Edição 403 | 24 Setembro 2012

Valério Brittos, lealdade e partilha do conhecimento

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Ruy Sardinha Lopes

Em novembro de 2005, ainda cursando o doutorado, tive o primeiro contato com Valério Brittos por ocasião do V Congresso da União Latina da Economia Política da Informação, Comunicação e Cultura – Ulepicc, em Salvador.

Vindo de uma formação em Filosofia, os rumos de minha pesquisa me aproximaram dos trabalhos de Cesar Bolaño e Alain Herscovici e fora àquele congresso em busca de um maior conhecimento de uma área que até então aparecia a mim como uma grande incógnita. A aproximação com tais pesquisadores, entre eles, um gaúcho que, do alto de seus vários quilos, chamava atenção pela análise precisa da vinculação entre a reestruturação das bases produtivas e o papel das comunicações, fez-me ter certeza que ali ressoava uma série de preocupações que norteavam meu percurso acadêmico e convicções pessoais.
No ano seguinte, agora no Rio de Janeiro, fui apresentado formalmente ao Valério. O início de uma aproximação que se consolidaria dois anos mais tarde, no Encontro Nacional da Ulepicc-Br, em Bauru, onde fui convidado para integrar a chapa que concorreria à direção executiva da entidade que Valério ajudara a fundar e que deixava a presidência passando a batuta para Anita Simis. A partir de então tivemos a oportunidade de estreitar a amizade fraterna que então ensaiava seus primeiros passos e compartilhar o interesse recíproco pela consolidação deste importante espaço acadêmico, a Economia Política da Comunicação – EPC.
Embora somente quatro anos tenham separado o encontro de Bauru de sua prematura partida, a determinação e a seriedade com que encarava seus compromissos e a certeza de que sua atuação seria de fundamental importância na luta por um campo comunicacional inclusivo e democrático fizeram a diferença. Os projetos, as ações, as deliberações e os sonhos proliferaram. A indignação diante dos revezes que sofríamos era imediatamente convertida em luta, em ação propositiva. Fé e esperança caracterizavam esse grande homem.

A partir de então vários foram os momentos em que pudemos estar juntos, trocarmos experiências e planejarmos ações em prol da EPC, mas sobretudo aprender com Valério o valor de uma conduta reta e determinada; o prazer da convivência com uma pessoa que deposita toda a sua fé na vida.

Em 2009, conseguimos retomar um espaço que julgávamos fundamental e que há algum tempo havíamos perdido: o Grupo de Pesquisa de EPC da Intercom. O trabalho desenvolvido por Valério e por mim nesta entidade teve o grande propósito de desconstruir um antigo preconceito: de que a EPC era hermética, sectária e avessa aos diálogos e outras contribuições oriundas de diversas orientações teóricas. Ao longo de sua gestão à frente do grupo de pesquisa de EPC, diversos trabalhos – mais ou menos próximos a nossa orientação epistemológica – tiveram assento, e diversas aproximações foram buscadas. Assim, nos deu grande satisfação a realização de uma mesa de debates sobre a Economia Política do Rádio, organizada juntamente com o grupo de pesquisa Rádio e Mídias Sonoras e a proposição, em 2011, e de outra mesa, realizada em 2012, juntamente com o grupo também de pesquisa Comunicação para a Cidadania, com o tema “direito à comunicação e diversidade”.

Outro exemplo do quanto aí se privilegiou o diálogo foi o último trabalho que desenvolvemos, a organização de um livro – Políticas de comunicação e sociedade – em conjunto com os grupos de pesquisa Rádio e Mídia Sonora, Comunicação para a Cidadania, Políticas de Comunicação e Cibercultura. Experiência de trabalho conjunto cujo resultado muito nos agradou.
O Fórum Eptic, idealizado por Valério e Cesar Bolaño, evento que abria anualmente o pré-congresso da Intercom – e que a partir desse ano passa a se chamar Fórum Eptic prof. Dr. Valério Brittos – também passou a se constituir como um momento de diálogo da EPC com áreas afins e a oportunidade de se discutir temas emergentes.

Fazia parte de suas preocupações a formação das novas gerações. O empenho e brilho com que criou e coordenou o grupo de pesquisa Cepos, tornando-o uma referência de reflexão da EPC no Brasil e no estrangeiro, é a prova cabal disso.  Ao longo de todos esses anos pude acompanhar a seriedade e brilhantismo com que os pesquisadores ligados a esse grupo apresentavam os resultados de suas pesquisas nos mais diversos fóruns científicos. Porém, como alguns ex-orientandos aí formados replicavam não só os conhecimentos adquiridos, mas também o compromisso com a pesquisa e a devoção pelo pensamento crítico em outras áreas geográficas, tornando a Unisinos também um grande centro irradiador.

Sua generosidade não se restringia ao contato com pesquisadores renomados e orientandos diletos; Valério insistia na importância de se partilhar o conhecimento. Nesse sentido, incentivava a todos a participar dos seminários de pesquisa promovidos pelo Cepos, assim como procurava atender aos diversos convites de diálogo como jovens pesquisadores. Recordo-me do prazer com que idealizou e coordenou as Jornadas de Doutorandos da Ulepicc-Federação e da Ulepicc-Brasil. Mesmo combalido pela doença, Valério não se furtou a esse compromisso e, junto de uma de suas fiéis escudeiras, a professora Jacqueline Dourado, capitaneou a organização da Jornada do IV Encontro Nacional da Ulepicc-Br até seus últimos dias. Em sua homenagem, a Ulepicc-Br resolveu nomear tal jornada de Jornada de Doutorandos Prof. Dr. Valério Brittos.
Dessa forma, sua partida deixa mais do que uma lacuna intransponível. Deixa também a certeza de que soube como ninguém preparar o solo para que as várias sementes que espalhou ao longo de sua jornada frutifiquem ainda mais. Seu legado é o exemplo do quanto os valores como seriedade e serenidade, hombridade e lealdade são ingredientes essenciais à construção de uma grande obra, a edificação de uma vida que vale a pena ser vivida.

* Ruy Sardinha Lopes, mestre e doutor em Filosofia pela FFLCH da Universidade de São Paulo. É professor no Instituto de Arquitetura e Urbanismo – USP/São Carlos, e presidente da Ulepicc-Br. E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição