Edição 434 | 09 Dezembro 2013

A potência das ruas em debate

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Redação

Nos meses de junho a outubro, o Brasil foi sacudido pela movimentação das ruas. As grandes manifestações do mês de junho não cessaram nos meses seguintes.

Os protestos foram tema de debate nas publicações do Instituto Humanitas Unisinos – IHU. A atualização diária da página eletrônica, com a publicação de análises e entrevistas nas Notícias do Dia, buscaram compreender este dado novo da realidade nacional.

A edição da IHU On-Line desta semana retoma o debate. Pesquisadores e professores discutem as mobilizações e a violência que têm acompanhado as mesmas.

Ricardo Antunes, professor na Universidade Estadual de Campinas - Unicamp, afirma que as manifestações não querem consertar a democracia formal de nossos dias. O que elas pretendem é substituir este modelo por outro, focado em ações de democracia direta, com a participação efetiva da população.

Jorge Barcellos, coordenador do Memorial da Câmara Municipal de Porto Alegre e responsável pelo projeto Educação para Cidadania, aborda a violência como o limite necessário às manifestações, marco que, excedido, poderia levar à construção de uma sociedade fascista.

A presença dos jovens nas ruas, a conduta política atual dos partidos de esquerda brasileiros e as repressões ao movimento black bloc são analisados por Giuseppe Cocco, professor na Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ.

Bruno Lima Rocha, professor na ESPM-Sul e na Unisinos, editor do blog Estratégia e Análise, analisa o espaço conquistado para a participação política nos modelos de democracia direta e a ausência do mesmo nos modelos de democracia representativa.

Bruno Cava, editor do blog Quadrado dos Loucos, questiona os interesses atendidos pelos atos de repressão policial na tentativa de controle das manifestações, sua relação com os megaeventos em organização no Brasil e os discursos de legitimação produzidos.

O movimento em curso de crítica e de proposição de mudanças na organização política é avaliado por Hugo Albuquerque, editor do blog Descurvo, que considera que é preciso aproveitar este momento justamente para realizar as mudanças.

Mais duas entrevistas complementam esta edição.

José Geraldo de Sousa Junior, professor na Universidade de Brasília – UnB, reflete sobre a Constituição Federal enquanto processo contínuo de cidadania e de construção de direitos.

José Maria Gusman Ferraz, professor na Universidade Federal de São Carlos – Ufscar  e na Unicamp, discute as relações éticas e a atuação científica independente nas pesquisas em transgenia.

Os artigos de Paulo Suess, teólogo, perscrutando o importante documento do Papa Francisco, denominado Evangelii Gaudium (A Alegria do Evangelho) e de Cesar Sanson, sociólogo, sintetizando a análise de conjuntura da semana, publicada pelo sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU, consubstanciam uma edição rica de conteúdo.

A todas e a todos uma boa leitura e uma excelente semana!

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição