Edição 393 | 21 Mai 2012

IHU Repórter

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Thamiris Magalhães

Sonhador. Assim se define o professor de Educação Física da Unisinos Edson Bemvenuti em entrevista concedida pessoalmente à IHU On-Line. Lecionando há exatos 40 anos nesta instituição, Bemvenuti, que também é psicólogo, adora ficção científica, gosta de trabalhar com madeira e está sempre em busca de fazer coisas diferentes. “Sou um sonhador. Sou o mais velho do curso, mas ainda tenho ideias, pensamentos e vontade de novo. Estou sempre buscando coisas novas. Gosto de desafios e de novidades. Além disso, meu relacionamento com os jovens é muito bom”, afirma. Seu maior sonho é ver o Brasil se “ajeitar”. Conheça um pouco mais sua história.

Origem – Nasci em 5 de fevereiro de 1945. Sou natural de São Leopoldo. Nunca saí desse lugar. Meus pais também são daqui. Meu pai veio de Cachoeira-RS, quando pequeno, e minha mãe veio daqui dos arredores. Meu pai é falecido e minha mãe tem 87 anos. Tenho um irmão, psiquiatra, o Marco Aurélio, que mora em São Leopoldo também. Sou casado. Tenho três filhos. A Vanessa (40), o Adriano (38) e o Tiago (30). 

Formação – Formei-me em Educação Física, em 1970. Sou da primeira turma de formados pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS em Educação Física. Terminei essa graduação na UFRGS, mas quando iniciei não era instituição federal, as sim estadual. No último ano é que ela passou a ser Universidade Federal. Isso com bastante influência e batalha minha, que era presidente do Diretório Acadêmico na época. Dois anos depois, em 1972, vim trabalhar na Unisinos. Em 1971, meu colega e eu fizemos um projeto para implantação da prática desportiva no Ensino Superior, aprovado pelo Ministério da Educação e Cultura, que era obrigatória naquela época. De 1972 em diante, passou a ser obrigatório em todas as universidades o ensino da Educação Física. A Unisinos, portanto, se viu obrigada a oferecer Educação Física para todos os seus universitários. Posteriormente, fiz especialização em Metodologia do Ensino Superior, aqui na Unisinos, e mestrado em Psicologia do Esporte na Escola Superior de Educação Física – ESEF da UFRGS, onde me graduei. Atualmente, leciono uma cadeira de psicologia do movimento humano, ligada à Educação física, desenvolvimento motor e futebol.

Docência – Em março de 1972, ingressei como professor de prática desportiva na Unisinos. Ainda não existia o curso de Educação Física nessa época, iniciando apenas em 1986. Em agosto de 1972, ingressei como aluno do curso de Psicologia também da Unisinos. Fui da primeira turma a ingressar neste curso na instituição. Quando iniciou o curso de Educação Física na universidade, comecei a ensinar, sempre lecionando as disciplinas relacionadas à Psicologia Desportiva.

Psicologia – Quando me formei em Psicologia, abri consultório e fui trabalhar também em organizações, fazendo consultoria na área de psicologia de empresas. Em 1989, fui eleito chefe de departamento de Educação Física nesta universidade. Daí em diante, dediquei-me por dez anos na coordenação do curso e na chefia de departamento. Comecei o mestrado em 1998 e terminei em 2000. Neste mesmo ano, voltei para a Educação Física. Na verdade, nunca abandonei o curso. A partir de então passei a pesquisar. Abrimos o laboratório de pesquisa em psicologia do esporte. Durante dois anos, fizemos pesquisa. Tínhamos uma ligação com a UFRGS, que também tinha um laboratório, com a Universidade Federal de Santa Maria – UFSM e a Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG. A partir disso, fiquei lecionando para o curso onde estou até hoje. Ademais, continuo atendendo em consultório. A linha que trabalho é a freudiana. Gosto muito da psicanálise de Freud. Mas a psicologia do esporte que trabalho na academia não tem nenhum vínculo com essa psicanálise. Trata-se de outra corrente: a cognitiva e comportamental, com a qual trabalho também. Não sou ortodoxo, nem para um lado e nem para o outro. 

Futebol – Em 1998, fui psicólogo do Grêmio Football Porto Alegrense, onde fiquei meio ano.

Lazer – Trabalhar com madeira. Gosto de brincar, fazer coisas diferentes com madeira, principalmente, às vezes, pegar um móvel velho, trabalhar com ele, reconstituindo-o. Já construí algumas coisas. Minha churrasqueira toda fui eu quem fez, além de mesa, cadeira, armário etc. E no esporte, gosto de jogar tênis. Faço uma vez por semana. 

Livro – Sempre que tenho tempo, gosto de ler os ligados à psicologia. Estou fazendo a releitura dos livros de Freud, pois está na hora de ler novamente, tendo novas interpretações. Gosto também de ler muita filosofia. 

Filme – Avatar, gosto muito de ficção científica, que é minha primeira opção em filmes. Depois, assisto os antigos ou coisa parecida.

Música – Gosto muito das de Roberto Carlos, da Jovem Guarda, que é do meu tempo. Gosto também de samba. Já fui ativo em blocos de carnaval em São Leopoldo, quando jovem.

Religião – Católica, de origem, mas não sou praticante.

Sonho – Ver o Brasil se ajeitar. Na época da minha juventude, peguei o início da legalidade, sou brizolista até hoje por causa disso, porque foi ele quem a fez. Depois, passou a ditadura, onde fomos bastante reprimidos e sempre tentando fazer alguma coisa para mudar. Hoje, estamos vendo o Brasil crescendo, demonstrando que é uma potência, mas muito mal organizado, e é esse que é o grande problema. Ele tem que se organizar.

Unisinos – Foi meu primeiro emprego grande como profissional de Educação Física. É uma instituição muito boa. Tem uma tradição muito importante. E uma coisa que eu sempre digo para os alunos é que, não sei como, mas os discentes da Unisinos têm um nível de educação diferente dos de outras universidades. São bastante educados.

Autodefinição – Sou um sonhador. Sou o mais velho do curso, mas ainda tenho ideias, pensamentos e vontade de novo. Estou sempre buscando coisas novas. Gosto de desafios e de novidades. Além disso, meu relacionamento com os jovens é muito bom. 

Últimas edições

  • Edição 549

    Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

    Ver edição
  • Edição 548

    Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

    Ver edição
  • Edição 547

    Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

    Ver edição