Edição 387 | 26 Março 2012

A transformação da oração em imagem

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Graziela Wolfart

Na concepção da artista plástica Clarice Jaeger a arte sacra que tem por tema a Paixão de Cristo permite uma reflexão sobre a crucificação. “Com as imagens das obras de arte penetramos no simbolismo desse acontecimento e o efeito que elas provocam nas pessoas faz com que, visivelmente, sintam muito mais a dor e a glória de Cristo”

A fé pode ser vivida de várias maneiras. E uma delas é através da possibilidade de tocar uma obra de arte que represente o sagrado. Afinal, é humano querer sentir a presença física do transcendente por meio do toque, do tato. Esse é um dos sentidos da arte sacra, tema da entrevista concedida à IHU On-Line, via e-mail, pela artista Clarice Jaeger. Ela estará na Unisinos de 26 de março a 12 de abril com a exposição de arte sacra (ícones e xilogravuras), na Sede da Adunisinos – sala 1G124, sempre das 19h30min às 22h. Ela também estará ao lado do professor José Maria Fernandes, quando irá falar sobre arte sacra no dia 27 de março. As atividades integram a programação do evento Páscoa IHU 2012 – Fé, Arte, Cultura (saiba mais em http://bit.ly/GGwJ1B). Para Clarice, “a arte visual é fundamental para a vivência da fé, pois com a encarnação do filho de Deus podemos ver sua imagem; não é algo abstrato. Como as pessoas necessitam da foto dos filhos, da pessoa amada, nós necessitamos muito mais da imagem de Cristo para contemplar e sentir seu amor, pedir sua proteção para viver a fé”.

Gravadora, pintora e desenhista, Clarice Jaeger participou de mais de 50 salões, entre os anos de 1979 e 1993, em Porto Alegre e pelo Brasil. Fez inúmeras ilustrações para o Jornal Continente e para a Revista em Pauta e ilustrou livros de poesias e de contos infantis recentemente para a editora japonesa Shinseken. Já ministrou vários cursos de xilogravura e realiza periodicamente palestras sobre o seu fazer técnico. Possui uma obra bastante extensa e tem trabalhos em acervos de instituições culturais, tais como: Museu de Pernambuco, Museu de Arte do Rio Grande do Sul, Museu da Gravura de Bagé, Museu da Xilogravura de Campos do Jordão.

Confira a entrevista.


IHU On-Line – Qual a especificidade da arte sacra de ícones e xilogravura?

Clarice Jaeger –
Os ícones são obras de arte realizadas por iconógrafos e artistas plásticos nas técnicas de pintura, mosaico, bordado, no estilo bizantino e russo com temas exclusivamente religiosos dentro da doutrina ortodoxa e católica. O auge dos ícones russos foi nos séculos XIV e XV, mas hoje esta linguagem está sendo muito usada e desenvolvida no Ocidente. No século XII as gravuras sacras na Europa eram multiplicadas com xilografia, técnica muito usada nos mosteiros pelos monges na reprodução de estampas de santos. E hoje alguns artistas ainda produzem xilogravuras de santos.


IHU On-Line – O que caracteriza a xilogravura sacra?

Clarice Jaeger –
A técnica da xilogravura para arte sacra produz um resultado excelente porque sua linguagem direta e forte elimina detalhes desnecessários para ir direto ao assunto, simplificando a mensagem. Foi o que senti ao ilustrar o livro Arte sacra. Reflexões e imagens (Porto Alegre: Editora Padre Reus, 2010).


IHU On-Line – Qual a importância da arte visual para a vivência da fé, ou seja, o ser humano tem a necessidade de visualizar e de tocar em um objeto artístico físico para vivenciar a fé de forma mais plena?

Clarice Jaeger –
A arte visual é fundamental para a vivência da fé, pois com a encarnação do filho de Deus podemos ver sua imagem; ela não é algo abstrato. Como as pessoas necessitam da foto dos filhos, da pessoa amada, nós necessitamos muito mais da imagem de Cristo para contemplar e sentir seu amor, pedir sua proteção para viver a fé. A história da arte é um testemunho da importância da arte sacra para os povos, a qual foi produzida durante séculos. O povo russo, em sua história, quantas vezes levou estandartes com a imagem de Nossa Senhora em guerras, cataclismos, invasões e através da fé alcançaram a proteção. A alegria do povo quando pinto uma imagem para uma igreja gratifica muito o meu trabalho.


IHU On-Line – Como você define, na qualidade de artista, a experiência de produzir arte sacra?

Clarice Jaeger –
Defino a minha experiência em produzir arte sacra como oração e concentração nas coisas de Deus. E quanto mais rezo durante a produção de uma obra sacra me parece que essas orações retornam através das pessoas que, ao visualizar meu trabalho em exposições ou igrejas, sentem uma comunicação divina muito maior.


IHU On-Line – Como define o processo de escolha das releituras de pinturas sacras em seu trabalho?

Clarice Jaeger –
A escolha das imagens é feita de acordo com minha vivência de fé, pela necessidade de transformar em imagem minha oração, minha devoção a Nossa Senhora, a Jesus Cristo, aos santos e também pelas solicitações de sacerdotes para pintura de igrejas, membros de paróquias e particulares que me fazem encomendas.


IHU On-Line – Que tipo de reflexão a arte sacra pode provocar neste período de introspecção em preparação à Páscoa?

Clarice Jaeger –
A arte sacra que tem por tema a Paixão de Cristo é muitíssimo rica, com muitos artistas e iconógrafos que produziram obras maravilhosas. Refletindo sobre a crucificação com as imagens das obras de arte penetramos no simbolismo desse acontecimento tão importante que será um de meus enfoques na palestra sobre ícones, dia 27 de março, terça-feira. É apaixonante analisar os detalhes de cada obra, sua simbologia e o efeito que provoca nas pessoas que, visivelmente, podem sentir muito mais a dor e a glória de Cristo.

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição