Edição 336 | 06 Julho 2010

“Em Jesus se realiza o melhor de nós”

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Graziela Wolfart e Cleusa Andreatta

Para o teólogo espanhol Andrés Torres Queiruga, ao olharmos Jesus, reconhecemos o melhor de nós mesmos enquanto criaturas criadas, sustentadas e habitadas por Deus

Desafiado a definir quem foi Jesus, o teólogo espanhol Andrés Torres Queiruga responde que foi “aquele que conseguiu a culminação insuperável da acolhida de Deus na história humana (...) e que conseguiu revelar e viver para Deus como amor infinito e perdão incondicional, preocupado apenas com nosso bem e nossa salvação, convocando-nos a colaborar com Ele para que isto seja possível para todos”. Na visão de Queiruga, “não é possível pensar uma meta maior e sempre poderemos estar caminhando até ela”. Na entrevista que segue, concedida, por e-mail, à IHU On-Line, ele ainda fala sobre as transformações que a Teologia vem sofrendo em nossa sociedade. E afirma: “É uma teologia que progrediu e fez muitas mudanças, mas que, no entanto, não tem tocado nas questões de fundo. Foram feitas reformas, mas, em questões fundamentais, é preciso uma ‘mudança de paradigma’”.

Andrés Torres Queiruga é professor da Universidade de Santiago de Compostela, na Espanha. É licenciado em Filosofia e Teologia pela Universidade de Comillas, Espanha, doutor em Filosofia pela Universidade de Santiago de Compostela, Espanha, e doutor em Teologia pela Pontifícia Universidade Gregoriana, Itália. Entre suas obras publicadas em português, citamos Creio em Deus Pai. O Deus de Jesus como afirmação plena do humano (São Paulo: Paulinas, 1993); O cristianismo no mundo de hoje (São Paulo: Paulus, 1994); A revelação de Deus na realização humana (São Paulo: Paulus, 1995); e Repensar a ressurreição (São Paulo: Edições Paulinas, 2004). No livro A teologia na universidade contemporânea, organizado por Inácio Neutzling e publicado pela Editora Unisinos, 2005, Queiruga é autor do artigo A teologia a partir da modernidade.

Confira a entrevista.

IHU On-Line - Como entender a grande atração provocada pela pessoa de Jesus?
Andrés Torres Queiruga – Como disse o Concílio: em seu mistério se revela nosso mistério; olhando Ele, reconhecemos o melhor de nós mesmos enquanto criaturas criadas, sustentadas e habitadas por Deus, que nos chama à confiança n’Ele e na radical fraternidade com as outras pessoas.

IHU On-Line - Como explicitar o lugar decisivo dado à compaixão na missão histórica de Jesus?
Andrés Torres Queiruga – Porque o amor, como a água, sempre tende a descer até onde estão a carência, a marginalização e o sofrimento: os “pobres”, no íntimo e amplo sentido evangélico.

IHU On-Line - Qual é a singularidade da intimidade filial de Jesus com Deus?
Andrés Torres Queiruga – Nunca o saberemos completamente. Adivinhamos seu mistério na transparência total à presença de Abba; em seu viver radical e sem fissuras “a partir de Deus”, como de seu pão de cada dia; em sua disponibilidade plena ao chamado que constitui seu ser enquanto saído do Pai, até o ponto em que podemos dizer que ver e escutar Ele é ver e escutar o Pai.

IHU On-Line - Como nós, hoje, no século XXI, podemos entender de forma racional a pessoa de Jesus?
Andrés Torres Queiruga – Tudo o que foi dito no ponto anterior vale, em diferente, mas real medida, para nós: nosso ser “ressoa” em seu encontro e podemos “imitá-lo” e “segui-lo”. Por isso, a melhor maneira de compreendê-lo é reconhecer que nele se realiza o melhor de nós, aquilo a que aspiramos sem alcançar totalmente. Por isso, Rahner  dizia que a Cristologia é a culminação da Antropologia (eu concreto: a pessoa vista desde a criação por amor).   Definitivamente, Jesus é “igual a nós, mas diferente; diferente, mas igual”. Por algum motivo, nos convida a orar como ele: “Pai nosso”.
 
IHU On-Line - Como o senhor responde hoje à pergunta: quem foi Jesus?
Andrés Torres Queiruga – Aquele que conseguiu a culminação insuperável da acolhida de Deus na história humana, aprendendo dela (sobretudo através do Antigo Testamento e das culturas e religiões presentes em seu gênesis, assim como também das culturas de seu tempo, helenista e romano), mas a levando à radicalidade insuperável desde sua própria experiência que lhe permitiu romper o último “muro”. Em síntese: Aquele que conseguiu revelar e viver para Deus como amor infinito e perdão incondicional, preocupado apenas com nosso bem e nossa salvação, convocando-nos a colaborar com Ele para que isto seja possível para todos. Não é possível pensar uma meta maior e sempre poderemos estar caminhando até ela.

IHU On-Line - Como o senhor avalia a situação da Teologia diante das grandes mudanças que caracterizam o contexto atual?
Andrés Torres Queiruga – É uma teologia que progrediu e fez muitas mudanças, mas que, no entanto, não tem tocado nas questões de fundo. Foram feitas reformas, mas, em questões fundamentais, é preciso uma “mudança de paradigma”.

IHU On-Line - Quais as principais questões colocadas à Teologia pelo pluralismo cultural, religioso e de valores vigentes em nossa sociedade?
Andrés Torres Queiruga - No aspecto teórico, uma nova concepção da revelação: o amor infinito de Deus manifestando-se o máximo possível em todos os homens e mulheres, em todas as culturas e religiões; só limitado pelo respeito divino à liberdade humana e pela limitação inevitável de nossas capacidades. No campo prático, uma maior, mais fraterna e igualitária, participação de todos — homens e mulheres sem nenhum tipo de discriminação — na vida da Igreja: neste sentido, uma “democratização” radical: os primeiros, últimos; o que manda, serve.

IHU On-Line - O que se entende hoje como uma “teologia pluralista”?
Andrés Torres Queiruga – Na visão do interior da Igreja, é o respeito às diferentes teologias na comunhão da fé comum. Do ponto de vista das demais religiões, é o reconhecimento da presença salvadora e reveladora de Deus nas distintas medidas de sua acolhida histórica. Isso não impede confessar que em Cristo se alcançou a culminação insuperável em si mesma, ainda que perfectível em nossa responsabilidade de atualizá-la no caminho da história. Aí as demais religiões podem ajudar também, na medida em que nós lhes oferecemos o que foi conquistado em Cristo.

IHU On-Line - Como as demandas de uma teologia pluralista impactam na teologia da revelação?
Andrés Torres Queiruga – Tornando-a mais aberta, humilde e fraternal como atitude; nada literalista na interpretação da Bíblia e da tradição; mais teocêntrica desde Deus tal como se revelou em Jesus, o Cristo.

Leia mais...

>> Andrés Torres Queiruga já concedeu outras entrevistas à IHU On-Line:

* Teologia, pós-modernidade e universidade. Entrevista publicada na IHU On-Line número 103, de 31-05-2004, disponível para download em http://bit.ly/bcvPx8 
* Teologia e modernidade: a busca de novos paradigmas. Entrevista publicada na IHU On-Line número 92, de 15-03-2004, disponível para download em http://bit.ly/aeglE3 

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição