Edição 369 | 15 Agosto 2011

Ciclo de Estudos Perspectivas do Humano

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Graziela Wolfart

Uma reflexão sobre as perspectivas do ser humano baseada em pensadores contemporâneos

Começa nesta semana o Ciclo de Estudos Perspectivas do Humano. A primeira fase acontece nos dias 16, 17 e 18 de agosto próximos, e pretende oferecer uma reflexão atualizada e plural sobre a condição humana.
Primeiramente, o professor José Maria Aguirre Oraá, catedrático de Filosofia Moral da Universidade de La Rioja, apresentará o pensamento de Miguel de Unamuno, filósofo, reitor da Universidade de Salamanca, exilado da ditadura de Franco e morto na França. O eixo filosófico aqui é “a condição trágica da existência humana”, entendendo o trágico no sentido clássico, de agon, de luta permanente por ser e existir.

Num segundo momento, será exposto o pensamento de José Ortega y Gasset, catedrático de filosofia de Madri; exilado em Buenos pela ditadura de Franco, teve uma grande contribuição na formação de toda uma geração de pensadores desse país. Ortega y Gasset faz uma crítica ao racionalismo “chato” da cultura ocidental e propõe pensar o humano a partir do raciovitalismo. Por último, será apresentado o pensamento de José Luis Aranguren, que foi catedrático de ética na Universidade Complutense, Madri, cuja ênfase está centrada nos estudos de ética na política.

Já na segunda parte do Ciclo, a ser realizada nos dia 8, 12 e 15 de setembro de 2011, será apresentado o pensamento de Ignacio Ellacuria, que foi reitor da Universidade Central del Salvador. Assassinado tragicamente por paramilitares, junto com outros oito companheiros, seu pensamento remete sempre à obra de Zubiri, embora esteja muito focado em pensar filosoficamente a realidade latino-americana.
Segundo o professor Dr. Castor Bartolomé Ruiz, do PPG em Filosofia da Unisinos, que é um dos coordenadores do evento, “o humano, sendo o mais próximo de nós mesmos, nos resulta sempre o mais incompreensível.

Todas as áreas do conhecimento - direito, educação, economia, gestão, tecnologias, etc. – têm que se confrontar com uma ou outra perspectiva do humano para constituir seus discursos e práticas. Não podemos deixar de refletir sobre nossa própria condição para seguir existindo como pessoas, projetar um tipo de sociedade e criar história”.

Castor explica que o título Ciclo de Estudos, Perspectivas do Humano já reflete a insuficiência de qualquer teoria para esgotar uma explicação plena ou definitiva sobre o ser humano. “O humano é sempre uma fronteira por atingir. O humano só pode ser dito em perspectiva, ou seja, de forma plural, diversa, diferente e até divergente. Todas as reflexões sobre a pessoa, o sujeito, a condição humana, são aproximações possíveis, necessárias, mas que nunca conseguem esgotar uma compreensão explicativa do ser humano. Até porque o humano existe como alteridade singular que sempre é diferente e não se deixa normatizar por regularidades científicas nem padronizar por teorias”.

O Ciclo de Estudos Perspectivas do Humano é um projeto da Cátedra Unesco Unisinos de Direitos Humanos e Violência, Governo e Governança, com o apoio da Agência Espanhola de Cooperação Internacional – AECID, que financia a vinda dos professores da Espanha. “Com esta circunstância, decidimos apresentar uma panorâmica de alguns dos principais pensadores espanhóis do século XXI, alguns deles com uma relação muito estreita com a realidade latino-americana”, explica Castor. O evento é também copromovido pelo Instituto Humanitas Unisinos – IHU e pelo PPG e curso de Filosofia da Unisinos.

Mais informações podem ser obtidas em www.ihu.unisinos.br.

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição