Edição 339 | 16 Agosto 2010

Os fenômenos midiáticos mundiais produzidos por espectadores: a inversão de papéis

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Maíra Bittencourt

Não se pode afirmar que já se foi o tempo das indústrias culturais, e portanto, é um equívoco afirmar que este conceito está ultrapassado. Leia o artigo de Maíra Bittencourt.

Não se pode afirmar que já se foi o tempo das indústrias culturais, e portanto, é um equívoco afirmar que este conceito está ultrapassado. O que não é precipitado, porém, é perceber que há mudanças significativas no sistema de produção e de consumo de informações e bens culturais. Com o advento da internet e a dimensão mundial da rede, aqueles que até então eram meros espectadores, passam a produzir materiais e podem vir a pautar o planeta. Com a rede mundial de computadores, o poder de criar e passar informações para os mais diversos públicos foi concedido também aos cidadãos comuns. E, é claro, que não de forma igualitária.
Isso não significa o extremo de pensar que as questões referentes à massificação foram superadas e que se vive uma democracia da comunicação, longe disso. O que se precisa perceber é que o mundo deu passos para outro rumo, antes não existente, e que nesse novo espaço há coexistência de produtos. A forma não igualitária, citada no parágrafo anterior, é que um cidadão comum tem condições muito desiguais para produzir conteúdo. Muitas vezes possui sua internet com pouca velocidade e utiliza materiais como câmeras fotográficas e de vídeo amadoras. Enquanto isso, os conglomerados de empresas seguem com todo o potencial de profissionalização e ainda aproveitam-se do entorno de criatividade original que circula na rede. Além disso, trata-se de uma questão de nome, da reputação do selo e da marca da empresa jornalística, além de um poder de divulgação e patrocínio (como forma de financiamento) que são incomparáveis diante da escassez da mídia produzida apenas pela cidadania.
Contudo, a rede possibilita hoje, dar voz a quem antes nem ao menos tinha como pensar em fazer uso dela. As possibilidades advindas da internet são várias, como: publicação de conteúdos sendo permitido criar seu próprio espaço de produção significativa; comunicar-se com sua rede social; expandir-se além dela; visualizar conteúdos de grandes conglomerados de mídia, mas também procurar aqueles materiais diferentes, oriundos de locais mais distantes. O usuário já consegue prever que haja decisões de quando será assistido a um vídeo, a um filme, novela ou seriado, a forma que se dará o tempo diante da tela e o local onde o assistirá (no caso de computadores portáteis).

Com isso abrem-se possibilidades não somente para criação, como também possibilidades de escolhas. E assim surge outra problemática. Quando não há delimitações, o público assiste e produz o que melhor lhe convém, o que nem sempre implica bons conteúdos. Se for feita uma análise somente no ramo audiovisual contido na internet dos últimos meses, percebe-se uma expansão célere de vídeos com baixo teor de elaboração (narrativa pobre e estética comum) e que, mesmo assim, fazem grande sucesso. Por vezes, da mesmice decorrem boas ideias.
Vídeos como o elaborado para a campanha “Cala Boca Galvão” dão um exemplo muito nítido do que vem acontecendo.  No universo cibernético do micro-blog, o mundo se perguntou o que seria o tão “twitado” “Cala boca Galvão”. É óbvio que entre os brasileiros, principalmente torcedores, todos sabiam relacionar o conteúdo da campanha que exprime a impaciência com o estilo de narração do locutor esportivo, Galvão Bueno. Porém, para os estrangeiros, foi criada uma história afirmando tratar-se de uma campanha para salvar uma espécie de pássaros denominada galvão, da ameaça de extinção (Galvao bird, em inglês), cujas penas seriam utilizadas nos desfiles de carnaval para compor as fantasias.

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição