabilidade moral, com a defesa de uma posição compatibilista, distante da imposição arbitrária do Estado.

Delamar José Volpato Dutra, da Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, evidencia a diferença entre as perspectivas kantiana e hobbesiana, que fundaram as bases para o neocontratualismo moderno. 

Carlos Adriano Ferraz, da Universidade Federal de Pelotas, alerta que mais do que nunca os Estados se afastam da paz verdadeira proposta pelo contratualismo de Kant. Ricardo Monteagudo, da UNESP de Marília, chama atenção para as divergências de Rousseau com o pensamento contratualista contemporâneo. 

Abordando John Rawls, um dos expoentes do neocontratualismo, Evandro Barbosa, bolsista de pós-doutorado da UFPel, acredita que o autor não rompe com o contratualismo clássico, mas o complementa. Thadeu Weber, da PUCRS, destaca que a teoria da justiça proposta por Rawls visa à realização plena dos cidadãos em uma sociedade cooperativa.

Outro grande nome do contratualismo moderno, Thomas Scanlon explora em sua entrevista as relações de responsabilidade socialmente construídas. Alfredo Culleton, coordenador do PPG de Filosofia da Unisinos, trata da filosofia ockhamiana e as bases para o contratualismo moderno.

Para Nicholas Southwood, da Escola de Filosofia de Canberra (Austrália), o contratualismo deliberativo satisfaz a exigência de rigor moral. Marcelo de Araujo, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ, evidencia as diferenças da perspectiva política e moral da tradição contratualista. Denilson Luis Werle, da UFSC, destaca a normatividade como ideia básica que dá sentido ao projeto neocontratualista.

Complementam ainda esta edição as entrevistas com Roberto Passos Nogueira, sobre Ivan Illich e suas críticas sociais à saúde; com Rodrigo Nunes, professor da Pontifícia Universidade Católica - PUC-Rio, sobre o maior movimento de massa desde as Diretas Já que ocorreu sem que os movimentos tradicionais tivessem um papel central e com Paulo Suess, teólogo, que reflete sobre religiosidade e mística nordestina a partir da realização do 13º Encontro Intereclesial das Comunidades Eclesiais de Base – CEBs.

Periodicamente as Notícias do Dia, publicadas diariamente pela página do IHU, publicam a Conjuntura da Semana. O artigo é um trabalho feito em parceria com o Centro de Pesquisa e Apoio aos Trabalhadores – CEPAT, com sede em Curitiba, e com o prof. Cesar Sanson, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. A presente edição publica uma síntese da última Conjuntura, publicada na semana passada sob o título Sociedade brasileira mergulha numa crescente anomia?.

A todas e a todos uma boa leitura e uma excelente semana!

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição