Edição 200 | 16 Outubro 2006

Editorial

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

IHU Online

O Pós-humano. Os limites e as possibilidades do pós-humanismo

“O pós-humanismo é o contrário da auto-referência, é a celebração da hibridação, é a consciência de que o homem não apenas não é a medida do mundo, mas não é nem mesmo a medida de si mesmo”, afirma Roberto Marchesini, estudioso de ciências biológicas e de epistemologia, em entrevista publicada nesta edição número 200 da revista IHU On-Line.

“Pós-humano é um conceito recente que pode ser entendido de vários modos. Entre as teorias do pós-humano, algumas propõem uma visão eufórica e hiperotimista de um futuro caracterizado pela libertação do orgânico e dos seus limites (transumanismo, cibercultura etc.)”, constata Elena Pulcini professora de Filosofia social na Universidade de Firenze. Segundo ela, “na aspiração por um total abandono do biológico, que permitira finalmente ao homem tornar-se plenamente senhor do próprio futuro e do próprio destino, a hybris prometeica se exprime em toda a sua vocação ao ilimitado”. O ser humano, afirma a professora, “disposto paradoxalmente a cancelar as próprias origens humanas, vai se projetando na dimensão “imaterial” do pós-humano”.

Já para o filósofo italiano Roberto Mancini, “o pós-humano desponta como o espaço de construção de identidades funcionais, múltiplas, tecnológicas, mas substancialmente sem alma e sem autêntica humanidade”.

Enfim, aí está a 200ª. edição da IHU On-Line, trazendo para o debate um tema candente que por maiores dificuldades, ingentes problemas e questões complexas que levanta, “não nos isenta, como atesta o filósofo alemão Marc Jongen, de manejar o novo poder que temos nas mãos”. Dificuldades, problemas e questões que “apenas mostram “ quão profundo e abrangente é o passo de aprendizado e de desenvolvimento da humanidade que está à nossa frente”.

A descoberta dos dois astrofísicos ganhadores do Prêmio Nobel de Física “permite, segundo o físico brasileiro Mario Novello, o desenvolvimento de nossa compreensão sobre os mecanismos de formação de estruturas no Universo, tais como galáxias e aglomerados de galáxias”.

Na editoria Teologia Pública, publicamos uma entrevista com o teólogo indiano Michael Amaladoss. Para ele, “uma determinada religião – como o cristianismo – pode reivindicar uma revelação especial, dada através do Verbo encarnado. Mas nunca se pode dizer que é exclusiva, já que Deus falou também aos povos de outras maneiras”

No 5º aniversário da criação do IHU e da edição número 200 da sua revista,  permitimo-nos evocar o testemunho da jornalista uruguaia Sonia Montaño: “O Instituto Humanitas Unisinos – IHU –  é um espaço onde se diluem os preconceitos, sejam raciais, sexuais, religiosos, culturais ou políticos. Um espaço onde vemos em diálogo áreas de conhecimento que em outros espaços tendem a isolar-se ou excluir-se mutuamente”. Sonia Montaño integrou proativamente a construção coletiva da revista IHU On-Line nestes cinco anos. Ao nos deixar, por motivos de saúde, a nossa gratidão. “Fui muito feliz trabalhando na revista, embora esteja saindo e seja uma etapa encerrada, para me abrir a outras as leitores.

A todas e todos uma boa semana e uma ótima leitura!

 

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição