Edição 311 | 19 Outubro 2009

Por quem os sinos dobram

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Augusto de Sá Oliveira

Confira o artigo do grupo de pesquisa CEPOS que avalia a cobertura feita pelo jornal A Tarde, da ação do MST e da reação da população contra os frequentes atrasos dos trens, ocorridos simultaneamente, em 07 de outubro, tanto em SP quanto RJ.

Na quarta-feira, 7 de outubro, dois fatos chamaram a atenção da mídia no Brasil, e o matutino baiano A Tarde repercutiu, no dia seguinte, estas notícias: atividades do MST em fazenda paulista e os conflitos da população com a administração de 04 estações de trens do subúrbio carioca. O primeiro tema é objeto do editorial do jornal (caderno A-3) com o título: Práticas de subversão; de artigo do jornalista baiano Samuel Celestino, com o título: A invasão e a ordem (caderno A-13); de artigo da jornalista Dora Kramer, cuja coluna, publicada em outros jornais, é reproduzida aqui, com o título: Só para civilizados (caderno B-1); e, na mesma página, o artigo de Clarissa Thomé, da Agência Estado (RJ), com o título: Passageiros depredam 4 estações de trem no Rio.
 
A primeira observação é que apenas o editorial e a coluna de Samuel Celestino foram produção local, os demais artigos são olhares de fora sobre os episódios em questão. A segunda é que o MST mereceu bem mais atenção do que os problemas de transporte coletivo envolvendo os trens que ligam o subúrbio à Central do Brasil no Rio de Janeiro. A terceira observação é que este último fato é apresentado como consequência de um acontecimento fortuito. O trem que seguia a linha Japeri-Central do Brasil quebrou a “cerca de 100 metros da estação de Nilópolis”. A jornalista informa seus leitores que “segundo a Supervia, concessionária que administra os cinco ramais, o concerto levou 12 minutos”. Mas, este pequeno intervalo de tempo e mais a falta de explicação aos passageiros, por parte dos maquinistas, do que ocorria, fizeram com que eles ficassem “revoltados” e promovessem um “quebra-quebra que se espalhou por quatro estações” (Nilópolis, Nova Iguaçu, Deodoro e Mesquita). O Corpo de Bombeiros apagou um princípio de incêndio, o Batalhão de Choque retirou as pessoas que insistiam em permanecer na via férrea e até “o Exército chegou a ser mobilizado para evitar maiores tumultos”. Tirando a transcrição da reclamação de uma passageira, alegando que “a Supervia não dá nenhuma explicação” quanto aos frequentes atrasos, e ao subtítulo que informa sobre o mês de abril, quando “seguranças foram flagrados batendo em passageiros com um chicote, para obrigá-los a entrar nos trens”, tudo sugere tratar-se de um fato isolado e não um processo crônico de abandono, desrespeito e maus-tratos à população do subúrbio carioca. Ninguém é responsabilizado ou criminalizado pela ocorrência e nem se discute qualquer alternativa de solução para o problema. Tudo fica como uma circunstancial e excessiva explosão emocional da população.
 
O MST não mereceu, neste veículo impresso, por parte dos articulistas e do editorialista, o mesmo distanciamento que os incidentes na Central do Brasil. O editorial qualifica a prática do MST de “subversão”, palavra que foi usada como justificativa para o golpe civil-militar de 1964 e que, posteriormente, alicerçou toda a ação repressiva da ditadura. O editorialista sugere que os “corifeus da reforma agrária” existem graças aos recursos que recebem do “próprio governo federal (…) para invadir e depredar [e] para desestabilizar a ordem”. O MST, que antecede em muito o governo Lula, é reduzido a uma extensão do atual governo federal, é apenas um “travesso e violento tentáculo de sua cartilha de inclusão social”.
 
Samuel Celestino, jornalista político conhecido do público baiano pelas suas antigas e arquiconservadoras opiniões, repete a mesma ladainha. Começa alegando que “as cenas [de ‘vandalismo’] chocaram pela destruição”, segue apoiando-se no ministro Gilmar Mendes que considerou a “invasão” uma “afronta à Justiça e à ordem”, acusa o governo de omissão (“faz de conta que não vê”) e de destinar “bilhões [sic] de reais para o MST”. O que ele sugere é que se o governo Lula é moroso em assentar as famílias no campo que, então, os militantes do MST “pressionem o governo, acampem na Praça dos Três Poderes”.
 
A jornalista Dora Kramer mantém uma coluna em importante diário de circulação nacional, reproduzida por muitos impressos de importância regional, é conhecida do público brasileiro. Kramer escreve sua coluna com o fim explícito de atacar “as quatro autoridades” (o chefe de Gabinete de Segurança Institucional general Jorge Félix, o ministro Tarso Genro, o ministro Guilherme Cassel e o presidente do Incra, Rolf Hackbart), as “tantas outras que mantêm o financiamento público do MST”, além daquela “autoridade maior que tudo vê e tudo corrobora”, pelo “benefício das palavras amenas” dispensadas ao MST. A “civilizada” senhora Kramer não fez uso de “palavras amenas” para se referir ao MST e seus militantes. Para o MST coube as já surradas palavras, tais como, “invasão”, “vandalismo” etc. Também não se furtou a mostrar que compreende profundamente o Brasil: de um lado, estão os “cumpridores da lei”, e, do outro, os “bandoleiros” com “licença para barbarizar a tudo e a todos impunemente”. A “civilizada” [U7]jornalista se investe da condição de Juíza, julga, criminaliza e pune uma militante do MST ao tratá-la como “meliante”, “bandida” etc.
 
Editorialistas, jornalistas e os veículos que eles representam, de Norte a Sul do país, podem tolerar que a população desorganizada e revoltada, sem qualquer objetivo político, possa atentar contra a “propriedade privada” através de “quebra-quebra”, incêndio etc. Mas, se um movimento político popular, que visa organizar as massas rurais despossuídas e é declaradamente contra o sistema capitalista, atenta contra a “propriedade privada”, isto deve ser criminalizado e impõe uma violenta ação repressiva ou, no limite, serve de justificativa para um golpe de estado.

* Economista, mestre em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Faculdade de Comunicação (FACOM) da Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutorando em Ciências Sociais pela Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (FFCH) da UFBA, professor do curso de Comunicação Social e da pós-graduação em Jornalismo Cultural, ambos da Faculdade 2 de Julho (F2J), Salvador-BA, membro do Grupo de Pesquisa Comunicação, Economia Política e Sociedade (CEPOS) e membro da União Latina de Economia Política da Informação, da Comunicação e da Cultura (ULEPICC-Brasil). E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição