Edição 418 | 13 Mai 2013

Sala de Leitura

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Redação

Veja as dicas de leitura de alguns parceiros do Instituto Humanitas Unisinos - IHU:

DAMÁSIO, Antonio. O erro de Descartes. Emoção, razão e o cérebro humano. São Paulo: Cia da Letras, 2004.

“Há muitos anos que me interesso sobre a relação entre mente e cérebro. Considero esse tema um dos mais instigantes da atualidade, pois tem uma relação direta com cada um de nós. As descobertas científicas nessa área ajudam a entender como se forma nossa identidade, como pensamos, como nos relacionamos com o que está ao nosso redor. Recentemente, terminei de ler uma obra preciosa sobre esse tema: O erro de Descartes, escrito por um dos mais importantes neurocientistas da atualidade, o português António Damásio. Nem todos os cientistas conseguem abordar a complexidade de suas pesquisas de uma forma que possam ser compreendidos pelo público em geral. Damásio consegue fazê-lo com grande competência, mas não se pode esperar que o leitor consiga se dedicar a acompanhar o raciocínio do autor sem muito empenho. Afinal, a relação entre emoção e razão é um tema que exige muita reflexão, ainda mais quando se busca, como o autor, estabelecer um diálogo entre filosofia e ciência. Damásio explana a respeito do trabalho investigativo que ele e seus colegas têm realizado para compreender como se processa o pensamento humano. A tese principal defendida pelo autor é de que se deve abandonar os dualismos entre mente e cérebro, entre razão e sentimento. Aqueles que, como propunha Descartes, acreditam em uma razão pura serão impactados com as descobertas que evidenciam a forte inter-relação entre sentimento e razão. O cérebro humano é mostrado por Damásio como uma complexa rede, plena de interconexões. Frente a essas evidências, engana-se Descartes e todo aquele que pensar ser possível separar a razão da emoção”.

Artur Jacobus, diretor da Unidade de Serviços Acadêmicos e professor da Unisinos

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição