Edição 410 | 03 Dezembro 2012

Por um “Mundo Mais Limpo”

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Thamiris Magalhães e Graziela Wolfart

Aquele óleo que sobra na panela e é despejado no ralo da cozinha contamina o equivalente a um milhão de litros d’água. Um litro dele pode fazer o maior estrago. Você sabia disso? Mas se em vez de se desfazer dele houvesse um armazenamento para que fosse reaproveitado, este simples ato pode, além de ajudar o meio ambiente, dar renda para muitas pessoas, como as da associação Mundo Mais Limpo, de São Leopoldo. O projeto, que iniciou em 2007, reaproveita aquilo que não teria mais uso. Com o óleo vegetal recolhido pela prefeitura as donas de casa fabricam sabão, detergente, desinfetante e amaciante, que são vendidos para mercados, de porta em porta ou para outros estabelecimentos comerciais.

Com o objetivo de explicar um pouco mais sobre o trabalho da associação Mundo Mais Limpo, percebendo como fazem o movimento do lixo para o limpo, a funcionária Deise Fernanda de Oliveira conversou por telefone com a IHU On-Line e explicou como funcionam suas atividades na associação.


Como tudo começou

Os associados do Mundo Mais Limpo, projeto desenvolvido na Vila São Jorge, em São Leopoldo/RS, utilizam material reciclado para fazerem produtos de higienização com o azeite. E a Unisinos, encubou-os, oferecendo-lhes assistência técnica e ajudando a associação a aprimorar a receita do sabão. “O Mundo Mais Limpo existe há oito anos. Hoje somos 12 mulheres trabalhando nesta associação”, explica Deise.


Por que trabalhar com o azeite

Refletindo sobre a poluição que se deu no Rio dos Sinos há cinco anos, causando a mortandade de muitos peixes, as mulheres que trabalhavam na associação resolveram utilizar óleo de cozinha para produzirem material de higienização, afinal, o óleo é um dos maiores poluentes de rios e lagos. “Então, fizemos as receitas por nós mesmas. A partir dessas receitas, conseguimos fazer o sabão. Além disso, fizemos cursos, em parceria com a Unisinos, para aprimorar nossos conhecimentos”, conta Deise. E continua: “Percebemos que uma das principais poluições é a do azeite derramado em pias ou jogado no lixo, que derrama no chão e, quando vemos, derrama na grama, nas lixeiras e assim por diante, o que vai poluindo todo o meio ambiente”.

O trabalho das mulheres da associação Mundo Mais Limpo tem muito a ver com a higiene e a limpeza. “Porque azeite polui. Uma colher já polui muito. E o azeite nós ganhamos das pessoas que vão recolher nas casas e restaurantes, ou que enviam para nós. Então, coamos esse material e deixamos em uma bomba. Posteriormente o utilizamos para fazer sabão”, frisa a funcionária.


Desafios

Segundo Deise, a venda dos produtos e a queda na doação de óleo usado são os principais desafios que elas enfrentam no trabalho. “Antigamente recebíamos bastante óleo. Agora não sei o que estão fazendo para estarmos tendo tão pouca doação”.

E ela relata os percalços da venda de casa em casa: “Tem empresas que compram. Para elas vendemos bem. Mas onde mais vendemos são nas casas por onde passamos. Por isso que queremos ser uma cooperativa, para podermos ter nota fiscal”, assinala a associada. Como elas ainda são uma associação, o que mais prejudica seus trabalhos é o fato de não possuírem nota, “porque há pessoas que querem 500 sabões, por exemplo, e nós não temos como mandar, porque devemos enviar junto nota fiscal. Temos a expectativa de ano que vem conseguirmos”.


Movimento do lixo para o limpo

A experiência de utilizar material que as pessoas descartam para fazer produtos de higienização é muito boa, diz Deise, pois elas aprendem muito. “Eu, por exemplo, era uma que jogava o azeite na pia, não sabia onde jogar e pensava que na água ele se dissolvia e ia embora. Agora penso de forma diferente. Creio que com o sabão e, por conseguinte, com o azeite podemos fazer inúmeras coisas”, expõe. E continua: “Então, para mim, foi uma experiência ótima, porque antigamente eu não dava muita bola para isso. Eu não sabia o que fazer com o azeite, separava apenas garrafa, vidro, papel e orgânicos. Hoje, adquiri a consciência ambiental”.

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição