Edição 431 | 04 Novembro 2013

Pós-colonialismo e pensamento descolonial. A construção de um mundo plural

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Redação

A edição 431 da IHU On-Line debate os impactos das teorias pós-colonialistas e dos estudos descoloniais na epistemologia e na reconstrução da história, no sentido de oferecer uma visada crítica do pensamento mundial. Como explica Luciana Maria de Aragão Ballestrin, coordenadora do curso de Relações Internacionais da Universidade Federal de Pelotas – UFPEL e uma das entrevistadas na IHU On-Line desta semana, "a ideia de decolonialidade procura transcender a colonialidade, a face obscura da modernidade, que permanece operando ainda nos dias de hoje em um padrão mundial de poder".

A edição 431 da IHU On-Line debate os impactos das teorias pós-colonialistas e dos estudos descoloniais na epistemologia e na reconstrução da história, no sentido de oferecer uma visada crítica do pensamento mundial. Como explica Luciana Maria de Aragão Ballestrin, coordenadora do curso de Relações Internacionais da Universidade Federal de Pelotas – UFPEL e uma das entrevistadas na IHU On-Line desta semana, "a ideia de decolonialidade procura transcender a colonialidade, a face obscura da modernidade, que permanece operando ainda nos dias de hoje em um padrão mundial de poder".

A quase totalidade dos autores entrevistados no Tema de Capa desta edição da IHU On-Line participa, nesta semana, do I Seminário Internacional Pós-Colonialismo, Pensamento Descolonial e Direitos Humanos na América Latina, realizado na Unisinos. A exceção é o semiologista Walter Mignolo, professor na Duke University, Estados Unidos, que analisa a recriação do continente americano a partir de novos significados e imaginários, voltados à cooperação e livres dos controles exercidos pelo projeto eurocêntrico hegemônico.

O filósofo Eduardo Mendieta, professor e diretor do Departamento de Filosofia na Stony Brook University, Estados Unidos, por sua vez, contribui para o debate proposto pela IHU On-Line analisando a criação cultural da América Latina durante o processo colonial, os movimentos de libertação do continente e as possibilidades de construção da história pelos próprios latino-americanos. Para ele, “se a América Latina é um espaço de anamnesis, da memoria pasionis da história como plataforma do verdugo, também é um espaço de memória do fogo da resistência criadora que sofre, mas forja, inaugura e projeta”.

César Augusto Baldi, servidor do Tribunal Regional Federal da 4ª Região e doutorando na Universidad Pablo Olavide, Espanha, investiga a reinvenção da imaginação jurídica, destacando que é preciso avançar primeiro na justiça cognitiva para poder-se chegar então à justiça social.

Peter Fitzpatrick, professor no Birkbeck College - University of London e na University of Kent, Reino Unido, analisa o mito de origem da modernidade ocidental e sua constituição sobre uma referência negativa universal.

Fernanda Frizzo Bragato, professora do Programa de Pòs-graduação em Direito da Unisinos e coordenadora do Núcleo de Direitos Humanos da universidade, analisa a lógica existente na produção de conhecimento sobre os direitos humanos e na exclusão das culturas não ocidentais.

Professor no Birkbeck College, Oscar Guardiola-Rivera aborda o projeto pós-colonial como um resgate do que ainda é útil no pensamento ocidental para a construção de novas lógicas e perspectivas.

José-Manuel Barreto, professor no Goldsmiths College, Reino Unido, investiga as tensões entre a crítica descolonial e a racionalidade eurocêntrica.

Jayme Benvenuto Lima Júnior, professor e pró-reitor de Pesquisa e Pós-graduação da Universidade Federal da Integração Latino-Americana – Unila, analisa as possibilidades da transculturalidade.

Mais duas entrevistas completam esta edição. Adam Kotsko, teólogo, autor do livro Zizek and Theology (Philosophy & Theology) - London: Bloomsbury T&T Clark, 2008 -, expõe as teses centrais da obra. Por outro lado, A virada neurológica das humanidades é o tema da entrevista com Francisco Ortega, filósofo, professor do Instituto de Medicina Social da Universidade Estadual do Rio de Janeiro - Uerj.

A todas e a todos uma boa leitura e uma excelente semana!

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição