Edição 420 | 27 Mai 2013

Sala de Leitura

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Redação

Confira as dicas de leitura de alguns colegas.

DOYLE, Arthur Conan. Um estudo em vermelho. São Paulo: Melhoramentos, 1999.

Por conta da série Sherlock, produzida pela BBC, fiquei instigado a reler a obra do Sir Arthur Conan Doyle, o criador desse extraordinário personagem. O programa atualiza, para o século XXI, situações vividas nas diversas narrativas do detive e mantém viva a complexidade das tramas originais adicionadas com todas as possibilidades tecnológicas de comunicação do nosso tempo. Dr Watson, que escrevia as aventuras em diários, agora tem um blog, enquanto Sherlock mantém um website chamado A Ciência da Dedução. Eles estão disponíveis para a interação com o público no portal da BBC, o que gera uma experiência transnarrativa singular. Comprei tudo o que estava disponível em pocket books, que é um formato ótimo para leituras nos percursos de Trensurb. Especialmente Um Estudo em Vermelho, que é o livro que introduz o personagem na literatura: é uma obra prima. Sherlock, tanto nos livros como na série, nos ajuda a entender os modos de raciocínio (dedução, indução e abdução) propostos pelo filósofo Charles Sander Peirce.

Ronaldo Henn, professor da graduação e do PPG em Comunicação da Unisinos

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição