Edição 361 | 16 Mai 2011

Josefina Maria Fonseca Coutinho

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Patricia Fachin

Formada em Administração de Empresas e com uma longa experiência na área administrativa, além de uma trajetória consolidada como diretora de marketing na Caixa Econômica Estadual, Josefina Coutinho nunca havia cogitado a possibilidade de seguir a carreira acadêmica. Entretanto, o aperfeiçoamento profissional através do curso de mestrado a fez mudar de ideia e o relacionamento com os alunos de graduação foi decisivo na escolha de dedicar-se exclusivamente à docência, sua grande paixão. Na entrevista a seguir, a professora dos cursos de Administração e MBA fala um pouco da sua história pessoal e da trajetória na universidade, que iniciou nos anos 1980. Confira.

Origens – Nasci em Guaíba, mas minha família é de Venâncio Aires, cidade onde vivi a infância e adolescência. Depois, mudei para Porto Alegre na época da faculdade. Tenho seis irmãos, um deles é adotivo e, inclusive, é o único que ainda reside em Venâncio Aires, com minha mãe. Os demais moram em Porto Alegre e outro, em Triunfo. Apesar da distância, continuamos nos visitando e nossa referência é o sitio da família. Reunimo-nos nas festas principais como Natal, Ano Novo, Páscoa e, sempre que possível, nos finais de semana.

Minha mãe tem 95 anos e mora sozinha. Meu pai já faleceu.

Estudos – Cursei a faculdade de Administração de Empresas na Unisinos e, ao mesmo tempo, trabalhava no Unibanco. Quando terminei a faculdade, fiz um curso de especialização em Marketing na universidade e, na sequência, cursei o mestrado por meio de uma parceria da Unisinos com a PUC-Rio. Depois, fiz o doutorado em Comunicação na PUCRS.

Carreira acadêmica – Até fazer o curso de especialização, nunca havia pensado em seguir a carreira acadêmica. Depois de trabalhar no Unibanco, fui para a Caixa Econômica Estadual, onde trabalhei por 25 anos. Fui diretora de Marketing da Caixa e segui essa carreira em paralelo com o magistério como uma forma de atualização, de manter contato com alunos e fui me apaixonando pela profissão e pela sala de aula. Aperfeiçoei-me para ser uma professora de carreira.

Trajetória na Unisinos – Só trabalhei como professora na Unisinos e atualmente leciono para os cursos de graduação em Administração, MBA em Gestão de Pessoas e também coordeno o curso de especialização em Cooperativismo.

Planos – Por enquanto, quero me dedicar a ler e pretendo escrever um livro baseado na minha tese de doutorado sobre comunicação interna e gestão do conhecimento. Mais tarde, vou pensar em fazer um pós-doutorado, mas eu gosto mesmo é desse relacionamento com os alunos de graduação. A relação com eles é interessante porque sempre se traz algo novo e as aulas despertam neles o prazer de conhecer e se inserir no mercado de trabalho.

Lazer – Gosto de ler, viajar e passear no sítio da família; vou para lá quase todos os finais de semana para visitar minha mãe e também porque temos uma criação de gado leiteiro. Minha irmã e eu investimos no negócio e meu irmão, juntamente com um empregado, cuida e administra.
Nas férias, gosto de conhecer países, inclusive o Brasil. Um dos meus sonhos de criança era conhecer as pirâmides do Egito e fiz esse passeio interessante. Conheço a Áustria, França, Espanha, Itália, Israel e este ano também fui a Portugal. Gosto de pacotes curtos, de no máximo 15 dias. O ideal são 11 dias porque depois disso, a viagem se torna cansativa.

Religião – Sou católica praticante. Minha mãe é ministra da Igreja e sempre tivemos uma formação católica forte, de raiz. Vamos à missa, acreditamos em Deus e fazemos orações em todas as datas festivas.

Universidade – Sou apaixonada pela universidade e penso que é um ótimo lugar para trabalharmos. Somos valorizados, reconhecidos. A Unisinos cresceu ao longo desses 20 anos, mas os conceitos básicos permanecem os mesmos. A universidade evoluiu, se modernizou e isso faz com que ela tenha essa marca forte dentro da comunidade acadêmica.

IHU – Gosto das entrevistas e das notícias porque elas abordam temas de uma área mais humanitária e social, além de terem um viés mais filosófico. Isso acrescenta no conhecimento da comunidade acadêmica, principalmente dos profissionais da área técnica, que leem livros específicos.

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição