Edição 424 | 24 Junho 2013

As implicações da evolução científica para a semântica da fé cristã

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Da Redação

Acaba de ser publicada a edição número 78 dos Cadernos Teologia Pública, com o artigo “As implicações da evolução científica para a semântica da fé cristã”, de autoria de George V. Coyne, astrônomo e jesuíta, ex-diretor do Observatório do Vaticano e atual presidente da Fundação Observatório Vaticano. Defensor do darwinismo, trabalha com o diálogo entre fé e ciência e as implicações religiosas da evolução científica na Universidade do Arizona, EUA.

O pano de fundo geral do tema que Coyne aborda é constituído pelas seguintes perguntas: até que ponto o que sabemos da ciência a respeito da evolução da vida no universo pode influenciar nossa atitude religiosa? E, por outro lado, até que ponto o pensamento religioso pode dar uma contribuição para nossa compreensão científica das origens e da evolução da vida no universo? “Essa dupla pergunta implica o sério risco de transgredir a independência epistemológica das várias disciplinas: teologia, filosofia, astrofísica, biologia e cosmologia, e de criar, com isso, mais confusão do que compreensão. À medida que a exposição avançar, precisamos manter uma postura consistente no sentido de preservar a integridade de cada uma das disciplinas, especialmente entre as ciências naturais e a teologia. A história já mostrou que efeito desastroso teve a não preservação da integridade das respectivas disciplinas”, escreve.

Para Coyne, “o ateísmo é um exercício na fé. Não conheço nenhuma prova racional de que Deus não existe. Ao mesmo tempo em que pode ser uma afronta à lógica exigir uma prova de que algo ou alguém não existe, a longa e profunda história das religiões ao longo do tempo que a humanidade passou nesta terra deveria ser abordada de maneira mais razoável do que ocorre entre a maioria dos ateus modernos. Até que ponto isso é uma herança da Era do Iluminismo e do nascimento da ciência moderna é uma questão que poderia estimular nossas discussões”.

O artigo de George Coyne é uma das conferências realizadas no XIII Simpósio Internacional IHU: Igreja, cultura e sociedade. A semântica do Mistério da Igreja no contexto das novas gramáticas da civilização tecnocientífica, promovido pelo IHU, de 2 a 5 de outubro de 2012.

Esta e outras edições dos Cadernos Teologia Pública podem ser adquiridas diretamente no Instituto Humanitas Unisinos - IHU ou solicitados pelo endereço Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (51) 3590 8247.

A partir do próximo dia 13 de julho esta edição estará disponível na íntegra, no sítio do IHU (www.ihu.unisinos.br), para download em versão PDF.

Confira as entrevistas concedidas por George Coyne à IHU On-Line:

* Teilhard e a teoria da evolução. Edição 143, de 30-05-2005, disponível em http://migre.me/11DRM;
* Fé e ciência: um diálogo em construção. Edição 304, de 17-08-2009, disponível em http://bit.ly/oH8w3t
* O ocaso de um Deus newtoniano. Edição 403, de 24-09-2012, disponível em http://bit.ly/Rhj60s

Confira outros materiais publicados sobre George Coyne no site do IHU:

* A substituição do astrônomo do Vaticano. “Darwinista demais?”. Publicada nas Notícias do Dia, em 26-08-2006, disponível em http://bit.ly/OaNHOW 
* Jesuíta afirma que caso existam, os extra-terrestres também seriam filhos de Deus. Publicada nas Notícias do Dia, em 26-08-2006, disponível em http://bit.ly/QlnA6t 
* Universo fértil. Entrevista com George Coyne. Publicada nas Notícias do Dia, em 05-07-2009, disponível em http://bit.ly/SZeBuX

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição